sexta-feira, 15 de maio de 2015

[Crítica] Sobreviventes


Direção: Adam MacDonald
Ano: 2014
País: Canadá
Duração: 92 minutos
Título original: Backcountry

Crítica:

Sobreviva.


Logo quando vocês pensam que já é seguro voltar para a floresta, eis que outro filme de urso assassino é lançado. Depois de assistir o decepcionante Red Machine, fiquei com um pé atrás para conferir Sobreviventes. Obviamente, esta é uma produção independente, com um orçamento bem menor. No entanto, é como algumas pessoas costumam dizer: “às vezes, menos é mais”. E eles têm razão! Não é a toa que somos constantemente surpreendidos com excelentes produções independentes de orçamento baixo. Este filme é apenas mais uma confirmação de que pode-se fazer muito com pouco. Pelo menos quando há talento envolvido.

A trama segue um casal urbano que vai acampar na selva canadense – onde a beleza inimaginável fica ao lado de nossos medos mais primitivos. Alex é um aventureiro experiente enquanto Jenn, uma advogada corporativa, não é. Depois de muito esforço para convencê-la, e contra o melhor de seus julgamento, ela concorda em deixá-lo levá-la ao Provincial Park, em um de seus lugares favoritos – o isolado Blackfoot Trail. Enquanto eles vão cada vez mais para dentro da floresta, Alex teimosamente insiste se lembra do caminho. Depois de três dias, o seu caminho desaparece; eles estão completamente perdidos. Sem comida ou água, eles lutam para encontrar seu caminho de volta, com as duras condições aflorando o melhor e o pior dentro deles, empurrando a sua relação já frágil ao ponto de ruptura. Quando eles percebem que entraram no território de um urso, estar perdido de repente se torna o menor dos seus problemas.

Ainda que tenha os seus defeitos, Sobreviventes apresenta alguns momentos sólidos de tensão. Está longe de ser o melhor filme de animais assassinos - apesar de ser melhor do que o recente Red Machine -, mas pelo menos provou que um filme independente pode sim contornar o seu problema de orçamento quando o diretor investe na tensão para desenvolver sua história ao invés de tentar ir além do cabível. Um dos pontos mais fortes do filme é justamente ter consciência de suas limitações, sem forçar os seus pontos fracos. De fato, o diretor consegue capturar alguns momentos bastante tensos sem mostrar muita coisa, mas ainda assim o suficiente para não nos deixar decepcionados.

A trama só conta com três personagens. Além do casal, que, apesar de parecer comum, consegue ser bastante irritante algumas vezes, temos um estranho na floresta. O fato é que o roteiro dá um destaque para sua introdução, lançando diversas possibilidades, mas o personagem nunca realmente se torna relevante. De fato, é muito decepcionante quando os créditos finais começam a subir e percebemos que o personagem foi completamente desperdiçado. No final das contas, parece que sua passagem pela história foi apenas para tomar alguns minutos na tela, sem ter que dividi-la com um urso logo no começo. Seria interessante se o enredo tivesse resgatado o personagem, dando-lhe algum propósito por ter sido introduzido.

Não esperava muita coisa na interação entre o casal e o urso, temendo o momento em que isso acontecesse. Enquanto o diretor foi bastante inteligente em introduzir o animal aos poucos, dando prioridade a cenas em que apenas nós, espectadores, testemunhamos a presença da ameaça antes dos próprios personagens, eu fiquei legitimamente com medo de que o suspense se perdesse em um confronto exagerado. Felizmente, quando o casal percebe a presença do urso, nos deparamos com um dos melhores momentos filme. Apesar de algumas atitudes questionáveis com um certo repelente, o primeiro confronto entre o casal e a criatura foi extremamente tenso. As consequências também foram brutais, trazendo alguns dos melhores efeitos de maquiagem apresentados nesta produção.

Só fiquei um pouco decepcionado com o terceiro ato. Não houve tempo para a construção de um confronto final. Pelo menos eu posso dizer que essa nunca foi a intenção do roteiro. Apesar de ter um urso no meio da história, este não é um filme sobre animais assassinos. É apenas uma história de sobrevivência, e a luta de um casal que tenta permanecer junto e vivo em um lugar isolado, onde eles só terão a si mesmos como apoio. Muitos podem se decepcionar, mas no quesito "sobrevivência" este filme faz um excelente trabalho. E, como essa é exatamente a sua proposta, fico feliz em dizer que ele está acima da média. Curiosamente, devo acrescentar que a protagonista deste filme, Missy Peregrym (Sono Mortal), fez uma audição para participar de Red Machine, mas não conseguiu o papel. Com certeza ela teve muita sorte, porque acabou fazendo parte de um filme com um tema semelhante, mas muito melhor.


Trailer:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
11 Comentários

Comentário(s)

11 comentários:

  1. Acabei de assistir e sem dúvida: é um ótimo filme! Recomendo!

    ResponderExcluir
  2. Amei! Superou minhas expectativas... A cena do ataque do urso ao namorado foi mto real, impressionante e até forte eu diria...

    ResponderExcluir
  3. Só não gostei do final só aparece ela desmaiando e o cara indo ajuda e mas nada tinha qe conta como qe ela fico pelo menos

    ResponderExcluir
  4. Eu imaginava outro rumo em que o solitário iria caça-Los e não imaginava esse confronto tão realístico com os ursos..me surpreendeu vou indicar.

    ResponderExcluir
  5. Eu concordo que esse filme tinha de tudo para ser ótimo, ainda mais por ser P.I, minha humilde critica é (o cara ficou desconfiado ao extremo do caçador que aparece logo no inicio do filme e confesso que também fiquei com o pé atrás e pensei que o cara poderia ser um Pscicopata (clinchê nos filmes de floresta), e acabei errando! bom voltando ao casal,

    1 - o cara sabe que está numa floresta selvagem, não levaram nenhuma lanterna de mão, se achou o especialista em vida selvagem e não levou mapa, disse que não adiantaria o celular da namorada pois não haveria sinal (falha horrivel) será que ele já ouviu falar de GPS? e que GPS não precisa de sinal? se fosse pra fazer isso nem mencionasse celular.

    2 - o urso veio até a barraca, cheirou e chegou até a encostar na menina e não fez nada? estranho isso, pois nenhum urso perde a oportunidade de uma refeição fácil! a menina simplesmente empurra o nariz do urso dormindo e ele vai embora, (forçado demais essa parte)

    3 - o cara sabe que está num territorio selvagem e vê o urso vindo pra cima deles e fica a procurar o bendito machado? pqp nessa parte eu quase parei de assistir, pois numa floresta o minimo que se faz é deixar uma arma o tempo todo sempre a mão, e ai o cara tem a brilhante ideia de enfiar o machado no C.. da mochila pra nunca mais ser achado, a menina pelo contrário estava com um ao que parece (Spray de Pimenta) que realmente funciona para qualquer animal, mesmo que por um breve periodo de tempo, mas deixou pra usar depois de uma eternidade.

    4 - depois do ataque e a menina se encontrar só, creio que o filme apenas esfriou mais ainda! não teve nenhuma ação empolgante, apenas uma menina fugindo, passou um helicoptero e porque raios não ligou o sinalizador? nãoooo, ela achou de ligar o sinalizador pra iluminar o caminho a noite, depois disso eu desisti e pensei (perdi meu tempo, filme ruim, dialogo fraco, atuações extremamente amadoras, sem vida e desfecho previsivel!

    ResponderExcluir