domingo, 8 de maio de 2016

[Crítica] The Originals - 3x20: Where Nothing Stays Buried


"Porque é aquele ditado: quem tá atrás um dia pode ficar na frente." - Brasil, Inês.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Claramente Lucien não segue os conselhos da rainha Inês Brasil, porque se o fizesse, não estaria tão derrotado como está no momento, não é mesmo?! Como já diz o ditado popular, vingança é um prato que se come frio; e Klaus fez questão de dividir sua marmitinha com a família.

E já que começamos por ele, vocês lembram que eu disse na review passada que ele iria ser tombado justamente por conta vitória antes do tempo? É a lei da ação e reação, amigo! Mas antes de encontrar seu fim trágico, Lucien ainda tentou matar Rebekah já que Klaus não foi enfrentá-lo como era o que ele esperava ao matar Cami. Ele até conseguiu dar uma surra em Hayley e Klaus por alguns minutos, mas alegria de pobre dura pouco e Freya e Elijah logo chegaram todo trabalhados nos poderes dos Ancestrais. O melhor foi a cara dele quando perdeu a magia da nova forma de Original e seu pedido de misericórdia à Klaus aos prantos. Mas o mão tem que ser cortado pela raiz mesmo e dois segundos depois, Klaus já está com o coração do flopado nas mãos. Claro, não antes sem cortar sua boca no mesmo formato que vimos no começo da temporada. Rei é sempre rei!

Porém, esse aumento de Freya com os poderes dos Ancestrais não foi uma coisa fácil de conseguir e, para isso, foi preciso sacrificar Davina, que estava presa no limbo de bruxos de New Orleans. Muitos apostam que dessa vez realmente não teve escapatória para a personagem, mas continuo irredutível. Não porque gosto dela - o que é fato, gosto muito -, mas porque todos nós conhecemos The Originals e The Vampire Diaries, e sabemos como os personagens podem voltar do nada. Se até personagem que passou anos morto voltou, porque Davina não pode, se só está presa naquela pedra? Mesmo com Kol falando que a alma que é aprisionada ali se perde para sempre.

E é claro que, se até Elijah e Freya ficaram ressentidos por ter que entregar a garota aos Ancestrais, imagina Marcel e Vincent?! Entendo perfeitamente o lado deles e amei o que Marcel jogou na cara de Klaus e Elijah: eles não têm pena de matar quem não é da família. Mesmo gostando dos personagens, essa é a mais pura verdade. Por isso, os dois se uniram e resolveram se vingar dos Mikaelson transformando Marcel no mesmo Original 2.0 que Lucien tornou-se outrora. Todos sabemos que Marcel realmente amava e protegia Davina como uma filha, então estou animado para esse plot, mesmo percebendo que podem acontecer várias falhas.

Porque Freya roubou poder dos Ancestrais e devido à imensidão de tão magia, não creio que ela tenha se esgotado só com aquela sugada da magia de Lucien; então Freya pode fazer o mesmo com Marcel. Como ainda faltam dois episódios para o fim da temporada, esse plot pode ser finalizado ou se estender até a 4ª, mas a sensação de volta ao começo - com Marcel e Klaus em guerra - voltou com tudo, mas agora com um objetivo diferente: vingar e lutar pela própria família. E Vincent também merece um prêmio por sambar na cara daquele menino que se tornou o Regente. Nunca lembro o nome dele, mas o odeio desde sua primeira aparição. Amei quando o Vincent jogou em sua cara que ele estava fazendo o mesmo que acusou de ser um crime por parte de Davina - ajudar vampiros. Graças à Deus, Kol o matou porque não sou obrigado.

Por fim, tivemos Hayley assumindo para Elijah que quer ficar com ele - foi preciso quase morrer para se tocar, né lobinha?! -, mas anotem que em breve vai surgir algo para impedir o endgame. E o que foi o Klaus se sentindo culpado pelos irmãos terem matado Davina, pois sabia que ela era amiga da Cami? Chorei. E isso foi tudo! Até o próximo episódio, pessoal.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário