terça-feira, 9 de julho de 2013

[Crítica] Todo Mundo em Pânico 5


Direção: Malcolm D. Lee
Ano: 2013
País: EUA
Duração: 86 minutos
Título Original: Scary Movie 5

Crítica:

Você nunca viu uma atividade como essa.

Depois de quatro filmes de sucesso, a franquia já mostrava sinais de desgaste. Durante muitos anos, conversas a respeito do quinto filme começaram e, não muito depois, uma nova sequência acabou recebendo sinal verde. Inicialmente, os fãs ficaram completamente animados, mas não demorou muito para o chão sob os pés deles começar a cair. A notícia que deixou todos chocados, irritados, chateados, com vontade de quebrar carros e lançar feitiços foi que esse filme não traria Anna Faris (Cindy) e Regina Hall (Brenda) de volta. Sério que eles lançaram um novo filme sem elas?

A história, pela primeira vez, gira em torno de Jody, uma roqueira que teve que abrir mão de sua carreira para ser mãe de duas crianças que foram encontradas em estado selvagem. As crianças ficaram anos perdidas em uma cabana no meio da floresta e sobreviveram com a ajuda de um espírito, denominado Mama. Depois de se mudar para uma casa cheia de câmeras, Jody e sua família começam a perceber que não estão sozinhos. Agora, ela terá que descobrir meios de parar esse espírito, o que a leva a uma cabana no meio da floresta, em busca de um livro que tem o poder de acabar ou levantar os mortos.

Sinceramente, desde já eu gostaria de expressar a minha enorme decepção. Depois de quatro filmes, eu tenho certeza que os fãs mereciam mais consideração. Será que os produtores não pensaram que seria inconcebível realizar uma nova sequência sem a presença das protagonistas? Mesmo que essa quinta parte tivesse sido brilhante, não arrancaria esse sentimento de perda, porque Faris e Hall são insubstituíveis. E o mais triste é que essa sequência é tão ruim que nem parece um capítulo da franquia. Na crítica de Inatividade Paranormal eu disse que esse filme não poderia ser tão ruim, mas parece que eu estava incrivelmente enganado.

Apenas alguns poucos retornos fazem conexão com os filmes anteriores. Ainda assim, nenhum deles interpreta os mesmos personagens do passado. Temos Simon Rex e Charlie Sheen voltando a interpretar parentes, apesar de pouco terem relação com os personagens do terceiro filme da franquia. A participação de Sheen é extremamente curta e se limita apenas a uma péssima abertura, onde divide a tela com a famigerada Lindsay Lohan. Esperava muito mais dessa abertura. Além de ser curta, foi a pior apresentada pela franquia (e olha que eu pensei que nada pudesse ser pior que a abertura da quarta parte). Não podemos esquecer que diversas cenas foram cortadas na edição final.

Esse é um dos maiores pontos negativos, porque praticamente tudo foi alterado na edição final. Algumas das cenas mais engraçadas dos trailers divulgados foram cortadas ou alteradas de alguma maneira. O roteiro - que surpreendentemente também é assinado por David Zucker -, é o mais bobo possível. Há um apelo desnecessário para cenas envolvendo acidentes repetitivos, piadas sem graça e introdução de algumas cenas que não se encaixam no roteiro em si. Ashley Tisdale é um dos poucos pontos positivos, porque - apesar de tudo - ela até que se saiu bem. Nunca será uma Cindy Campbell, mas conseguiu me surpreender com o que lhe foi entregue.

Nenhuma das paródias realmente funciona. O enredo mistura principalmente as histórias de Atividade Paranormal e Mama, além de outras paródias aleatórias. O roteiro não consegue misturar as tramas parodiadas e os seus limites ficam muito marcados, como se tivessem sido colados juntos sem cuidado. Estava ansioso porque o filme finalmente voltaria a parodiar filmes de terror de verdade, mas não poderia ter me decepcionado mais. Um dos momentos mais desperdiçados é o que faz paródia ao recente A Morte do Demônio. O roteiro poderia ter sido muito mais criativo, mas acabou entregando cenas sem qualquer impacto. Posso dizer o mesmo das tentativas frustradas e desnecessárias de brincar com as tramas de A Origem e Cisne Negro. Enfim, esse filme não vale a pena ser visto e deve ser ignorado, porque certamente não segue a mesma linha que os anteriores.

PS. Cadê alguém sendo atropelado no final?


Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
4 Comentários

Comentário(s)

4 comentários:

  1. Mas o quarto tem atropelamento?

    ResponderExcluir
  2. Também fiquei revoltado quando soube que esse filme não teria as participações dessas figuras brilhantes que são Anna Faris e Regina Hall . As duas são inesquecíveis . E essa quinta parte ficou um lixo .

    ResponderExcluir
  3. Também fiquei revoltado quando soube que esse filme não teria as participações dessas figuras brilhantes que são Anna Faris e Regina Hall . As duas são inesquecíveis . E essa quinta parte ficou um lixo .

    ResponderExcluir