segunda-feira, 6 de outubro de 2014

[Crítica] Once Upon A Time - 4x01: A Tale of Two Sisters (Season Premiere)


Peguem os seus casacos, porque a temperatura irá esfriar.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Mais um ano de fantasias está por vir! Once Upon a Time está de volta. E, depois daquele cliffhanger chocante deixado pela Season Finale do ano anterior, não tinha como não estar ansioso para esta nova temporada, não é mesmo? A série entregou uma das "pontas" mais intrigantes da Fall Season passada. E não é para menos, Frozen já está enraizado no popular mundial. Mas o que torna sua abordagem na série tão chocante é que o sucesso da Disney é muito recente para dar as caras em outras mídias. Os produtores sequer deixaram o filme esfriar e já envolveram sua história com a série.

Não podemos nos enganar também. Além de ser uma grata surpresa, é claro que a introdução de Frozen na história da série contribuiria para o aumento da audiência - algo que se concretizou neste primeiro episódio. Não são apenas os fãs da série que estavam esperando para saber como essa mistura seria feita, mas também os fãs do próprio filme. Ao contrário da maioria dos espectadores, eu estava tranquilo com essa nova abordagem. Sou apaixonado pelo filme - já o assisti milhões de vezes - então estava ansioso para saber como os roteiristas introduziriam a história no universo da série.

Neste primeiro episódio, vemos uma introdução das duas novas temporadas principais dessa primeira metade da temporada. O mais interessante, porém, é que a história narrada aqui é uma espécie de continuação do filme. Vemos fatos que seguem diretamente os que foram mostrados no filme Frozen: Uma Aventura Congelante. Elsa parece ter conseguido controlar os seus poderes, Anna está prestes a se casar com o Kristoff... Mas, cadê o conflito? Obviamente estava por vir. Estou mais interessado no que o episódio deixou oculto do que com o que ele revelou.

Não esperava mesmo que os roteiristas se aprofundassem na história logo no primeiro episódio, o que é inteligente, já que eles usaram essa Season Premiere para plantar alguns mistérios que deverão ser desenvolvidos nas próximas semanas. Elsa, assim como no filme, não é a vilã bitch que o desfecho da terceira temporada levou todos a acreditarem. Ela mais parece uma vítima, completamente perdida neste novo mundo, e, ainda assim, tentando encontrar sua irmã - ou qualquer porto seguro. Não encontrou nada para se apoiar neste episódio, mas isso não deve demorar a acontecer. A grande mensagem nisso tudo é que ela não é a vilã desta primeira metade da temporada. Vilã esta que deve ser introduzida muito em breve.

Acredito que os roteiristas irão desenvolver um pouco mais sobre os poderes da Elsa. Eles são, afinal de tudo, uma espécie de maldição - e é justificável que a história aproveite este ponto. No filme, quando os trolls perguntam "maldição ou nasceu assim?", o pai responde que nasceu daquele jeito, mas não acredito que isso se manterá nesta série. E, por falar nos trolls, eles estão perfeitos na série. Simplesmente idênticos aos mostrados no filme! A intérprete da Anna também merece destaque, porque ela consegue passar a mesma animação e inocência contagiante que vimos no filme da Disney. Não gostei do cabelo do Kristoff, mas posso superar. E também já quero ver um pouco mais do Sven, e, se possível, do Olaf. Será que rola um Let it Go até o final?


Este episódio ainda esteve repleto de homenagens, não só à Frozen como também de outros clássicos da Disney. Primeiro temos a cena tocante entre a Emma e a Regina, divididas pela porta (foto acima). Só faltou a Emma mandar um "Você quer brincar na neve?" bolado para abrir o coração da (ex?)Malvadona. O segundo momento mágico do episódio foi a dança entre a Bela e o Rumpels, que remete diretamente à cena mais clássica do filme A Bela e a Fera (foto abaixo). Além do cenário e do figurino, até mesmo a trilha sonora foi resgatada do filme de animação da Disney. Foi um deja vu tão lindo que até quase esqueci que o Rumpels tem culpa no cartório, e muito tem breve essa felicidade vai explodir na cara dele. Mas, enfim, vamos aproveitar enquanto o casal está feliz.


Bem, esquentando um pouco as coisas, vamos falar sobre os nossos velhos e conhecidos personagens. Emma e Regina sempre conseguem se destacar. Em especial esta última, que por diversas vezes levou a série e os (d)efeitos especiais toscos nas costas. Ambas estão com problemas de relacionamento, mas apenas os problemas da Regina são realmente sérios. Tadinha! Quando ela deixou tudo para trás e pensou que seria feliz, Emma dá na cara dela (mesmo que sem querer). É normal que todos se preocupem que ela volte aos velhos hábitos, e isso é válido. Porém, ela DE FATO voltar aos velhos hábitos não é. Passei o episódio inteiro tenso, com medo da Regina escorregar e voltar a ser a Malvadona que outrora fora.

Passou a temporada anterior inteira se redimindo, e seria preciso apenas um ato impensado para acabar com todo aquele desenvolvimento magnífico que a personagem se submeteu. Fiquei tenso? Óbvio. Com o coração partido? Duplamente óbvio. Quis entrar eu mesmo na tela e matar a esposa do Robin Hood para a Regina não ter que sujar as mãos? Preciso mesmo responder essa? Enfim, espero que essa esposa sem sal morra de alguma forma que não envolva a Regina, ou então se revele uma verdadeira maldita, tornando-se algum tipo de vilã. Tudo pode acontecer, só não quero ver a Regina dando passos para trás. Também espero que ela salvando a mulher lá no final tenha sido porque ela percebeu que não adianta cair na maldade de novo, e não apenas para pegá-la na curva nos próximos episódios.

Já os problemas da Emma são completamente superficiais. Qual o problema de agarrar e sair beijando o Hook por todos os cantos de Storybrooke? Depois de três temporadas saindo aquela cidade, acredito que a Salvadora precisa de algum tempo para relaxar. Só espero que o Henry não crie nenhum drama quando descobrir que a sua mãe está de caso com um pirata, porque ele já não é muito carismático atualmente. Então se os roteiristas investirem em uma faceta mais chata ainda do personagem, todos vão torcer para que ele se junte ao seu pai. Enfim, meus queridos, isso é tudo por enquanto. Estou ansioso pelo segundo episódio, assim como essa primeira metade da temporada em si. E se os haters incomodarem? Let it go, let it go... can't hold it back anymore.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário