quinta-feira, 20 de março de 2014

[Crítica] Reign - 1x13/14: The Consummation / Dirty Laundry


Chegamos ao fim de um ciclo.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Essa série é inegavelmente uma das minhas estreias favoritas dessa última Fall Season, mas nem por isso eu poderei fechar os olhos quando ela cometer algum deslize. Há vários episódios atrás, os roteiristas fizeram uma jogada arriscada, dando ao Bash uma chance sincera de ganhar os holofotes. Desde o começo eu sempre soube que ele não se casaria com a Mary, mas isso não justifica os acontecimentos do décimo terceiro episódio, The Consummation. Quem leu minha crítica anterior sabe que eu sou Mash de coração, mas tentarei ser imparcial aqui.

Qual o grande problema da queda do Bash? Tudo aconteceu rápido demais. No episódio anterior a Mary e o Bash estavam trocando palavras de amor e pedindo um ao outro em casamento, em seguida, ela volta aos braços do Francis. A queda do Bash foi ainda mais repentina que a sua ascensão. Foi como um ciclo isolado, com os roteiristas colocando sua personagem principal de volta onde ela sempre deveria ter estado. O grande problema é que tudo isso pareceu extremamente forçado. CW gosta de triângulos amorosos, então parece que os roteiristas foram forçados a criar um aqui, porque não soou natural.

Sem contar que, com o resultado do casamento, toda a relação desenvolvida entre o Bash e a Mary nada mais foi do que pura enrolação. Claro que os roteiristas conseguiram mascarar bem a história, dando motivos válidos - inclusive uma pequena manipulação da mãe da Mary -, mas se olharmos para trás, tudo o que vimos nas últimas semanas não valeram de nada. E estou curioso para saber como a história seguirá daqui para frente. Colocar o bastardo em destaque pode ter sido um erro, porque muitos fãs tomaram o seu lado (eu, inclusive!). E, convenhamos, com o caminho já trilhado, não há mais volta. Não faria sentido os roteiristas continuarem a investir em Mash.

Para provar ainda mais isso, Bash encontrou não só uma mulher na floresta, como duas. A primeira é a Olivia. Muitas pessoas estavam perguntando por ela, dizendo que havia um buraco na história. Eu mesmo pensava que ela havia sido morta pela Clarissa nas passagens secretas, então foi uma surpresa o seu retorno. É uma grande chance que a série está tendo de introduzir uma trama mais sobrenatural, se aprofundando sobre as criaturas que clamam por sangue na floresta escura. Obviamente não quero que se torne um The Vampire Diaries, mas seria legal ver um pouco mais dos pagãos.

O décimo quarto episódio teve um tom diferente dos anteriores, algo mais cômico. Enquanto a Mary estava enfrentando o drama de ter se descoberto pseudo-chifruda, Henry e Catherine estavam tentando encobrir uma morte acidental juntos. Todas as cenas deles foram hilárias. Desde limpar os vestígios até as mentiras escabrosas contadas no final do episódio. Morri de rir quando a Catherine aproveitou que já tinha um morto e o encaixou no seu conto de paixão, romance, pecado e morte. Acrescentem também a Kenna entre os destaques cômicos da semana. Seu acordo com o Henry é interessante, mas ela fingindo de virgem foi impagável. Sem contar a cena em que ela tenta forçar um casamento mesmo depois que ver um corpo caindo da sacada.

Mas, apesar de toda essa trama do "morto muito louco" ter sido muito engraçada, ela promete criar consequências séries. Como vimos no desfecho do episódio, Henry meio que pareceu fora de si. E o meu palpite é que ele tomou gosto pela morte de sua amante - e que outras acontecerão. No episódio ainda tivemos o drama sobre a gravidez da Lola. Sinceramente, ela ficou completamente ofuscada pelos outros núcleos. Não consegui me importar com ela e seu bem-estar em momento algum, o que certamente é um problema.

We'll Never Be Royals:

- Os roteiristas não perdem mesmo tempo. Bash já encontrou uma garota caçadora linda na floresta. Por que desenvolver um novo relacionamento novo com calma, né? Não é como se ele tivesse tivesse noivo ontem. Ops. A garota eu até apoio, afinal, quantos caras bonitos ficam zanzando pela floresta. Tem que aproveitar mesmo.

- Mary dando um esculacho na mãe dela certamente me ajudou a superar "I love Francis more". E vocês esperavam que a Rainha fosse diferente? A corte só tem cobras.

- Não transem perto de janelas.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário