sábado, 21 de setembro de 2013

[Crítica] Dexter - 8x11: Monkey in a Box

Em nome de Evelyn Vogel.

Review:
(Spoilers Abaixo) 

Um pouco atrasado, mas enfim, chegamos a reta final de Dexter. Ainda não tive a oportunidade de ler as ultimas reviews feitas pelo Nefferson, então, não sei o que ele está achando da temporada e nem se vocês concordaram. Mas pra mim, que acompanho a série há vários anos, esta é uma das melhores temporadas da série inteira. Só precisamos colocar em evidência os fatos e os pequenos equívocos para estarmos preparados para o ultimo adeus.

Neste penúltimo episódio, Dexter começou a dizer adeus aos amigos de uma vida inteira – e a própria família – enquanto Oliver Saxon (o filho perdido da Vogel) continuava em seu encalço. Primeiro o cara de pau apareceu na delegacia para evitar suspeitas, depois foi fazer uma visita ao próprio Dexter fingindo ser um possível comprador para o apartamento. Apesar do que Dexter achava, ele não queria provar que tinha poder e iniciar uma guerra. Ele só queria convencê-lo a fazer um acordo de paz, porque esse era o único jeito de ambos seguirem suas vidas sem que pessoas inocentes continuassem a morrer. Quer dizer, bem, vocês entenderam.

Como Dexter precisava proteger seus ente queridos, fingiu que aceitou a proposta, mas logo preparou um plano super maligno, diabólico, casca grossa e traiçoeiro usando seus paranauê de sempre. Pela simplicidade do plano, achei que não iria funcionar, mas não é que deu certo? Parece que Oliver Saxon não era um serial killer tão profissional quanto as pessoas diziam. Como é que ele vai até a polícia e deixa o Dexter tirar uma amostra do seu DNA? Ele achou que não haveria um jeito de descobrirem que ele era filho da Vogel? Gente, CSI ta aí pra isso. Essa lapada do destino poderia ser muito bem evitada se o Oliver não fosse tão incompetente.

Bem, fora isso, tivemos o caso dos vídeos dos assassinatos que Dexter enviou a mídia assim que encontrou o esconderijo de Oliver. Essa sim foi uma verdadeira jogada de mestre. Alguns minutos depois, Oliver se tornou o homem mais procurado de Miami. E algumas horas depois, foi ao encontro de Dexter para o acerto de contas. Ele só não contava que Deb estivesse lá toda montada na agente secreta para ajudar o irmão. E no final, acabou sendo amarrado na mesma cadeira de dentista onde matou tantas pessoas. Ou talvez animais, quem sabe? Fetiche rules the world. Só sei que o “freeze, motherfucker” que a Deb soltou na hora de aplicar o sedativo vai ser lembrado para sempre.

Infelizmente o bom trabalho de equipe dos irmãos Morgan não foi o suficiente para dar um fim em Oliver. Antes que desse a ele o mesmo destino de todos os outros criminosos, Dexter parou, olhou e pensou: Jeová tome posse, eu não preciso mais matar, eu sou humano! Eu me encontrei! Hannah, eu te amo! Obrigado Deus por mais um dia!”. Ta gente, é brincadeira, mas foi quase isso, hahaha! Ele descobriu que não precisava mais matar e chamou Deb para prendê-lo, dando tempo para que o investigador fuxiqueiro que está tentando encontrar Hannah fosse lá e estragasse tudo.

Ele não sabia o que estava acontecendo, não sabia quem era o Oliver. Então, resolveu ajuda-lo, só para que minutos depois fosse assassinado. Eu teria soltado uma gargalhada se Oliver não fosse tão perigoso, e não tivesse atirado em Deb logo em seguida. Gente, e se ela morrer? E se esse for o seu final? E se ela morrer e Dexter for pra cadeira elétrica pelos seus crimes? Eu sei, Dexter não é mais aquela série corajosa onde tudo pode acontecer. Mas de acordo com os produtores, eles gravaram o final que tinham planejado há anos, na época em que Dexter precisava morrer para que a “justiça” fosse feita. Então, fiquem com medo junto de mim, e que venha a Series Finale.

Elena Gilbert está inconformada com o fim de Dexter:
















Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário