quinta-feira, 26 de setembro de 2013

[Crítica] Percy Jackson e o Mar de Monstros


Direção: Thor Freudenthal
Ano: 2013
País: EUA
Duração: 106 minutos
Título original: Percy Jackson: Sea of Monsters

Crítica:

Onde há deuses, há monstros.

Apesar do retorno morno da arrecadação nos cinemas e o ódio coletivo dos fãs, uma segunda parte de Percy Jackson recebeu sinal verde. Eu realmente não consigo entender os fãs. Particularmente, eu gosto quando minhas histórias favoritas são adaptadas e, apesar de alguns erros frequentes, é sempre bom apoiar, para que a franquia possa continuar e os produtores tenham a chance de concertar os seus erros. É muito triste quando algo fica em aberto. Pelo menos o primeiro filme não exigia realmente uma segunda parte, já que tinha um final amarrado, mas seria muito triste se o Percy nunca mais desse as caras nos cinemas.

A história dessa sequência volta a girar em torno de Percy Jackson. Depois de sua primeira missão bem-sucedida, ele acabou se tornando um grande herói no acampamento. Porém, seus feitos passaram a ser esquecidos depois que o garoto não acumulou nenhum outro sucesso em sua “carreira”, sendo ultrapassado pela arrogante Clarisse. Depois que o campo de força do acampamento é enfraquecido, Percy e os seus amigos terão que enfrentar o mar de monstros para recuperar o Velocino de Ouro, a única coisa que pode curar a árvore em volta do acampamento, responsável por sua proteção.

Adaptações realmente estão na moda. Somente neste ano, há pelo menos umas cinco produções baseadas em livros. Percy Jackson recebeu uma nova chance, algo que nem todas as franquias conseguem, como Eu Sou o Número Quatro e Eragon. A boa notícia é que essa segunda parte arrecadou mais que a primeira, o que favorece a possibilidade do lançamento de uma terceira parte, eventualmente. Como já disse na crítica do primeiro filme, ainda não tive a oportunidade de ler os livros, então minha crítica será baseada na franquia cinematográfica e na comparação entre os dois filmes em si.

Confesso que gostei mais do primeiro filme que este. Não tenho ideia se o enredo tentou ser mais fiel aos livros, mas a história dessa segunda parte não é tão interessante quanto o primeiro. As motivações do vilão, Luke, são ainda mais bobas que antes. Sem contar os seus objetivos. Quem iria querer acordar o Kronos? Um ser tão perverso que comia seus próprios filhos? Não precisa ser muito inteligente para saber que essa não é uma boa ideia. E tudo isso por causa de problemas paternos. Todo esse plot é muito nonsense, se pararmos para pensar. Porém, vamos focar em outras coisas.

Essa sequência deixou a desejar no desejo confronto. Cadê aquelas criaturas mitológicas interessantes que vimos no primeiro filme? Nessa segunda parte, o bicho mais exótico que o protagonista teve que enfrentar foi um touro mecânico (!). É como se eles tivessem usado os melhores no primeiro, o que fez falta neste. Aliás, o mar de monstros foi uma completa decepção. Eu esperava grandes cenas e seres mitológicos perigosos na região, mas tudo acabou acontecendo rápido demais.

O diferencial fica por conta da introdução do irmão do Percy, um ciclope chamado Tyson. Uma outra personagem chamada Clarisse foi introduzida também, mas ela não tem o mesmo carisma. Sem contar que ela acabou ganhando mais destaque que a protagonista feminina do filme anterior. Annabeth não teve chance de fazer praticamente nada nesse filme, indo de contra mão com o que vimos no original. E não podemos esquecer que a atriz que interpreta a Clarisse não tem a metade do seu carisma. Enfim, foi uma sequência digna, segue o mesmo tom que o original, ainda que não tenha se saído tão bem, no meu ponto de vista. Ainda assim, espero muito por um terceiro filme. Gosto da história e da mitologia da saga e ficaria muito satisfeito em poder acompanhar mais uma aventura do Percy Jackson.

Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
2 Comentários

Comentário(s)

2 comentários:

  1. a Clarisse, já esta´na série desde o primeiro livro, só que os produtores do filme só colocaram ela no segundo filme

    ResponderExcluir
  2. Gostei de vários pontos da crítica, mas como você não leu os livros é meio difícil concordar com você. O filme realmente não possui muitas criaturas mitológicas, mas o livro sim: Ciclopes, sereias, "touros de ferro", monstros marinhos, hidra(sim, eles colocaram a hidra no primeiro filme, e acabaram se "esquecendo" que a criatura era da sequência!) e vários outros.

    No filme, como você disse, a Annabeth é uma mosca morta. No livro(obviamente)não: Ela é hipnotizada por sereias, salva Percy de virar um porquinho da índia, ajuda fielmente ele na fuga do "Andrômeda"(barco de Luke), e o medo dela por ciclopes é muito mais demonstrado na produção literária.

    Então, como você mesmo disse, quem leu os livros não vai gostar muito do filme, embora eu tenha preferido esse ao primeiro.

    P.S: Como já comentaram, a Clarisse já está presente na saga desde o primeiro livro, e é muito mais malvada que a Clarisse do filme.

    ResponderExcluir