quarta-feira, 15 de outubro de 2014

[Crítica] The Walking Dead - 5x01: No Sanctuary (Season Premiere)


Um exército de uma mulher só.

Review:
(Spoilers Abaixo)

The Walking Dead está de volta, e melhor do que nunca! Crítico semanalmente esta série desde a segunda temporada, então quem me acompanha desde o começo sabe que eu sempre fiquei um pouco incomodado com o ritmo da trama. The Walking Dead já passou por muitos altos e baixos, e considero a segunda temporada a mais chata até o presente momento. Desde então, a trama tem sido reestruturada, e ainda que a série sofra com excesso de episódios em alguns momentos, é inegável que ela evoluiu muito desde o seu começo. Essa quinta temporada, por exemplo, tem tudo para ser a mais extraordinária de todas. Todas os elementos para formar um bom ano foram apresentados, e, como não poderia deixar de ser, tivemos uma Season Premiere que já pode ser considerada um dos melhores episódios de toda a série.

Confesso que passei a dar muito mais valor a The Walking Dead depois que comecei a assistir Z Nation. Tudo a respeito da nova série da SyFy é ruim! Desde a interpretação até as tentativas frustradas de drama. Mas, apesar dos primeiros episódios serem muitos ruins, a coisa alcança um novo nível trash lá pelo terceiro e uma certa cena com um sino. Z Nation tem investido em cenas chocantes e sem noção para atrair os seus espectadores - e este é o ponto forte da série, porque quando eles tentam desenvolver algum tipo de drama, vai tudo por ladeira abaixo. Mas fiquem tranquilos, a análise completa desta nova série será lançada quando sua primeira temporada terminar. O importante é que diversos aspectos de The Walking Dead que eu não dava importância foram mais valorizados quando vi outra produção semelhante falhar miseravelmente ao tentar reproduzi-los.

Não tem como não começar essa review sem falar da rainha atual do universo zumbi: Carol. Não é segredo para ninguém que ela é a minha personagem favorita há algum tempo, e este primeiro episódio só reforçou isso. Carol é a personagem mais interessante de toda série atualmente, justamente porque a vimos crescer desde a primeira temporada. Ela começou com uma esposa oprimida pelo marido, que só servia para fazer número, para se tornar uma das maiores fodonas da série. Além disso, sofreu horrores, perdeu a sua filha - em um dos episódios mais chocantes e tristes de toda a trama -, mas, ao invés de desistir, encontrou forças no seu sofrimento para continuar lutando.

Ela está consciência do mundo em que vive, e sabe que para continuar nele tem que tomar decisões difíceis. Carol não é uma personagem má, mas sabe que sacrifícios têm que ser feitos (como o polêmico momento que ela matou duas pessoas doentes na temporada anterior). Os espectadores ficaram alucinados com a personagem neste primeiro episódio, mas o quarto ano também girou em torno dela. Desde o abate aos doentes até o destino final da psicopata da Lizzie, que foram alguns dos principais e melhores momentos da quarta temporada, foram protagonizados pela Carol. A personagem tem sido tudo o que os fãs da Andrea (que é fodástica nas HQs) esperavam que ela se tornasse. Sem contar que é a personagem feminina que está a mais tempo na série.

Temia muito pela sua vida, principalmente porque os roteiristas chegaram muito perto de matá-la diversas vezes antes. Depois dessa Season Premiere, estou um pouco mais tranquilo. É claro que o medo ainda existe, mas a personagem finalmente recebeu o reconhecimento que merece. Espero que tenha muito mais destaque e cenas emocionantes no decorrer desta temporada - e que consiga viver para a sexta. Seria muito decepcionante se ela morresse com tantos outros personagens descartáveis em volta. Logo ela que ainda tem muito a oferecer para a trama em si. E o que foi aquele abraço do Daryl, minha gente? Praticamente surtei. Não foi só de tiro e explosões que se manteve esse episódio. A reunião do grupo foi emocionante, assim como o reencontro do Rick com sua filha.

Obviamente ainda não vimos o "último" do Gareth - como o próprio trailer da temporada já adiantou. Vimos em flashbacks os tempos em que ele e seus amigos se tornaram prisioneiros em seu próprio santuário. Fica claro a tentativa de humanizá-lo. Não é a primeira vez que os roteiristas procuram aprofundar os seus vilões, o que não é algo negativo, mas todos sabemos que eles nunca têm um final diferente do que a morte. É apenas uma questão de tempo (ou não?). Enfim, esse texto foi mais uma análise sobre a Carol do que uma crítica do episódio em si, mas o que eu posso fazer se ela dominou todos esses 40 minutos? Carol é a rainha do fogo. Derrubadora de forninhos, fogões e tanques de gás. A libertadora de correntes. A não queimada. Rainha das entranhas dos zumbis e dos admiradores de flores. Deixa as velhinhas serem comidas por zumbis enquanto sai em câmera lenta diva. Como não amar?

PS. Morgan disse: "Surpresa, vadias. Aposto que vocês pensaram que tinha visto o último de mim".

http://instagram.com/mmalternativo
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
2 Comentários

Comentário(s)

2 comentários:

  1. Infelizmente ainda tenho muito medo que ela morra e seria uma pena mesmo já que TWD ultimamente tem muitos personagens ruins ou inúteis: A turma inteira de Eugene, Tyreese e sua irmã, Bob, ainda gosto de Glenn e Maggie, mas eles também caíram muito...

    ResponderExcluir
  2. "Carol é a rainha do fogo. Derrubadora de forninhos, fogões e tanques de gás. A libertadora de correntes. A não queimada. Rainha das entranhas dos zumbis e dos admiradores de flores. Deixa as velhinhas serem comidas por zumbis enquanto sai em câmera lenta diva. Como não amar?"
    Apenas isso! KKK
    Mentira. O episódio foi perfeito, nem parecia que estava assistindo TWD. Espero que o restante seja muito bom.

    ResponderExcluir