domingo, 10 de novembro de 2013

[Crítica] O Planeta Vermelho


Direção: Ruairi Robinson
Ano: 2013
País: UK | Irlanda
Duração: 98 minutos
Título original: The Last Days on Mars

» Será distribuído pela Paris Filmes, direto em DVD, com o título O Planeta Vermelho. Extremamente clichê! O título original era bom, e teria ficado excelente se traduzido literalmente. Além disso, já temos um filme intitulado Planeta Vermelho (Red Planet, Warner, 2000) no Brasil, o que pode causar certa confusão.

Crítica:

A busca pela vida está prestes a terminar.

Eu adoro filmes desse estilo, mas fico triste em ver que a grande maioria não consegue me agradar. Ano passado houve dois fortes representantes, Prometheus e Apollo 18. Esse ano, passando batido em algumas produções furrecas (Infectados, estou falando de você), a grande aposta ficava por conta de The Last Days on Mars. Depois de assistir ao trailer, eu realmente fiquei empolgado com a história desse filme. Zumbis no espaço? Bactéria alienígena transformando os astronautas? Toda a premissa me conquistou desde o início. Infelizmente, nem tudo é o que parece ser.

A história desse filme gira em torno de um grupo de astronautas em seu último dia de missão em Marte. Enquanto alguns estão ansiosos para voltarem para casa, outros se encontram frustrados por não ter conseguido coletar nada memorável. Porém, tudo parece mudar depois de um dos astronautas sofre um acidente misterioso no que parecia ser uma inspeção de rotina. Logo, os outros irão descobrir que ele estava pesquisando bactérias alienígenas que havia encontrado. E, para piorar a situação, essa bactéria corre pelo sangue, contaminando suas vítimas e transformando-as em criaturas brutais - muito parecidas com zumbis. Agora os sobreviventes terão que sobreviver a uma ameaça evoluída adaptável à atmosfera. Segurar o fôlego não salvará você!

Ainda que esse filme não seja ruim, ele também não chega perto das minhas expectativas. Foi uma surpresa negativa tão brutal que, depois dessa, não criarei mais expectativas para nada, só criarei galinhas - porque pelo menos terei ovos para comer. O problema aqui se encontra justamente em torno de seu desenvolvimento. A história foi bastante interessante, ainda que surreal. Estamos vendo uma ficção científica no espaço. O que mais acho interessante nesse tipo de filme é que estamos acompanhando personagens que estão "presos" nesse espaço limitado, e é justamente o que torna filmes assim sufocantes. Eles não podem simplesmente correr para longe do perigo.

Há toda uma dependência, até porque, tudo em outro planeta pode matá-los, desde a falta de oxigênio até um simples furo na roupa. Então ter que lutar contra "zumbis" que carregam bactérias alienígenas é empolgante, porque apesar dos sobreviventes estarem isolados, os contaminados têm toda uma mobilidade, já que eles podem zanzar pela atmosfera do planeta sem grandes consequências. A direção não conseguiu construir essa tensão. A câmera estão sempre perto demais da ação e os personagens muitas vezes misturam-se por causa das roupas iguais, dificultando saber quem é quem quando o terror toma conta.

Os personagens são muito mal aproveitados. Tirando o protagonista, que segue um caminho linear, há diversos outros personagens que poderiam ter tido muito mais destaque. Uma das garotas se mostrou uma verdadeira guerreira, tendo lutado sozinha contra dois transformados e sobrevivido. Porém, o roteiro contém suas habilidades de resistir depois de um certo ponto, o que é muito frustrante. Em contrapartida, eu gostei bastante da história de amor trágica no enredo. Os dois personagens são carismáticos, o que rendeu uma certa comoção. Infelizmente fiquei esperando alguma reviravolta até o final do filme, o que não aconteceu. Nada realmente muda nossa perspectiva e o filme termina de forma apática e sombria. Pessoalmente não gostei nada.

Pelo menos a produção é muito bem feita. Além dos zumbis, há diversas cenas envolvendo ambiente externo. Dando uma rápida pesquisada na internet, algo que parece comum é a crítica à gravidade. De fato, os personagens correm como se não houvesse amanhã. Enfim, esse filme foi uma decepção em todos os sentidos. Esperei por uma cena em que podemos ver um dos contaminados sofrendo mutação no braço, mas na edição final a cena foi tão rápida que não teve qualquer impacto visual. Sem contar que o enredo perde bastante ao não explorar a mutação. Não seria legal ver os contaminados perdendo aos poucos a forma humana? Bem, agora vamos ter que esperar a próxima promessa especial, porque essa foi um fiasco.


Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
1 Comentários

Comentário(s)

1 comentários:

  1. Amigo, concordo exatamente com sua crítica, não achei o filme ruim, mas o final foi completamente decepcionante. Ficou vazio, não sabemos se o personagem foi resgatado ou se ele se suicidou. De 5 vou dar nota 3

    ResponderExcluir