domingo, 3 de novembro de 2013

[Crítica] The Originals - 1x04/05: Girl in New Orleans / Sinners And Saints


Toda história tem os seus dois lados.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Há alguma dúvida de que essa é uma das melhores estreias dessa Fall Season? Eu não consigo me cansar dessa série. Sua agilidade em desenvolver suas tramas é surpreendente, assim como o desenvolvimento dos seus personagens. Na crítica passada eu comentei que alguns dos novos personagens ainda estavam aleatórios na trama, mas o quarto e quinto episódio dessa primeira temporada conseguiram resolver esse problema, sambando na minha cara de todas as formas possíveis. Apesar de todos ficarem comparando esse show com The Vampire Diaries, limito a dizer que as duas séries estão ótimas atualmente.

E a qualidade de The Originals tem se refletido diretamente em sua audiência. Apesar de ter começado de forma mediana, a série viu os seus números aumentarem com o passar das semanas. Em um dos episódios, conseguiu até mesmo superar a demo da veterana Supernatural. Agora está claro que a série conseguiu se estabilizar e tem uma audiência sólida com números acima dos padrões da CW. Fico muito feliz, porque a série merece. Sempre fico chateado quando vejo séries ruins e enormes audiências, então é bom a justiça sendo feita pelo menos nesse caso.


Voltando para os episódios em si, eles serviram para desenvolver melhor a Cami e a Davina. Essas duas personagens já tinham mostrado personalidade, mas não havia nada para nos conectarmos com elas. Não sabíamos sobre o seu passado e suas motivações. Pois isso acabou de mudar. Vamos começar falando da Cami, que teve o seu auge no quarto episódio. Nos primeiros episódios, apesar de se destacar da maioria das outras garotas, ela não passava de um fantoche que ela controlado pelo Klaus. O híbrido viu na moça uma arma poderosa para manipular o seu inimigo, tendo em vista que o Marcel tem uma queda pela humana. Acontece que já está ficando claro que o Klaus também tem sentimentos pela moça, apesar de suprimi-los o máximo que pode.

Klaus realmente se identifica com ela, ainda mais depois de saber um pouco mais sobre o seu passado e a sua dor. A trama do quarto episódio me lembrou bastante do filme Entrevista com Vampiro. Klaus simplesmente conta toda a verdade para a Cami, tornando-a uma parte integrante da história. Ela não está totalmente ciente, por causa da hipnose, mas sabe a verdade sobre o Klaus toda vez que ele está perto. Foi um movimento surpreendente e muito válido. E o melhor viria no final do episódio, quando soubemos que o irmão da Cami foi o responsável pelo massacre da igreja. O momento mais triste, porém, é quando ela implora para o Klaus não tirar a sua dor. Afinal, seu sofrimento e suas lembranças são o que a torna diferente dos demais, é o que lhe dá identidade. Mas, em um momento frio e necessário, Klaus simplesmente não pode acatar o pedido dela. Foi de partir o coração, principalmente porque era evidente que ele não gostou do que fez.


O quinto episódio girou em torno de Davina e o seu passado. Como não poderia deixar de ser, o passado dela é bastante trágico. Aliás, se alguém tiver o passado feliz, não deve estar nessa série. Esse quinto episódio, intitulado Sinners And Saints, foi excelente e respondeu diversas das nossas duvidas envolvendo a poderosa bruxa. Aprendemos mais sobre o ritual e as verdadeiras motivações de Sophie, a bruxa que aparentemente estava do lado do Klaus. A história que nós conhecíamos mudou nessa quinta semana, o que me deixa louco da vida para assistir mais. Davina, assim como Cami, conseguiu me conquistar com seu sofrimento. As cenas envolvendo suas conversas com o Elijah foram muito dignas, e estou ansioso por mais. Já quero vê-lo ajudando-a a controlar seus poderes.

O tema "família" também continua sendo recorrente. Enquanto o Klaus vem sendo humanizado e percebendo que a família é o seu bem mais poderoso, os outros personagens vêm fazendo alianças entre si. Gosto muito da amizade da Hayley e da Rebekah, que atingiu o ápice nessa última semana. O retorno do Elijah também garantiu algumas cenas emocionantes. E aposto que os shippers ficaram loucas com as trocas de olhares entre a Hayley e o Elijah. Infelizmente não teve beijo, apenas tapa na cara. Eu realmente gosto daquela loba. Ela tem uma grande personalidade e é forte quando se trata de defender o seu filho - ou seria filha?

PS. Seria a criança do Klaus a responsável pela destruição das bruxas, como foi previsto?

PS². Há alguma chance da Caroline aparecer na série - considerando que o seu ex-namorado, Tyler, já foi confirmado no primeiro crossover entre as duas séries?

PS³. Só eu quero ver mais do relacionamento da Davina com o menino violinista?
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
1 Comentários

Comentário(s)

1 comentários:

  1. Eu gosto muito da Davina, mas ela tem que morrer.
    Klaus foi muito cruel com o violinista, mas o romance da bruxa e do vampiro me tocou mais
    :)

    ResponderExcluir