sexta-feira, 16 de maio de 2014

[Crítica] Reign - 1x22: Slaughter of Innocence (Season Finale)



I miss the girl you were. - Many will. She was easier to kill.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Gente, para tudo, que episódio foi esse? Tivemos movimentos em todos os núcleos, todas as histórias se entrelaçaram no final, Mary divando mais que nunca. Bem, começar do começo.

Neste episódio, o rei já estava loka das dorgas, logo na primeira cena já foi matando um inocente com um método “revelado por deus” em um sonho, já que alguém teria que morrer pelo atentado que ele sofreu no episódio anterior. Francis por sua vez dá o braço a torcer e admite que o pai está doidão e é um perigo para tudo e todos. Finalmente hein, loiro?

Henry não disfarça nem um pouco que está dando em cima de Mary, arma umas apresentações (em que a primeira, uma batalha simulada de navio, termina com uma explosão e centenas de mortes, coisa normal), e Mary (e Cat) percebem o que está acontecendo.

Mary já está praticamente no nível da Cat em esperteza e logo deduz que o rei está planejando matar seu filho para casar com ela e governar tudo de uma vez, Inglaterra, França e Escócia. Agora não há saída, o rei tem que morrer. Até Francis topa dessa vez, amém.

Entre conversas de corredor, aqui e ali, Cat e Mary chegam a conclusão que quando o rei morrer, o povo precisará de alguém para confiar, e o duque, tio de Mary diz que Francis não poderá ser essa pessoa pois carrega todos os fardos do pai, mas sugere que o povo a aclamaria como rainha.

Na segunda apresentação, para substituir aquela dos navios que deu errado, é feito um combate de cavalheiros, e o rei fica estressado por que ninguém consegue vencer um lord lá (esqueci o nome, mas não é ninguém importante para a história), dai resolve ele mesmo combater. Nisso, chega Mary, toda diva montada nos trajes de realeza com brasões da Inglaterra, com direito a coroa e tudo, declarando que estaria tomando para si a Inglaterra, e o povo a ovaciona. Daí vêm as lutas, Henry contra o nobre desconhecido que é obrigado a perder, sempre, mas eu já esperava que alguém tivesse pago o cara para matar Henry ali mesmo, como se fosse um acidente. E assim acontece! Só que não era um qualquer contratado para matar o rei, depois a gente descobre que quem matou foi o próprio Francis que tomou o lugar do nobre desconhecido na batalha e mandou ver a lança no carão do pai. Gente!

O rei não morre de imediato né, então vem aquelas cenas de despedida e tal. Cat diz que sempre amou Henry, que parece que milagrosamente voltou a si, depois de tomar uma no cérebro (sim, eles dizem que ficou vestígios da lança - de madeira - no cérebro de Henry. Na cena mostra a cena passando pela cabeça dele, geez), diz que a ama, etc. Daí ele pede para falar com Francis sozinho e a gente descobre que aquele “fantasma” que o rei via era o irmão dele que ele confessa ter matado pois sempre competia na infância para se mostrar melhor. Daí depois de confessar ele morre. Fim da loka.

Nos outros plots, muita coisa.

Bashão vai lá todo todo, em Visegard com Nostradamus, e descobrem que a vila está completamente deserta, mas cheia de corpos, tem até um “corpo fresco”, de onde veio o sangue que estava em Pascal (aquele menino que tinha medo, do episódio anterior). Eles descobrem umas inscrições na parede, e percebem que se trata de previsões. Parece que não é só o Nostra que tem o dom. Várias coisas que já aconteceram estão ali (algumas não mostradas na série: uma tempestade, incêndio, inundação, o eclipse e, estrelas caindo do céu. Essa ainda não aconteceu. Junto dessas previsões, tem uma frase, que Bash lembra que Pascal ficava repetindo. No final da frase, diz que ele é a própria escuridão - ou Darkness, ou trevas, como preferir. Isso eu não previa! Mas essa história ainda não foi explicada, como o garoto seria o Darkness? Mas bem, Bash volta para ajudar Kenna que estaria com o Darkness.

Ao chegar na casa onde Kenna e Pascal estava, Bash os encontra sendo atacados, e então toda a história é explicada: the Darkness é o nome dado para a pessoa pagã que oferece sacrifícios de sangue para os deuses. O cara que estava atacando era o “Darkness” atual e Pascal seria seu sucessor. Segundo o homem, isto servia para impedir desgraças no mundo, que os deuses estavam prontos para lançar, mas não o faziam por estarem agradados com os sacrifícios. É explicado também o significado da chuva de estrelas: uma praga cairia sobre todos, dizimando milhares de vidas, e Nostradamus confirma que já teve uma visão sobre isso. Bash mata o agressor e salva o dia.

Prosseguindo com outros acontecimentos...

Lola por sua vez, está a caminho da côrte, mas entra em trabalho de parte e sai entrando na primeira casa que vê e pede para ser atendida lá mesmo, só que seu trabalho de parto seria complicado, pois a mulher da casa não sabia muito bem como fazer e a parteira estava doente, então Lola escreve uma carta para Mary liberando ela das promessas de manter segredo (sobre a paternidade do filho dela), e é isso. Ela não teve mais nenhuma utilidade no episódio, depois da sambada do episódio anterior.

