quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

[Crítica] American Horror Story - Hotel | 5x08-11: The Ten Commandments Killer / She Wants Revenge / She Gets Revenge / Battle Royale


Entre amores e traições; vivos e mortos.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Com um episódio a menos em comparação com os anteriores, a quinta temporada de American Horror Story está a apenas um episódio do seu dramático desfecho. Nesses quatro episódios que comentarei abaixo, o roteiro tratou de encerrar diversas das tramas que havia levantado, além de fazer mais uma conexão com as temporadas anteriores - talvez a mais relevante de todas. Não posso continuar esse texto, porém, sem mencionar a surpreendente vitória da Lady Gaga no Globo de Ouro. Já fiz algumas críticas sobre sua interpretação - que em alguns momentos realmente deixaram a desejar -, mas fico muito feliz por ela. Ainda não acredito que ela tenha sido a melhor de todas, mas não posso negar que sua performance foi melhorando bastante com o passar dos episódios - principalmente nessa reta final.

Começando como de costume na ordem de exibição, falaremos de The Ten Commandments, o oitavo desta quinta temporada. De fato foi o episódio mais fraco de todos os que serão brevemente comentados neste texto. Praticamente todas as subtramas foram deixadas de lado para o desenvolvimento e desfecho do casos dos assassinatos investigados pelo John. Já havia comentado sobre isso, então não foi nada surpreendente quando o roteiro revelou que o John será o verdadeiro responsável pelos crimes horríveis. Pelo menos o enredo não ficou cozinhando os espectadores ainda mais, e acabou revelando isso logo no começo do episódio. Perderam uma grande oportunidade de desenvolver melhor a relação entre o personagem e a Sally - que anda sendo bastante negligenciada pelo roteiro.

Os dois episódios seguintes foram uma verdadeira loucura, com personagens traindo uns aos outros, metade do elenco querendo estar com a Condessa e a outra querendo matá-la. Seja como for, Lady Gaga estava no centro de praticamente todos os acontecimentos. Não demorou muito para o roteiro cimentar a trama das crianças que foram transformadas em vampiros, servindo eles de alimento para uma isolada Ramona. Por mim essa trama sequer teria surgido, porque foi uma das mais aleatórias deste ano. Liz também finalmente se uniu a sua fiel amiga, Iris, para concretizar sua vingança pelo seu amor perdido. Divou horrores achando que estava em um filme do Quentin Tarantino, e saiu atirando contra a Condessa e o Donovan, em uma cena em câmera lenta embalada pelo som de Hotline Bling. Sinceramente, não tem como ficar melhor do que isso! Poderia até ter sido a última cena da temporada que eu não reclamaria.

Como já era esperado, a Condessa não encontrou o seu fim pelas balas no final de She Gets Revenge, apesar de não ter conseguido escapar com vida do episódio seguinte. Ironicamente, ela morreu exatamente como era esperado no cliffhanger do décimo episódio - ou seja, alvejada. Mas isso não quer dizer que não a veremos zanzando pelos corredores do hotel. Ao contrário da expectativa geral, vampiros podem sim voltar como fantasmas. Agora a Condessa está condenada a passar o resto da eternidade ao lado do desprezado James March - que finalmente descobriu a identidade da pessoa que o entregou para a polícia. Sinceramente, achei a cena do jantar sensacional. Os diálogos foram perfeitos, e a posição passiva da Condessa diante de sua situação foi de partir o coração - principalmente que ela sugou os próprios filhos para escapar com vida da primeira chuva de tiros. Mais uma vez, devo acrescentar, Gaga esteve ótima em cena.

Algo que me surpreendeu bastante em Battle Royale foi a introdução de uma velha conhecida dos espectadores: Queenie, a voodoo humana da terceira temporada, em Coven. Depois de escapar com vida dos 13 episódios do terceiro ano, a personagem encontrou o seu fim duas temporadas depois, no hotel maldito Cortez. Conexões entre as temporadas já aconteceram, mas essa é a primeira que muda radicalmente algo que já testemunhamos, mexendo com o destino de personagens que já acompanhamos. E o mais legal é que tivemos algumas informações a respeito do universo da terceira temporada, e soubemos que as bruxas realmente vieram a público a nível nacional - apesar de ninguém nunca ter mencionado esse evento histórico na mídia antes. Será que a Cordelia virá atrás de sua protegida assim que souber que ela desapareceu? Improvável que algo assim acontecerá no próximo episódio, mas não consigo deixar de pensar sobre o que poderá acontecer após o término da história, já que os universos continuam se movimentando além do nosso conhecimento.

Bem, eu realmente não sei o que esperar do próximo episódio. Basicamente os principais acontecimentos já tiveram sua conclusão, apesar de alguns personagens permanecerem um mistério. Soubemos um pouco mais sobre o passado conturbado da Sally, mas a personagem continua sendo negligenciada pelo roteiro. Ela começou como uma das mais fortes da temporada, mas acabou sendo deixada de lado e apagada pela trama fraca do John. Espero que a Season Finale a aproveite de alguma forma, assim como também esclareça quais planos o March ainda reserva para o seu aprendiz. Será que ainda dá tempo para o jogo virar em relação a Condessa? Ou ela nunca mais vai se levantar? Acho difícil que ela irá deixar o simples fato de ter morrido atrapalhar seu delicioso jogo de manipulação. A promo do próximo episódio não parece muito interessante, refletindo um tipo de desfecho mais convencional e água com açúcar que já estamos saturados. Espero que esteja enganado e ainda consiga ser surpreendido pela série. Até os próximos 42 minutos!
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário