terça-feira, 24 de maio de 2016

[Crítica] Zoombies


Direção: Glenn Miller
Ano: 2016
País: EUA
Duração: 87 minutos
Título original: Zoombies

Crítica:

Uncaged. Undead.

Quando falamos em zumbis, a primeira coisa que pensamos são em humanos mortos-vivos andando pela terra em busca de carne e cérebro frescos. No entanto, poucas são as vezes que os animais fazem parte deste quadro. De fato, na maioria das vezes, são completamente ignorados. Há alguns casos, como em Madrugada dos Mortos, em que foi revelado que os animais (pelo menos cachorros) podem passear tranquilamente entre os zumbis, já na série The Walking Dead, eles estão no menu junto com os humanos. O fato é que nenhuma produção pensou exclusivamente em animais zumbis, seres que certamente podem fazer muito mais estragos que um humano contaminado. Apesar do conceito interessante, vale lembrar que esta é uma produção da produtora The Asylum (da franquia Sharknado), então vocês sabem exatamente o que esperar.

Na trama, um grupo de pessoas são designadas a conhecer um parque de animais, trazendo um sistema inovador, onde eles possam criar diversas espécies ameaçadas de extinção. No entanto, quando um vírus mortal começa a infectar os animais, os humanos terão que se unir para escapar com vida do local. O estranho vírus parece transformar os animais em zumbis, fazendo-os perseguir os humanos para se alimentarem. A preocupação dos sobreviventes fica por conta do aviário, uma vez que as aves, se libertas, poderiam espalhar o vírus para todo o mundo, causando uma epidemia global. Agora, os que não foram massacrados, terão que salvar não só a si mesmos, como também todo o mundo de uma ameaça mortal e morta-viva.

Não sou um fanático pelos filmes dessa produtora. Existem pessoas que realmente gostam desse "estilo", mas, na minha opinião, é um suicídio cinematográfico. Não consigo parar de pensar no que pessoas talentosas poderiam fazer com o orçamento jogado fora para produzir essa porcaria. No entanto, me aventuro a encarar alguns lançamentos; seja pelas ideias tão bizarras que eu sou obrigado moralmente a conferir, seja para rir dos (d)efeitos especiais. Neste caso, achei que seria divertido acompanhar um bando de personagens aleatórios serem devorados pelos mais diversos animais. Ledo engano. Acredito que a maior problema de todos – e da maioria das produções deste segmento – seja o fato da trama ser levada a sério demais. O roteiro é uma piada, os efeitos nem se falam, então como eles querem passar qualquer credibilidade em torno de algum drama ou monólogo forçado?

O filme não consegue se destacar em nenhum aspecto existente. Eu já sabia que os efeitos seriam ruins, mas os desse filme são uma atrocidade total. É possível que eles tenham passado o trabalho para os estagiários, porque o CGI consegue ficar abaixo do ruim que eles geralmente apresentam. Duas cenas em especial chamam atenção neste quesito: a vítima flutuando na boca da girafa e quando os sobreviventes escapam de tirolesa. Só quero lembrar que não estou comentando os efeitos ruins (ou então teria que falar todas as cenas do filme), apenas os péssimos (aquele tipo de efeito tão ruim que as pessoas de cada poderiam fazer melhor, com um pouco de cuidado e algumas vídeo aulas no YouTube).

O roteiro é tão ridículo, raso e mal feito, que eu certamente poderia ficar apontando discrepâncias por horas, mas decidi focar minha crítica em apenas um. O objetivo principal dos sobreviventes é não deixar as aves serem contaminadas, apesar delas entrarem em contato com o vírus, inevitavelmente. Mas em momento algum eles mostram como essa contaminação ocorreu, afinal de contas, estava tudo trancado. Depois, os mesmos personagens querem mantê-las trancadas, mas são os primeiros a deixar a porta do aviário aberto para entram para confrontar as aves zumbis (!). E nunca ave se atreve a sair, apesar desse ser um objetivo claro para elas (!!). A contaminação começa começa com uns macacos, mas não demora nem 10 minutos e basicamente todos os animais do zoológico já foram transformados com zumbis. E, claro, apesar de tantos animais, eles só aparecem quando é conveniente para o roteiro.

Parece extremamente sem sentido ficar apontando os defeitos do filme, afinal de contas, tenho certeza de que ninguém esperaria nada diferente. A única coisa realmente importante de se ressaltar é que o filme é extremamente tedioso. Se leva a sério demais, com muito personagem dramático recitando textão que ninguém se importa. Com o sucesso da franquia Sharknado, era de se esperar que eles percebessem que a chave para o sucesso é brincar com os seus próprios defeitos. Mas aqui, não há qualquer indicação disso. Parece um filme feito automaticamente. Não tem emoção, personalidade ou humor. Descartável do início ao fim, difícil até rir de suas idiotices.


Trailer:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
1 Comentários

Comentário(s)

1 comentários:

  1. Pior filme que eu assisti eu atuo melhor que eles...vc nao falou a cena do acidente que eles batem o gipe e caem no mesmo lugar ou como a segurança feminina consegue explodir um gipe com um lança chamas e o tombo deles....que filme mais besta no final eles saem com vida mais ninguém fala dos animais se mataram eles ou não

    ResponderExcluir