No núcleo da Greer... Bem, o que dizer? a menina obviamente ama Leith, quer ficar com ele, mas pensa demais nas irmãs que “são propriedade do pai” e dispensa Leith, lindo, maravilhoso e rico pois “a riqueza não seria suficiente para pagar as dívidas do pai”, dai manda o menino embora e ele meio que “roga uma praga”: enquanto ela seria infeliz casada com um cara que não ama, ele ascenderia, ficaria muito mais rico e poderoso, e nunca mais olharia para ela. Tenho que confessar que eu gostei disso, ao invés da série ficar naquela lenga lenga melosa de “meu deus, eu amo mas não posso ficar com você”, eles simplesmente fizeram tipo “a é, quenga? não me quer? blz, vou ficar poderosíssima e pisar de salto em você”, mau posso esperar!

Entre as cenas da pegação com Greer, mostra Leith também defendendo uma menina que estava sendo incomodada por um cara que se achava no direito de transar com quem quisesse porque voltou vitorioso do exército que invadiu Calais. Daí, depois que ele leva um fora ad Greer, ele volta na menina e a “chama para sair”, mas ela diz que não está interessada, sai de perto, e a gente descobre que - pera aí, ela diz não pro Leith? gente qual é a das mulheres dessa série? - enfim, dai a gente descobre que ela é filha do lord Castleroy. Então, o cara não é aquele perfeito que Greer pensa, ele é um velho safado com segundas intenções. O que será que ele está armando? Ganchos para a segunda temporada...

Interligando todos os plots...

Depois de todos os acontecimentos do episódio - Darkness morto, Henry morto, Francis rei da França, Mary poderosa, etc, Bash e Kenna estão in love na sacada do castelo, quando de repente uma chuva de estrelas cadentes acontece, cumprindo a previsão dos pagãos quanto a chegada da praga. No dia seguinte, Chegam notícias de que vilas vizinhas já estão infectadas e o castelo entra em quarentena. O problema é quando Mary resolve contar para Francis que ele é o pai do filho de Lola e ela num gesto de bondade, manda ele ir ficar com ela, só que depois ela samba mais uma vez, quando descobre o perigo dele trazer gente possivelmente infectada e matar todo mundo na côrte com a doença.

Então o que ela faz? Manda baixar o portão do castelo prendendo Francis lá fora, agindo exatamente da forma que ela tinha medo de agir, fria como Catherine. Amo quando Mary toma atitudes de uma rainha “fria e calculista”, fazendo o que é preciso para proteger seus interesses, e isso é um ponto altíssimo para Reign, que a faz ficar diferente da maioria das outras séries da CW onde normalmente eles ficariam discutindo, discutindo, e enrolando. Reign não, vai lá e faz mesmo. Sabe, Mary é uma ótima protagonista, que a gente gosta de torcer. Normalmente eu torço pra vilões, mas Mary é diferente, não chega a ser uma anti-heroína, mas também não é uma daquelas mocinhas songa-monga global que vemos por aí.

Enfim, a temporada termina dessa forma, Francis partindo, Mary dentro do castelo, e o perigo da praga. Eu não sei se lola, e/ou o bebê vão sobreviver, e não faço idéia do que vai mudar na segunda temporada, mas talvez ela comece com um cenário “pós-apocalíptico”, com o resultado da devastação da praga? Não sei, mas eu fiquei satisfeito com tudo. E que venha a próxima temporada!

Sobre a audiência... Reign viu uma queda (nããããooooo..) e marcou 0.4 com meros 1.25 milhões de viewers. Não sei como, mas parece que séries mais adultas e sem muito romance na CW não tendem a dar muito certo (alô! minha saudosa Nikita). Espero que tenha uma melhora pelo menos na próxima fall, já que sabemos que nessa época do ano (Março~Maio) a audiência geral da TV americana cai mesmo. Se serve de consolo, TVD viu uma major queda na audiência também, praticamente (não tenho certeza) toda segunda metade da temporada foi abaixo de 1 ponto, muitas vezes lutando para dar 0.8, e perdeu o reinado da emissora (reinado, Reign, entenderam?). Piadas a parte, não está fácil para ninguém, mas temos 22 novos episódios para a série se provar, ou ao menos manter o que tem, e uma política interna para nos apoiar, então, sem grandes preocupações agora.

Pontos altos do episódio:

  • Cenas fortes de violência, como a lança atravessando a cabeça de Henry ou Bash enfiando o machado na cabeça do “Darkness”;
  • A mitologia pagã, que espero que tenha mais foco na próxima temporada;
  • Mary dizendo para Catherine que é pra sentir mesmo falta da menina que ela um dia foi, pois ela agora é mais difícil de matar;
  • Mary sambando no trono, e o povo a aclamando;
  • Leith jurando ascender e enriquecer.

Por enquanto é só, espero que tenham gostado da temporada tanto quanto eu, e, nos vemos na próxima, que deve estrear lá pra outubro! Nos vemos por aí! ;)
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
1 Comentários

Comentário(s)

1 comentários:

  1. Gente...nunca vi uma pessoa que se pareça tanto cmg no modo de pensar. Li umas reviews e alguns comentários que odiavam essa mudança de personalidade que Mary vem adotando. Eu, parecia ser a única que estava amando esse lado mais racional e que pensava no bem maior que Queen Mary passou nesse ultimos episódios. E tem casal mais fofo que Benna ??? Como eu falei lá no meu blog (algumasseries.blogspot.com) também espero mais plots com o tema pagão ,pois eu acho muito interessante. Não fiquei com dó da Greer não, pronto, falei. Ela dispensou Leith porque quis.

    ResponderExcluir