terça-feira, 27 de setembro de 2016

Crítica | Grey's Anatomy - 13x01: Undo (Season Premiere)



Quando os mocinhos viram os vilões.

Grey's Anatomy está de volta para sua DÉCIMA TERCEIRA TEMPORADA! Quem um dia imaginou que o drama médico duraria tanto tempo? Ainda mais com a mesma protagonista? Há de concordarmos que nem mesmo ER, que durou suas QUINZE TEMPORADAS, manteve o mesmo elenco, quem dirá o mesmo protagonista por tanto tempo. Esse ano já começou arrasador e não vou mentir, 13 não é um número visto com bons olhos por muitas vezes ser associado à má sorte; e, se tratando de Grey's, onde ninguém nunca tem sorte ou está feliz todo o tempo, não sei como uma temporada com esse algarismo irá se suceder.

O retorno parte exatamente de onde o décimo segundo ano nos deixou: no casamento de Amelia, na descoberta por parte de Meredith dos sentimentos de Maggie por Riggs (o mesmo que Grey andou dando uns beijos e outras coisinhas mais); e, mais importante, a agressão de Karev contra DeLuca. Vamos partir do princípio e do foco do próprio episódio: A CULPA NUNCA É DA VÍTIMA. Esclareço desde agora que sou team DeLuca e quero ver Alex pagar pelo que fez, por precisamente ser uma atitude não justificável.

Sinceramente, a pessoa que vos escreve é absolutamente contra a justiça com as próprias mãos, e por mais que as suspeitas de Alex se comprovassem verdadeiras (que Andrew havia tentado abusar de Jo), não acho cabível aos punhos do médico à retaliação. Entendo a situação que o mesmo presenciou e a visão do quadro num todo, mas sou do tipo de pessoa que pergunta antes e atira depois, não o contrário.



Quando DeLuca chega ao hospital, completamente desfigurado, uma situação tensa se coloca entre a equipe médica, uma vez que nenhum dos atendentes sabe o que aconteceu e as suspeitas logo começam a surgir. O que também me irritou nessa Season Premiere foi a fé cega da Meredith no Karev. Entendo a circunstância em que os dois se encontram e como a amizade dos mesmos foi sendo construída com o tempo, mas temos que analisar o histórico dos personagens também. Alex nunca foi um exemplo e apesar de ter crescido absurdamente no decorrer dessas treze temporadas, sua personalidade é cheia de falhas, o que é normal já que o mesmo é um ser humano.

O problema mesmo foi Meredith decidir não entregar seu colega, o que é até compreensível já que ela tinha apenas o seu lado da história, mas após a descoberta de que na verdade o errado era seu amigo, a ação justificada (e certa) seria acusar o médico às autoridades cabíveis. Felizmente ela entendeu que os dois eram os vilões da história (com toda certeza) e que aquilo ia além de lealdade e amizade. As ações da dupla até fizeram sentido no roteiro já que não sabiam o que realmente havia acontecido, mas para nós espectadores (principalmente para mim), que já sabíamos de tudo desde sempre, foi um tanto incômodo como algumas coisas pareceram que iriam sair impunes.

Outro ponto que me incomodou um pouco foi essa indecisão de Mer com seus sentimentos, e se devia ou não falar do Riggs para Maggie ou da Maggie para Riggs. Com ao término do episódio, Pierce disse que não aceitaria mais mentiras por parte da Mer, e já prevejo algum drama e discussão em torno delas  envolvendo esse triângulo amoroso em potencial, que é o que todos nós fãs amamos. 

Com um início de temporada promissor, mesmo que não tão empolgante, Grey's Anatomy retorna como o drama médico absoluto da TV norte americana, talvez mundial. Shonda prometeu uma temporada centrada em violência doméstica, o que é um tema polêmico por si só, e nunca utilizado anteriormente na série. Sabemos do talento de Shonda na hora de fazer aquele melodrama impecável e a única pergunta que fica depois dessa Premiere é: "quem vai morrer nessa temporada?".
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário