Especial

Foto:

[Crítica] Jenifer - Instinto Assassino


Direção: Dario Argento
Ano: 2005
País: EUA
Duração: 60 minutos
Título Original: Jenifer

Crítica:

Apesar da primeira semana ter apresentado boas histórias, o mesmo não pode ser dito dessa segunda. O primeiro filme dessa segunda fase do especial não impressionou e apresentou um roteiro muito fraco. Jenifer - Instinto Assassino (subtítulo desnecessário demais) também obteve um resultado extremamente negativo. Desses quatro filmes iniciais, Jenifer conseguiu o feito de ser o pior em termos de qualidade. Infelizmente, já me informaram que as coisas tendem a ficar ainda piores. Mas também não podemos perder as esperanças, porque sei que há bons episódios pela frente.

A história desse episódio gira em torno de Frank, um policial que impede que uma garota indefesa seja assassinada por um maníaco. Frank não tem outra escolha a não ser atirar no cara, que solta o nome "Jenifer" em seu último suspiro. Logo, Frank irá perceber que Jenifer não é uma garota normal. Seu rosto é extremamente deformado, apesar de ter um corpo escultural. Sentindo pena da garota, Frank a leva para sua casa, mas, a medida que coisas estranhas passam a acontecer à sua volta, Frank vê sua obsessão pela garota crescer, desafiando sua sanidade e a relação com sua família. Não demora muito para que o protagonista tenha que fazer uma difícil escolha, que poderá selar o destino de todos os envolvidos.

A proposta da história em si não me agradou nenhum pouco. Apesar disso, fui surpreendido em diversos pontos, positiva e negativamente. Infelizmente, os pontos negativos vieram em uma quantidade muito maior que os positivos, por isso que, hoje, esse episódio figura entre os piores da série. Assim como no episódio anterior, Dança dos Mortos, o enredo desse filme peca pela falta de lógica. Com o desenvolver da trama, acompanhamos situações absurdas, que beiram o inexplicável e o ridículo. Jenifer é a mulher dos sonhos de qualquer um e fará qualquer homem abandonar sua família? Acho que não.

A maior surpresa nesse filme é a sua violência. Há diversas mortes durante a história e a maioria delas é bem violenta, mostrando a protagonista comendo as entranhas de suas vítimas. Foi a história mais violenta apresentada até agora. Temos, inclusive, a morte de uma criança e vemos a Jennifer comendo os seus restos mortais. Apesar de impressionar, não serve para apoiar a história, que se desenvolve da pior maneira possível e termina de uma forma irônica, que todos deverão odiar.

O visual da protagonista é um dos maiores pontos do episódio. A maquiagem está bem feito, grotesca e nojenta. Há alguns momentos que mostram o rosto da protagonista da perto e ele está todo babado. É muito nojento. Principalmente as cenas de sexo, que são muitas. Como um homem vai fazer sexo com uma mulher toda deformada e comedora de carne humana? Isso não faz sentido algum. É ridículo de tão surreal. O diretor é conhecido por apelar por imagens fortes, seja de pessoas mortas ou cenas de sexo chocantes. Há uma tentativa de erotizar o abominável, o que foi miserável.

Conheço pouco dos trabalhos anteriores de Dario Argento, apesar de ter visto alguns dos seus filmes. Assim como a violência e a nudez gratuitas, também reconheci a marcante trilha sonora. Carrie Anne Fleming, interprete da protagonista, me surpreendeu em sua atuação e conseguiu passar ao espectador uma atuação bestial e intrigante. É claro que seu esforço é esquecido quando a câmera foca nos seus seios, mas definitivamente valeu a tentativa. Enfim, eu não recomendo para ninguém. Achei esse um capítulo extremamente desnecessário e pode ser facilmente descartado. Eu não fui muito feliz nessa rodada de filmes, então espero que tenha mais sorte na próxima.

Trailer:

Comentário(s)
3 Comentário(s)

3 comentários:

  1. Olha, me pergunto como assim?

    Jenifer é de longe um dos melhores episódios da série.

    Argento é mestre, e sinceramente não deveria ser intitulado assim, como um mero diretor sensacionalista.

    Novamente me pergunto, tu realmente conhece a obra dele?
    Já viu a trilogia dos animais?
    Suspiria? Phenomena? Profondo Rosso?

    Obrigatórios...
    Antes de questionar a obra de um Mestre do Terror.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com vc realmente ele e o mestre do horrot

    ResponderExcluir
  3. Eu tô rindo dessaudades porcaria até agora kkkkkk

    ResponderExcluir