quarta-feira, 30 de abril de 2014

[Crítica] The Following - 2x15: Forgive (Season Finale)


Game Over...

Review:
(Spoilers Abaixo)

Nem sei bem o que falar. Durante várias ocasiões, nas minhas reviews, deixei claro que, das séries que eu estava acompanhando, The Following era a minha favorita. Não sei se posso continuar afirmando isso, até porque não me contive e acabei me rendendo a tentação de voltar a acompanhar várias séries. Enfim, o gancho inicial foi até legal, deu alguma empolgação, mas depois que ficou constatado que o Joe não fazia a menor ideia do que estava tramando, o que ele fazia não tinha nenhum significado espetacular, eu me desanimei muito, principalmente com a inserção do núcleo protestante na história. A coisa só ficou ainda mais sem significado e acabou de forma tão broxante que chega a me dar vontade de parar de ver a série.

Devo dizer, com muito pesar, que, infelizmente, nesses últimos episódios The Following ficou previsível e previsibilidade é algo que me irrita pra caramba. Mas, vamos falar do episódio em si, basicamente a season finale ficou a cargo dos gêmeos Luke e Mark. Eu gosto muito dos dois, mas não é como se eles fossem uma ameaça real. No episódio passado eles capturaram a Claire e usaram isso para atrair o Joe e Ryan, poderia ter sido algo bem legal, mas não foi. Vejamos o porquê:

Primeiro, em nenhum momento, e eu esperei isso até o último momento, a Claire se levantou da porra da mesa e disse:  "pegadinha do Malandro". Esperava muito que ela não estivesse ali forçada, mas que tivesse se juntado aos gêmeos pra tentar dar um fim no Joe. Ainda há essa possibilidade, mesmo que remota, já que pode ser ela que estava dirigindo o carro pro Mark no final do episódio, eu espero que não seja, ela não tem a capacidade se tornar a nova vilã da série, nem os motivos. Assim como o Mark, apesar de ter ficado vivo no final o personagem não tem a menor chance de ser um vilão foda. Eles deixaram o melhor gêmeo, mas ainda assim ele é só uma criança do verão. 


Mas, o episódio não foi ruim como um todo, a interação entre o Ryan e o Joe foi extremamente legal de se acompanhar, até quando o Joe estava tentando jogar os gêmeos contra o Ryan dava pra saborear aquilo, sinceramente eu só vejo a série por causa do Joe, ele é o meu personagem preferido, mas ele acabou destruído. A parceria com o Ryan não deu muito certo, a Claire não o perdoou (achei ridículo o pedido de perdão dele, o que ele fez não tem perdão. Ele já ultrapassou a linha do perdoável a séculos, mas ainda assim, sabendo de todo o seu mau-caratismo, a cena foi impactante). Só espero que ele não vire um pecador arrependido, ou se torne um pastor na prisão. Já pensou?

Enfim, a Max finalmente disso pro Mick que o ama e o casalzinho está formado, poderia ser legal, mas eu não curto muito a nova personalidade do Mick, ela o tornou irracional e não um mini-Ryan como o Joe chamou. Além disso, não entendi pra que tanta frescura com o filho do pastor pra na hora ele morrer de um jeito bem estúpido, assim como o cara que foi salvar o Joe. Desnecessário. Dito isso, e não sabendo a quem pertence o futuro, me despeço de vocês. Até breve, ou não, vai saber.

Considerações Finais.
  • Espero que o Joe se recupere na próxima temporada, mesmo sabendo que ele nunca esteve tão destruído, quando ele entrava em um carro do FBI temporada passada tu tinhas certeza de que ele fugiria, ele fez isso nessa e só tivemos pena. 
  • Espero que não seja a Claire no carro, que ela realmente tenha ido embora.
  • Que o Ryan vire um assassino em série. Brincadeirinha.
  • Que a Max e o Mick não sejam felizes para sempre, isso é chato, na verdade quero que a Max esteja dirigindo o carro, que ela pegue o Mark e vivam felizes para sempre. 
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário