sábado, 13 de abril de 2013

[Crítica] Anjos da Noite 4: O Despertar


Direção: Måns Mårlind & Björn Stein
Ano: 2012
País: EUA
Duração: 88 minutos
Título Original: Underworld: Awakening

Crítica:

A vingança retorna.

Depois de dois filmes de ação e perseguição frenética, Selene teve que tirar umas merecidas férias. Os produtores concordaram que o terceiro filme deveria ser uma prequel, arriscando nas bilheterias e fazendo bonito. Com o sucesso comercial do anterior, eles estavam prontos para nos dar um pouco mais de Beckinsale em seu couro negro apertado. O material de divulgação estava bombando e minhas expectativas estavam a mil, mas nem tudo são flores, infelizmente.

A história volta a seguir a vampira Selene e sua interminável luta contra os lobisomens. Desta vez, a história pula mais de uma década, onde Selene acorda do coma em um mundo completamente diferente do qual ela estava habituada. Os humanos descobriram a existência dos vampiros e lobisomens e caçaram as duas espécies e a quase extinção. Agora, Selene terá que aprender as regras deste novo mundo, que é muito mais perigoso do que antes. Mas ela não está realmente sozinha, pois sua filha, que é um híbrido igual o pai, está doida para se reencontrar com a mamãe...

Desculpem o suspense! Eu achei esta sequência fantástica. Tão boa quanto os filmes anteriores, apesar de ser o filme mais diferente da franquia. Eu não acho que isso é uma coisa ruim, afinal, estão no quarto filme, estava mais do que na hora da franquia se renovar. O ruim é que a bilheteria não surpreendeu e não chegou aos resultados esperados. Isso pode afetar a continuidade de mais sequências. E, tendo conhecimento de como este termina, seria um verdadeiro pecado não fazer outro, mesmo que seja apenas para fechar a franquia, que não merece permanecer em aberto.

Para começar, este é o filme mais violento da franquia. Temos muito sangue saindo dos buracos de tiro e mortes bem mais gráficas, como o momento em que a boca de um lobisomem é aberta até ser rasgada. Apesar dos críticos terem apontado isso como uma coisa ruim, eu não tenho do que reclamar. Sempre achei que os filmes da franquia poderiam carregar um pouco mais de violência e os meus pedidos foram atendidos. Achei a dosagem de sangue perfeita, não sei do que eles não gostaram.

O ambiente em que o filme se passa é drasticamente diferente dos anteriores. Apesar de dois do três filmes anteriores se passarem nos dias atuais, a “atualidade” nunca havia dado as caras na história. As paisagens eram sempre escuras e chuvosas. Neste, podemos ver o mundo como ele, com sua tecnologia e a cidade grande. É claro que temos alguns momentos únicos e frenéticos em um esconderijo de vampiros, que nos remete aos cenários rústicos tão explorados nos filmes anteriores. Mas é realmente ver a crueldade dos humanos interagindo na luta entre as duas raças. Acho o começo maravilhoso, onde somos apresentados aos fatos sobre a descoberta e matança dos sobrenaturais através de câmeras de mão.

Enfim, para aqueles que pensavam que a franquia poderia finalmente ter caído, devo dizer-lhes que não está nem perto. Somos brindados com diversas cenas emocionantes de combate e uma reviravolta muito inteligente, apesar de não ser grande, apenas curiosa. Como já disse anteriormente, queria muito mais uma sequência e chorarei lágrimas de sangue se a franquia terminar por aqui. Infelizmente, Kate Beckinsale já disse que não retorna para mais uma sequência. Apesar de ser um quadro ruim, pode mudar, pelo menos é o que eu e os fãs torcemos para acontecer.

Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário