sábado, 28 de setembro de 2013

[Crítica] Glee - 5x01: Love, Love, Love (Season Premiere)

All We Need Is Glee. 

Review:
(Spoilers Abaixo)

Depois de uma semana (ou foram duas?) de férias, finalmente estou de volta e com, nada mais, nada menos que a melhor Season Premiere de Glee - desde seu Pilot. Sim, já comecei com polêmica, pra mim esse foi o melhor começo de temporada se comparado com os começos da segunda, terceira e quarta. Venhamos e convenhamos, mas esse episódio foi uma delícia e muito bem vindo, principalmente depois da fraquíssima Season Finale. É inevitável dizer que todos estavam bem ansiosos para esse episódio, a morte do Cory ainda está recente (quer dizer, parece que foi anteontem), e ver a série voltando assim, em tão alto estilo é no mínimo a maior homenagem que poderiam fazer pro falecido ator. Sinceramente, vou evitar ao máximo ficar falando na morte do ator, a não ser quando for necessário e for acrescentar alguma coisa pra review. Me pareceu, que a série adotou uma política parecida, tanto que o nome do Finn nem foi citado. Mas voltando ao ponto em que estava, as expectativas para esse episódio estavam lá em cima, e convenhamos, a série não fez feio e não me decepcionou (e vocês sabem o quão difícil é não me decepcionar).

Parece que a série ouviu os gritos que vieram das ruas, ou melhor, da internet e corrigiu todos aqueles ~pequenos~ erros da temporada passada. Quer dizer, tem como não amar um episódio que não deu destaque ao casal mais chato da história da série, Marley e Jake? Eu não aguentaria uma premiere que focasse neles. Ainda bem que Titia está menos ocupado, não roteirizando 1200 séries ao mesmo tempo, e fez um excelente trabalho com Glee. Escolhendo os plots certos para trabalhar, acertando nas piadas e todas com um excelente timing, fez bem nas mudanças que trouxe e principalmente, ao contrário do que muitos acham, fez muito bem em seguir uma linha narrativa de continuidade (coisa que quem assiste a série desde o começo não está acostumado). Desde o final da temporada passada, sabemos que essa temporada seria uma extensão da quarta, então, não entendi de onde veio tanto mimimi sobre o assunto. Mas bom, meu talento de enrolação continua digno de Pretty Little Liars (alfinetada) e não comecei a falar do episódio ainda. 

Eu, particularmente, não conheço, muito menos escuto muitas músicas dos Beatles (falta de cultura minha, eu sei). Então, não sabia o que esperar do conteúdo musical do episódio. O que rendeu outro ponto extremamente positivo, ao contrário dos outros tributos (que tiveram músicas bem aleatórias, que por vezes, não condiziam com o que estava acontecendo), esse teve músicas muito boas e que complementavam perfeitamente o que estava acontecendo em cena.

Bom, começamos então, pelo único tropeço do roteiro: Tina e Sam. Sei que é muito cedo pra dizer no que isso vai dar, mas achei que os dois foram muito empurrados. Convenhamos que não é de hoje que o Sam é empurrado pra personagem feminina que está solteira - e olha que alguma delas nem de garotos gostavam: Quinn, Santana, Rachel, Mercedes, Blaine, Brittany e agora, Tina. Acho que a personagem precisa de uma trama própria, não só essa coisa do: precisa-se liberar a chavasca. Parece que a Tina só pensa em macho. Sinceramente, a asiática deveria ter algum enredo mais complexo. Ela é outra que que já pegou meio mundo: Artie, Mike, Blaine (mais rodado que a Taylor Swift), e agora, Sam. Bom, não gostei muito disso porque acho que os personagens precisam de outras tramas que não envolvam suas vidas sexuais, mas vamos apenas observar. 


Alguém me diz como não amar Lea Michele? Essa mulher é tipo, perfeita, gente. Canta, dança, atua, sapateia, é gostosa etc. Ela é a alma de Glee, e sem ela, sem série, por favor. Ela e a trama da Funny Girl, já é a melhor coisa dessa temporada. Já rendeu a excelente Yesterday, música que parece ter sido escrita pra personagem cantar. Confesso que a trama dela, foi sim previsível, mas de qualquer jeito, eu gosto de um bom clichê. Logicamente, desde que o clichê não caia na mesmice.

Mudança muito bem vinda, foi o novo emprego da personagem juntamente com Santana. Aposto que isso ainda vai render muito, né? Tanto no quesito cena, como no quesito performances. Essa primeira que teve, achei meio fraquinha, mal conduzida pelo diretor, mas foi boa. Afinal, Santana e Rachel é sempre Santana e Rachel. 

Já em Ohio, temos o romance mais High School Musical desde High School Musical: Artie e (aquele momento em que esqueço o nome da personagem) Kitty. Quem me acompanha, sabe que sou shipper do casal desde a temporada passada. Os dois combinam muito. A Kitty tenta ser uma Quinn? Tenta. Não consegue? Não. Mas e daí? Na boa, adoro a Dianna, mas ficar de mimimi não vai trazer a Quinn de volta, então, já me contentei com a Kitty e já gosto bem mais dos dois juntos, ela e Artie, do que de Jake e Marley.


Ainda temos a maior virada da série: Will foi rebaixado a personagem de terceira importância (pelo visto) e Sue virou a diretora, achei super digno o que aconteceu com o Figgins, afinal, estava na hora da Sue ir para o poder de novo e tocar o terror pelos corredores da escola. No fundo, o que eu mais gosto na personagem é essa imprevisibilidade dela. 

Agora sim, pra fechar: Klaine. Sou obrigado a confessar, até eu que não sou fã do casal, torci por eles nesse episódio. Titia soube conduzir a trama de um jeito digníssimo, e, o esforço de Blaine compensa seu erro passado. Um dos pedidos de casamento mais bem elaborado que já vi, juntou azamigas, ozamigos, azinimigas e ozinimigos e fez o que esse elenco sabe fazer de melhor: cantar. Fez uma mistura que parecia o samba do criolo-doido, até Mercedes foi convidada pra festa (na hora que eu vi a personagem, pensei "WTF?"). Agora, é ver se os dois vão realmente casar, mesmo com alguns personagens achando que os dois ainda são muito jovens. Abrir um adendo só pra comentar: tem pai melhor que o Burt? Não, né?

Glee veio com um episódio redondinho, fechou as tramas abertas na finale, como se fosse um novo começo e, soube administrar muito bem as tramas que tinha nas mãos. Agora, é esperar pelos próximos dois episódios e ver se a série vai conseguir manter essa qualidade. Sinceramente, eu acredito que sim. No mais só posso dizer que esse episódio foi puro love, love, love.

E só pra brincar um pouquinho com o que a série tem de melhor: suas performances. Esse ano, no final de todas as críticas, escolherei a performance que mais gostei no episódio (não querendo dizer que foi a melhor ou qualquer coisa assim, mas sim, a que mais agradou meu gosto pessoal). Inaugurando a sessão "Performance da Semana"...

Performance da Semana - You've Got To Hide Your Love (Kitty e Artie).

Promo do 5x02: Tina In The Sky With Diamonds

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
1 Comentários

Comentário(s)

1 comentários:

  1. Entao nao é que a Dianna nao queira voltar e sim que houve uma discussão dela com o Ryan

    ResponderExcluir