Especial

Foto:

[EA] Eliminação #2

Boa noite pra você, caro leitor, que não aguenta mais o tédio do domingo e ta precisando de um pouquinho de emoção. Faustão, Gugu, Eliana, quem precisa disso quando se tem uma Eliminação delícia como a de hoje? Desliga essa TV e senta aqui com a gente porque hoje vamos ser levados para Wonderland.

Mas aconteceu outro imprevisto essa semana. Calma gente, ninguém desistiu da competição como o Gui. João, que babado foi esse?

João: Parece que os participantes da Morte Súbita realmente nem vão precisar competir. Semana passada tivemos uma desistência e agora um dos nossos participantes foi internado num hospital e não pôde preparar seu texto. Infelizmente seu estado de saúde não pode lhe dar regalias, então ele estará automaticamente eliminado. Diego Ravarotto, vamos sentir sua falta, e pode ter certeza que será bem vindo no nosso Blog quando lançarmos uma segunda edição. Espero que você se recupere logo e continue escrevendo, porque você tem bastante talento.

Além do Diego temos outro participante numa situação delicada. O Luiz me informou que o Pedro se comprometeu em fazer o texto da semana, mas até agora não nos enviou. Deve ter a ver com sua limitação em relação a internet, já que há algumas semanas ele fez uma operação e desde aí parou de ficar regularmente no computador.

É uma pena que a gente tenha que eliminar dois concorrentes logo de cara, mas não há nada que podemos fazer. Eles obviamente tem problemas pessoais que podem muito bem impedí-los de cumprir com suas obrigações no Blog e nós estamos procurando alguém que se dedique 100%. Não estou dizendo que é culpa deles, mas realmente não vejo como isso poderia dar certo. Então, o Diogo é o grande vencedor da Morte Súbita dessa semana. E é em respeito a ele que vamos postar seu texto, mesmo que não possamos fazer uma avaliação neste post. 

Mateus: PQP hein geit. Mas ok, nós entendemos a situação. E foi até melhor isso acontecer de uma vez porque agora só ficaram os participantes realmente comprometidos.

Agora vamos ler um pouquinho pra aliviar essa tensão?


Participante: Diogo Ferreira
Tema: Conto de Fadas Sombrio


Minha Terrível Branca de Neve
Uma introdução

-Qual é o seu nome?

-Você pode me chamar de Branca de Neve. – Sabia que tinha escolhido um apelido esquisito, e quando o falava em voz alta se sentia um pouco estúpida. Devia ter gastado um pouco mais de tempo pensando nele ou se inspirado numa dessas personagens dos quadrinhos, como Viúva Negra, Pantera Negra, ou qualquer coisa Negra. Afinal, ninguém tinha medo de Branco.

- Hmmm... diferente. – O barman deu um meio sorriso de deboche, mas decidiu entrar na brincadeira. – E a Srta. Branca de Branca vai querer o mesmo de sempre?

- Sim, um matini, com três azeitonas pra enfeitar. E por favor não se esqueça do copo!

- Claro, claro. E a srta. Branca de Neve se importa se eu perguntar o que faz uma moça como ela frequente um lugar como esse?

- Claro que me importa. Mas se também te importa, venho aqui beber martinis.

- Hmmm... Sei. Então é melhor eu ir lá buscá-lo, não é?! – e saiu para a parte de trás do balcão para preparar a bebida da moça.

Já era a terceira vez que estava ali. Odiava o lugar. Era um desses bares sinistros, cheio de gente esquisita e mal amada. As sombras ocupavam todos os cantos, revezando-se com fachos de luzes amarelas que teimavam em permanecer vivas depois do terceiro concerto. Parecia um lugar saído de um conto de terror barato, e ela odiava contos de terror.

Mesmo assim, tinha o medo de acabar protagonizando um deles. Não importa se você não gosta do lugar em que está, desde que tenha um motivo para estar ali. E ela tinha.

Era um homem baixinho e atrofiado. Um anão. Estava sentado numa mesa a poucos metros do balcão, jogando poker com alguns tipos estranhos (recusava-se a pensar que sujeitos como aqueles tinham “amigos”). Parecia zangado.

-Seus trapaceiros! – disse o sujeitinho ao mesmo tempo em que virava a mesa de ponta cabeça.

- Porra, Zangado! Tem mesmo de fazer isso toda vez que perde suas fichas?!

Os jogadores pareceram emburrados por um minuto, enquanto colocavam tudo de volta no lugar. Mas não há tantos motivos pra se ficar emburrado quando se está ganhando dinheiro, e logo estavam todos sentados de novo, jogando uma nova partida. O anão pegou mais algumas fichas.

- Toda noite a mesma coisa... – disse o barman, voltando com a bebida.

-Como é que vocês aguentam ele? – Respondeu a moça, depois de bebericas o martini. Não estava mal.

- Ah! Você sabe... Não é como se pudéssemos escolher clientes por aqui. Ele sempre sai daqui de porre, o que deixa o patrão feliz, e não ganha com frequência, o que faz os outros clientes felizes. Além do mais, essas mesas não quebram fácil.

- E por que é que tem esse nome?

- Zangado? Ah, isso não é um nome! É só que ele está sempre zangado, então as pessoas o chamam de Zangado. É bem comum as pessoas adotarem nomes estranhos por aqui, Branca de Neve  – disse ele com um olhar meio insinuante e acusador.

A moça enrubesceu. Baixou os olhos para sua taça e bebericou a bebida mais uma vez.

