sábado, 3 de agosto de 2013

[Crítica] A Colônia


Direção: Jeff Renfroe
Ano: 2013
País: Canadá
Duração: 95 minutos
Título Original: The Colony

» Será distribuído pela Califórnia Filmes, direto em DVD, com o título A Colônia. De fato não há muito o que dizer aqui, mas fico feliz que a distribuidora optou por traduzir literalmente e não acrescentar nenhum clichê no título como "medo" ou "pânico".

Crítica:

A única regra é sobreviver.

Muitos filmes apresentaram situações difíceis para a raça humana. Histórias pós-apocalípticas tendem a mostrar um mundo transformado, com grande parcela da população morta. Porém, um ponto a se observar é que nós, seres humanos, somos resistentes. Para sobreviver, nós nos adaptamos, não importa a situação. A grande maioria pode morrer, mas nem todos sucumbem. Um grande exemplo desse conceito está nos filmes de zumbis. Apesar dos mortos-vivos tomarem conta das ruas, há sempre um grupo de vivos dispostos a sobreviver. E, em The Colony, mesmo que a era glacial tome conta do planeta, ainda há humanos lutando e sobrevivendo, afinal, ninguém quer abraçar a extinção.

A história desse filme gira em torno de um mundo pós-apocalíptico onde o gelo tomou conta da face do planeta, tornando-o inabitável. Apesar das probabilidades, um grupo de sobreviventes consegue sobreviver embaixo da terra, em uma espécie de comunidade, onde cada um é essencial para fazer o sistema funcionar adequadamente. Depois de receberem um pedido de socorro de uma outra comunidade por perto, três deles decidem ir até o local para checar o que aconteceu. Chegando lá, percebem que houve um verdadeiro massacre e eles terão que correr para avisar os outros antes que sua preciosa comunidade sejam dilacerada como a outra.

A capa do DVD pode enganar alguns, já que não se trata de um filme sobre vampiros. Apesar disso, é impossível não compará-lo com 30 Dias de Noite. Além de ter um cenário parecido (dominado pela neve), os próprios vilões têm suas semelhanças com os cruéis vampiros apresentados no outro filme. Não estamos lidando com vampiros, no entanto. São humanos comuns, que ganharam gosto pela carne humana. Isso mesmo! Além de ter que se adaptar com esse mundo e mortal mundo, os sobreviventes ainda têm que encarar um grupo ensandecido de canibais. Particularmente, eu adoro o tema.

Percebe-se que este não é um filme de baixo orçamento, já que há muitas cenas externas, onde a câmera faz questão de mostrar os estragos que a neve provocou. Essas cenas são interessantes, mas poderiam ter sido deixadas de lado facilmente caso o orçamento não permitisse sua criação por computação gráfica. Os atores também são formados por rostos conhecidos, como Laurence Fishburne (Predadores), Kevin Zegers (Madrugada dos Mortos) e Bill Paxton (Aliens, O Resgate). Portanto, os atores conseguem desempenhar muito bem os seus papéis, assim como os efeitos visuais e práticos, que também são muito bem feitos. Não há reclamações quanto a esses quesitos.

Infelizmente, nem tudo são flores. Esse filme tem uma duração relativamente pequena e ele toma muito tempo em seu desenvolvimento. Apesar disso, o enredo consegue manter um bom ritmo, só peca por não ter aproveitado melhor a ação do terceiro ato. A expectativa desde o começo é acompanhar os canibais invadindo a comunidade onde os personagens principais estão, porém, essa invasão é decepcionante. Tudo acontece muito rápido e as mortes não têm qualquer efeito sobre o espectador. O enredo demorou tanto tempo para construir a história e, no final, resolveu correr atrás do tempo perdido e ficou bem abaixo do esperado. A jornada inicial dos três primeiros personagens foi muito mais interessante e tensa do que o combate final em si.

De qualquer maneira, esse filme fica acima da média. Se o terceiro ato decepciona, o mesmo não podemos dizer do primeiro encontro dos mocinhos com os canibais. Apesar de poucos personagens (apenas três!), essa sequência consegue ser muito mais marcante e cada morte vale a pena. Eu recomendo, porque esse filme consegue ser bem melhor que muitos outros lançados mensalmente. Poderia ter sido muito melhor, de fato, mas ainda consegue divertir. E, se vocês estão querendo algo melhor no mesmo estilo, basta recorrer ao já citado 30 Dias de Noite, um dos meus filmes de terror/vampiros favorito.


Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário