quarta-feira, 13 de agosto de 2014

[Crítica] Uma Noite de Crime: Anarquia


Direção: James DeMonaco
Ano: 2014
País: EUA
Duração: 103 minutos
Título Original: The Purge: Anarchy

Crítica:

Uma tradição americana.

Tranquem suas portas e coloquem barricadas nas janelas. Se você não tem condições para transformar seu lar em uma fortaleza, você é um alvo fácil para o mais popular evento americano: O expurgo. Depois do surpreendente sucesso de bilheteria, os produtores não perderam tempo e, provando que o expurgo é um evento anual, estrearam esta segunda parte o mais rápido possível. Porém, ao contrário do original, a trama prometia explorar a proposta diferente que o enredo levantara. Em outras palavras, saiam das ruas, porque o caos está prestes a tomar conta.

Nesta sequência, seguimos um jovem casal que dirige a caminho de casa, quando seu carro quebra e os deixa a pé, no meio da rua, em plena noite do Expurgo. Sem ter para onde ir e sem ninguém para ajudá-los, eles devem tentar a sorte para conseguir chegar em casa. Porém, eles se tornam o alvo de uma gangue de motoqueiros e terão que lutar para sobreviver às próximas doze horas. Em paralelo a esses eventos, outros dois grupos de sobreviventes tentam escapar com vida, enquanto nas ruas acontece um verdadeiro massacre. Você conseguiria sobreviver à noite?

Quem leu a minha crítica sobre o primeiro filme, Uma Noite de Crime, sabe que eu não gostei nada da forma como o enredo foi desenvolvido. O pior ponto do original é que ele levanta essa proposta diferente, trazendo um verdadeiro apocalipse às ruas, e tenta prender a nossa atenção dentro de uma casa. É claro que não queríamos acompanhar os dramas daquela família. Nós só queríamos dar uma olhadinha no massacre que estava acontecendo além daquelas paredes. E é justamente isso que os produtores perceberam, e sabiamente tentaram consertar nesta sequência. Então, sim, eu estava ansioso para testemunhar o terror tomando forma em um ambiente que não pode ser controlado - em que tudo pode acontecer.

A ideia que ficar desprotegido nas ruas de uma cidade deserta no meio do Expurgo é assustadora. De fato, apesar de ajudar psicologicamente, ter uma arma ou um machado não tornaria a situação mais maleável. Todos nós sabemos que o ser humano é um bicho malvado. Não sabemos o que se passa na cabeça das outras pessoas, o que acaba tornando qualquer outro ser humano ao seu redor em uma ameaça - especialmente quando é permitido a ele fazer o que quiser. Apesar de não explorar muito bem esta situação - o que eu espero que seja melhor desenvolvido nas futuras sequências -, é impossível não ficar com um calafrio quando o Expurgo começa, deixando os personagens principais à mercê da morte certa.

Os personagens em questão são muito mais carismáticos que os protagonistas do filme anterior. Temos pelo menos três núcleos que acabam se encontrando em um determinado ponto da história, e todos eles têm o seu valor. O fato do enredo trabalhar em torno deles ao invés de rapidamente eliminá-los, acaba dando uma chance para o espectador se identificar com cada uma dessas vítimas. Enquanto alguns se destacam mais do que outros, no final das contas, você se pegará torcendo para que todos vivam. Mas, sabe como é, a rua está cheia de assassinos, e isso pode tornar esta missão um pouco difícil - mas não impossível. Espero o roteiro aproveite os sobreviventes nas futuras sequências.

O enredo desta segunda parte apresenta, ainda, uma crítica social - além de um contexto político - muito mais profunda que o primeiro. Nesta trama, fica claro o abuso do governo - que não se importa com a população mais pobre -, que poderá ser determinante para o futuro da franquia. Este segundo filme conseguiu superar o primeiro em todos os seus aspectos. Consegue até mesmo trazer a mensagem de "perdão/matar não é a solução", acrescentada de forma porca no final do primeiro filme, desenvolvendo-a de uma forma muito mais crível. Vale muito a pena conferir, e o melhor é que sequer é necessário assistir ao primeiro. Já estou ansioso por uma terceira parte, com ainda mais terror, assassinatos e loucura nas ruas.


Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
1 Comentários

Comentário(s)

1 comentários:

  1. Olá colega, estou aqui para te indicar uma TAG.
    Abração!!

    http://criticandonamadruga.blogspot.com.br/2014/08/tag-acho-que-criei-uma-tag.html

    ResponderExcluir