- Mas, se você não fica confortável na presença dele, acho que você não precisa se preocupar. Esse daí logo, logo some... Dizem que ele não tem pagado as últimas apostas. E ele tem perdido tanto ultimamente que alguém vai acabar cobrando. Não me impressionaria se ele simplesmente deixasse de aparecer.

Ela já sabia de tudo isso. Tinha passado na casa dele mais cedo naquele dia e revirado tudo. Tinha encontrado algumas caixas de cerveja, alguns filmes adultos e uma enxurrada de ameaças de morte no caixa eletrônico. Mas não tinha encontrado o que procurava. Devia estar guardando com ele.

- Hmmmm... Seria uma pena. Até que gosto de vê-lo jogar.

O barman deu um sorriso malicioso:

- Será que é só isso que gosta nele?

- O que é que está querendo insinuar?

- Bem, srta, ouve-se muita coisa quando se trabalha num lugar assim. E já vi muitas mulheres fascinadas por homens pequenos. Algumas dizem que o que lhes falta na altura sobra no...

- Uh! Não! Não é nada disso. Só acho interessante ver como ele reage às atitudes dos outros. Gosto de observar as pessoas.

- Sei...

- Trapaceiro! Trapaceiro! – a mesa se virou de novo. O anão tinha perdido todas as fichas mais uma vez. A moça sabia realmente gostava de observar as pessoas e sabia que ele nunca comprava fichas pela terceira vez. Era melhor ir esperar por ele lá fora.

- De todo modo, obrigado pelo Martini. – Jogou um nota sobre o balcão. – Fique com o troco.

Os homens ainda discutiam quando ela saiu. Isso era bom, daria a ela algum tempo para preparar-se. O anão não dirigia, mas morava perto dali. Foi esperá-lo na porta de casa. Tirou a arma da bolsa e colocou-a sobre o colo.

A rua estava deserta e o caminho para casa parecia mais longo que de costume, mas a caminhada seria um bom relaxamento. Estava com a cabeça cheia demais.

Odiava perder e tantos cobradores já estavam dando-lhe nos nervos. Mas ele tinha a solução: no outro dia voltaria ao bar e jogaria mais algumas partidas. Nenhuma maré de azar durava para sempre.

Caminhava cabisbaixo e estava a apenas dois metros do portão de casa quando alguém falou com ele.

- Zangado?

- Uhn?! Não tenho dinheiro nenhum! Se te devo alguma coisa venha cobrar outro dia!

- Ah, meu querido, eu sei que você não tem dinheiro. Mas você tem outra coisa que eu quero. Você tem o Espelho da Bruxa.

O anão levantou o rosto, sobressaltado. Tinha uma arma apontada para a sua cabeça.

- O... O Espelho da Bruxa?! Quem... quem é você?

- Pode me chamar de Branca de Neve.

A última coisa que ouvi foi o barulho do gatilho.

A moça se abaixou e procurou algo nos bolsos dele. Estava ali. Era um dos fragmentos do Espelho da Bruxa.

Mas era só o primeiro. Ainda faltavam seis.

PS: Como não houve disputa, os jurados não irão opinar sobre o texto.


---

O que vocês acharam? Eu já li e tenho certeza que o Diogo ganharia a disputa de hoje de qualquer jeito.

Agora vamos a nossa surpresinha de todo Domingo. Lembram da semana passada quando o vencedor da Morte Súbita ficou encarregado de uma pequena tarefa? Então, resolvemos fazer isso toda semana, só que as surpresas vão sempre mudando.

Ao invés do vencedor da Morte Súbita indicar alguém pra ser emparedado semana que vem, ele vai poder imunizar DOIS CANDIDATOS. Isso mesmo, bebê! Dois dos nossos sobreviventes não vão correr risco algum essa semana e quem decide isso é o Dioguito.

Diogo Ferreira: Vou imunizar o Gustavo Aguiar (Team Nefferson), porque acho que ele já escreveu um texto pra segunda fase e seria bacana ver a galera toda participando. Vou imunizar também o Mateus Antony (Team Luiz), porque acho que as histórias que ele mandou pra primeira fase foram bastante originais e, independente da aceitação dos textos, acho que ele merece mérito por isso. Como o ponto da segunda fase é trabalhar com textos é criar textos mais originais a partir de temas dados pelos jurados, eu gostaria de ver como outros vão se sair nesse quesito.

Gustavo e Mateus, vocês devem estar adorando essas surpresinhas semanais, né? HAHAHAHA! Parabéns pros dois e boa sorte aos demais.

Se você tem algo a dizer a respeito da loucura de hoje ou tem algum duvida, a caixa de comentários sempre será serventia do Blog. 

Uma ótima semana pra todos nós,

Bêj.

Agora um gif pra mostrar ao público como
Pedro e Diego estão se sentindo. Afinal,
apesar de tudo, rir é o melhor remédio.
Gente, kd o socega leão?






     
Comentário(s)
2 Comentário(s)

2 comentários:

  1. aff, ta muito zZzZzZz isso. pensei que teria mais emoção, sinceramente... esperando a próxima eliminação e espero que haja pelo um embate né. ah, geedes junior aqui, to pelo cel e to com preguiça de logar no face.

    ResponderExcluir
  2. Diego aqui . Nao posso dizer que estou feliz por ter sido eliminado , mas neste momento eu realmente precisava zelar pela minha saude . Ate havia criado em minha mente um conto mas eu estava e estou impossibiilitado de sequer tentar escrevelo. Bom , ate quem sabe uma proxima competicao.

    ResponderExcluir