terça-feira, 16 de abril de 2013

[Crítica] Bates Motel - 1x04: Trust Me

O que tem de errado com Norma?

Review:
(Spoilers Abaixo) 

Muitos podem não concordar, mas fazer Reviews não é uma tarefa fácil. Além de limitar bastante nosso tempo para outras atividades, ainda ficamos encarregados de exemplificar uma trama para melhor entendimento do público. Não que exista algum problema quanto a isso, pois quem gosta de escrever tem sempre algo a dizer. Entretanto, tudo vai depender da maneira que o autor compreende uma série, sendo ele imparcial ou não. Se há uma química entre produção e telespectador, se há uma história pessoal por trás do interesse por uma série, é claro que isso vai influenciar bastante a escrita de uma Review.

O que estou querendo dizer é que existem várias coisas que devemos levar em conta quando falamos de uma série, que podem ou não ser levadas em consideração pelo público. Eu, como nunca fui fã de Hitchcock, não vi problema algum na existência de um prequel que pode e deve mudar a maneira como Psicose introduziu o assassino Norman Bates. Mas os fãs do clássico de 1960 nunca serão convencidos que Bates Motel merece sua atenção, mesmo que lessem dezenas de Reviews fundamentadas provando o contrário.

Não podemos mudar o ponto de vista de algumas pessoas, mas acho que podemos tentar. E é isso que venho tentando fazer nas minhas Reviews. Não estou aqui pra resumir sem emoção o episódio da semana ou dizer de maneira simplória que a série mereceu seu renovamento antecipado. Estou aqui para debater e exemplificar minhas ideias de acordo com meu ponto de vista. Mas como fazer isso quando uma série simplesmente não faz questão de ser compreendida? Como passar ao público um bom entendimento quando esse nem é mesmo o seu propósito? Quem aceitou o desafio de acompanhar Bates Motel sabe muito bem do que eu estou falando.
Logo no começo do episódio vimos de um ângulo diferente todos os acontecimentos do final do episódio passado. Norman invadiu a casa do Delegado Zack para roubar as provas que incriminariam ele e sua mãe, mas não estava sozinho. No meio do caminho seu irmão Dylan decidiu segui-lo, e até lhe ajudou a não ser pego no flagra. Ou seja, implementaram coisas novas numa trama que provavelmente seguiria a previsibilidade, para no final fazer toda a diferença em relação ao caminho que o roteiro iria seguir.

A presença de Dylan no momento em que Norman descobria uma garota no porão de Zack não só ajudou ele e o irmão a se aproximarem, como criou um conflito entre ele e o policial. Era óbvio que sua mãe estava saindo com alguém, mas se esse alguém era o policial dono da casa que Norman invadiu, alguma coisa estava errada. Isso não foi muito bem explorado no episódio, mas arrisco em dizer que Dylan vai fazer alguma coisa pra proteger a família agora que sabe a verdade. Ou pelo menos, proteger Norman, que ele julga inocente.

Mas será que “inocente” é a palavra apropriada para nos referirmos ao Bates Junior? Não podemos esquecer que a morte do pai dele continua um mistério e que ninguém sabe se ele já não esteve próximo a morte bem antes. Além disso, depois de ouvir os conselhos do irmão, foi pra casa na nova órfã da cidade e perdeu a virgindade. Sem medo, sem remorso e sem pirar a cabeça porque “Ai meu Deus, estamos pelados”. O único problema é que não dá pra confiar nas coisas que Norman vivencia. A mãe dele já deixou claro que às vezes ele vê e ouve coisas que não existem, então sua primeira vez poderia ter sido apenas fruto da sua imaginação, assim como a garota acorrentada no porão do Zack, já fiscalizado por Norma. 
Por isso disse que a série não faz questão de ser compreendida. Como podemos saber que tudo não é fruto da imaginação do Norman? Como podemos saber se naquela cena importante havia outro personagem que só vamos descobrir semana que vem? Eu sei, estamos no meio de um impasse. Então é melhor aceitarmos que tudo pode mudar e nem tudo que reluz é ouro de uma vez por todas. Só o que posso afirmar é que Bates Motel faz sempre as melhores escolhas para conduzir seu roteiro de maneira eficaz, então, isso está longe de se tornar um ponto negativo.

Pro final do episódio foi deixado um super cliffhanger só pra torturar os telespectadores até o próximo episódio. Acontece que os gênios do crime Norma e Norman não imaginaram que a tecnologia e a ciência estavam avançadas o suficiente para que a polícia chegasse aos assassinos através de pequenos detalhes. Como por exemplo, a mão de Keith Summers encontrada por alguns pescadores. Nela havia resíduos de fibra de carpete, que o Xerife logo ligou ao dia em que Norma estava trocando os carpetes do seu hotel às duas da manhã.

Depois disso iniciou-se uma busca pelo bendito carpete nos lixões da cidade. Teve escândalo, choro, acusações, vish, já tava até vendo a hora da mãe Lucinda aparecer por lá e calmar o fogo dessa Carminha. Até porque, no fim das contas, foi tudo em vão. O episódio termina com Norma sendo presa pela morte do Keith enquanto a boca do telespectador abre uma cratera no chão. Pelo menos foi assim comigo. Estou morrendo de ansiedade pra assistir o próximo episódio e não faço a mínima ideia de como ela vai se safar dessa. Vocês sabem? Então comentários, por favor. Mas sem dá uma de Zé Spoiler.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário