sábado, 17 de maio de 2014

[Crítica] The Originals - 1x22: From A Cradle To A Grave (Season Finale)


Tudo se resume a família.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Gente, que Season Finale foi essa, meu Deus? Fiz da BR o meu túmulo e ainda fiz check-in no the other side, porque eu infartei assistindo esse episódio. É inegável que essa série foi a melhor estreia da CW na Fall Season passada. De fato, The Originals deixa quase todas as outras séries do canal no chinelo. Me atrevo a dizer ainda que é uma das melhores estreias de todas as emissoras abertas dos EUA. Esse último episódio só serviu mesmo para lacrar e confirmar aquilo que todos nós já sabíamos: Tiro, porrada e bomba. Vamos acompanhar melhor essa loucura.

Primeiro que o episódio não deu chances de qualquer descanso para os espectadores. Já começou exatamente de onde o anterior parou, ou seja, com a Hayley parindo o seu filho para as garras da morte, e o Klaus-sem-forças indo impedir. Tudo aconteceu tão rápido que eu mal consegui acreditar no que estava vendo. Em um segundo todos estão gritando, no outro, Hayley está com a garganta cortada. Eu juro que tive que aproveitar a Season Finale de The Vampire Diaries e passar pela Bonnie para voltar a assistir o resto do episódio, porque, sinceramente, eu morri logo nas primeiras cenas - assim como a Hayley.

Eu obviamente fiquei devastado, esperando a lobinha levantar. Mas o Klaus estava lá, segurando o corpo da mãe de seu filho, assim como o Elijah, que chegou e mal conseguiu observar a amada morta. A esperança que ela voltasse nunca chegou a morrer, mas confesso para todos que ela fraquejou depois que os dois irmãos originais perceberam que ela estava mesmo morta. Pela graça de Deus, ela ainda estava com o sangue da filha híbrida no organismo, o que a fez retornar como um híbrido também. É uma saída muito inteligente, e seria fácil deduzir se tudo não ocorresse tão rápido, deixando-nos incapazes de raciocinar por causa do choque.

O confronto final entre os três protetores e as três bruxas foi muito interessante de acompanhar. Queria ter visto a Hayley matar a Monique por ela ter cortado a sua garganta, mas convenhamos que a morte dela também foi só bonita. Só achei que foi rápida demais. Os mil cortes poderiam aparecer um a um, bem devagar, deixando-a agonizando em uma morte lenta por alguns minutos. De qualquer forma, só dela ter caído morta já foi uma vitória para mim. Como não poderia deixar de ser diferente, Genevieve também deixou este mundo. E isso aconteceu pelas mãos das próprias bruxas - com uma ajuda especial da Hayley. Não entendo como tem gente que não gosta da ex-só-loba. Hayley já se mostrou uma personagem forte, que merece o destaque que está tendo. Já quero ver mais dela na próxima temporada, forte, indomável e matando geral.

E o Klaus foi muito esperto neste episódio. Logo no final, ele nomeou sua filha de "Esperança". E eu sei que isso foi para garantir a segurança da filha, porque a Esperança é a última que morre. Enfim, momento A Praça é Nossa, mas vamos continuar desse ponto mesmo. Para levar a Esperança embora, tivemos um retorno ilustre: Rebekah. A original diva voltou em uma cena marcante. Eu mesmo não poderia ter pensado em algo melhor. Engraçado que a criança será como um bônus nessa fuga da original loira. Vocês lembram que o sonho dela sempre foi ter um filho, certo? Agora ela está livre, e com um bebê aos seus cuidados. Foi um desfecho perfeito para a personagem, então, apesar de ter certeza que ela retornará no próximo ano, não acredito que ocorrerá logo. E eu estou satisfeito com isso.

Essa Season Finale foi tão perfeita que até mesmo o Marcel se tornou menos detestável. Usando de mais um ditado popular, "se não pode vencer, junte-se a eles". Foi tudo muito previsível, e eu estou bem com isso. Marcel não sairia mesmo da trama, então é melhor que ele se torne relevante na história novamente. E, para isso, ele teria que juntar forças com o Klaus novamente. E nada melhor do que salvar o seu filho recém-nascido de um ritual de sacrifício para selar as paz. Sem contar uma conspiração para manter o verdadeiro status da criança oculta do resto da comunidade (ainda bem que a gossip girl não está mais ativa).

Enfim, gente, esse episódio foi excelente e tenso pra caramba. Tremi, vibrei e, choquem-se, chorei um pouco. Essa Season Finale apresentou momentos grandiosos e intensos, como a conversa final entre a Cami e o Klaus, e, principalmente, entre o Klaus e sua irmã, Rebekah. Chorei da Cami chorando pela filha do Klaus morta - que estava viva. Mas a cena foi tão legítima, que me tocou mesmo eu sabendo que a garota estava bem. E a última cena, com a irmã original, também teve um grande efeito em mim porque eu sempre achei a relação entre o Klaus e a Rebekah uma das mais bonitas de toda a série. Eles têm suas diferenças, mas se amam mais do que tudo. Coisa linda de se ver, minha gente.

Agora só nos resta esperar até a próxima temporada, que deve bombar horrores. Os mortos não estão mais onde deveriam estar. Mikael está a solta (mas na coleira), assim como sua mulher, Esther, que trocou de corpo e está biscateando pela cidade. Não entendo porque os roteiristas não trouxeram o Kol de volta à vida em The Vampire Diaries para expandir ainda mais os laços familiares. Perderam a chance! Mas, se pararmos para pensar, não queremos toda aquela confusão de TVD afetando The Originals. Bem, por último, quero agradecer a todos vocês que me acompanharam nessa temporada conturbada, e espero que minha situação estava melhor até o final do ano. É sempre um prazer falar desses personagens que eu tanto amo, assim como essa história maravilhosa.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário