Especial

Foto:

[Crítica] Marcas do Terror


Direção: Takashi Miike
Ano: 2006
País: EUA
Duração: 60 minutos
Título Original: Imprint

Crítica:

Depois de uma longa jornada que levou semanas, nós ficamos chegamos à Finale da primeira temporada de Mestres do Horror. Reconheço que teve muito episódio ridículo, mas tenho que reconhecer que todos apresentam identidade própria e, mesmo no meio de histórias loucas, os diretores se esforçaram para transformar os seus respectivos trabalho em algo único. É claro que nem todos conseguiram apresentar algo positivo ao visar o objetivo da originalidade. Como já disse, às vezes você pede assassinos na estrada e eles acabam entregando mulheres que se transformam em veados. Mas isso são detalhes. E o importante é que vivemos para assistir o último episódio da temporada.

A história acompanha um americano em terras japonesas à procura do amor de sua vida, mulher a quem ele prometeu que retornaria. Suas pistas o levaram até uma ilha isolada onde homens vão se divertir com prostitutas. Sem encontrar sua amada, ele é obrigada a contratar o serviço de uma das garotas para poder passar a noite no local. Ele escolhe a mais tímida deles, praticamente escondida no canto. Quando ele consegue ver o seu rosto na luz, descobre que metade dele é desfigurado. Diferente dos outros homens, ele não a trata com repulsa e, como forma de agradecê-lo, ela começa a contar histórias do seu passado, que podem responder o que aconteceu com a mulher que procura...

Confesso que minhas expectativas eram mínimas. Eu simplesmente me contentei com a qualidade elevada do Estrada da Morte, então tinha-o considerado uma boa despedida. Felizmente, eu consegui me surpreender positivamente com esse filme. Tenho certeza que todos ficarão de boca aberta, porque nunca iria esperar algo tão deturpado quanto o que foi apresentado. Na capa do DVD nacional, há uma mensagem chamativa dizendo que a exibição desse episódio foi proibida nos EUA. Eu nunca ligo para esse tipo de alerta sensacionalista, mas confesso que eles estavam falando a verdade.

A fotografia desse filme é estilosa, talvez por causa do clima oriental - com suas cores e decorações chamativas. Definitivamente é diferente de tudo o que foi apresentado na série até agora. E não é apenas esse diferencial que esse episódio traz. Como vocês podem perceber, a história é muito parecida com o clássico Memórias de uma Gueixa. A comparação não é em vão, até porque, quando vocês assistirem esse episódio, ficarão com a mesma sensação. Porém, conforme o enredo vai se desenvolvendo, percebemos o grande potencial para um filme de terror a história tinha.

Apesar de geralmente não gostar de flashbacks, eles foram essenciais para as reviravoltas na história. Foi muito interessante acompanhar a narração da infância da protagonista. E, para completar, ela conta a mesma história de três maneiras diferentes, sem nunca soar repetitivo. Conforme o homem que procura sua amada vai pedindo pela verdade, ela começa a aparecer, tornando a história do passado da garota um verdadeiro show de terror. Esse filme não foi feito para pessoas fracas. Até mesmo eu que estou acostumado em assistir filme do gênero senti um desconforto em algumas cenas. E, por este motivo, o diretor está de parabéns. Ele conseguiu me deixar impressionado.

Essa história trabalha todos os assuntos polêmicos que geralmente são evitados, como abortos, sexo com crianças, incesto e tortura explícita. Tem que ter muito estômago para poder acompanhar, principalmente as agonizantes cenas de tortura. Nem mesmo toda a franquia Jogos Mortais conseguiu me deixar desconfortável desse jeito. Para chocar ainda mais o espectador, o diretor não poupa ao mostrar diversas cenas com fetos (muito bem feitos, por sinal) sendo jogados fora. Enfim, eu claramente subestimei esse filme. Só é indicado para pessoas fortes. Sinceramente, achei que foi o melhor jeito de fechar com a temporada, despedindo-se de forma inesquecível.

PS. As críticas da segunda temporada só deverão estrear no próximo ano, nesse mesmo período em que as principais séries pausam, ou seja, meados de junho de 2014.

Trailer:

Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário