segunda-feira, 24 de março de 2014

[Crítica] Tá Chovendo Hambúrguer


Direção: Phil Lord & Christopher Miller
Ano: 2009
País: EUA
Duração: 90 minutos
Título original: Cloudy with a Chance of Meatballs

Crítica:

Prepare-se para ser servido.

Filmes de animação certamente são os que mais abrem as portas para a imaginação. Neles, animais não só falam, como também cantam belíssimas canções. Se tratando de princesas, o amor à primeira vista é garantido. E, principalmente, o mal sempre perde. Nesse universo vasto, poucas são as animações que são ambientadas no dia a dia normal dos seres humanos. Tá Chovendo Hambúrguer até que começa com os pés no chão, mas o realismo dá lugar para uma chuva de comida. Literalmente.

A história gira em torno de Flint Lockwood, um aspirante a inventor que sonha em fazer algo de sua vida. Depois de diversas experiências frustradas, ele finalmente cria algo que pode revolucionar o mundo inteiro: Uma máquina de tempo de comida. Agora, a pequena cidade da sardinha se transformará em um ponto turístico de um dia para o outro. Em paralelo a isso temos Sam Sparks, uma jovem repórter que sonha em fazer algo relevante com sua carreira. Juntos, Flint e Sam, entrarão em uma jornada épica, que nem todos terão estômago para isso.

Quem não gostaria de acordar de manhã, abrir a porta, levantar o prato e ter o seu café da manhã servido? Ou então escorregar em montanhas de sorvete? Certo, vamos parar por aqui, porque eu definitivamente estou ficando com muita fome. Esse é o primeiro aviso para aqueles que ainda verão esse filme: Melhor assisti-lo de barriga cheia, ou então com algo muito delicioso em mãos. Assistir esse filme antes do almoço desse ser a maior das torturas, porque aparece muita comida deliciosa na tela, que certamente deixarão todos com água na boca.

O mais interessante, porém, é que apesar da história parecer absurda, não está muito longe da realidade. É claro que ninguém tem o poder de fazer comida cair do céu ainda, mas em 1965, cientistas americanos alimentaram 24 homens -  durante quatro meses - com nada além de substâncias químicas sintéticas criadas em laboratório. Obviamente está muito distante do que é apresentado no filme, mas é uma interessante curiosidade para àqueles que pensavam que a ideia de criar comida era totalmente surreal.

Começando a falar sobre o filme em si, devo dizer que é uma animação muito engraçada e bem desenvolvida. Temos bons personagens - nem todos, mas a grande maioria - como o casal de protagonistas. O desenvolvimento do relacionamento deles é interessante, ainda mais considerando que a máquina de comida quer roubar a atenção de todo mundo. Há ainda um par de cenas hilárias, que certamente arrancarão risadas dos espectadores. Ainda que seja baseado em um livro, esse filme apresenta um desenvolvimento maior ao expandir a ideia criada pela escritora Judi Barrett, tornando os eventos da cidade em conhecimento mundial. Os roteiristas foram inteligentes ao mostrar a reação do mundo em torno dessa nova descoberta da ciência.

Apresentando bons momentos, gráficos e personagens, essa definitivamente é uma animação que merece ser vista. Diferente dos grandes clássicos da Disney, esse filme não foi feito para emocionar multidões, mas sim para ser um bom entretenimento sem pretensões. Seguindo essa proposta, Tá Chovendo Hambúrguer consegue se sair muito bem, com uma história deliciosa que fará todos pedirem por uma segunda rodada. Aliás, fiquei surpreso ao saber que fariam uma sequência. E, para minha total surpresa, trabalha uma perspectiva ainda mais interessante que o original. Já estão cheios ou ainda têm espaço para mais?

Trailer Dublado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário