domingo, 3 de março de 2013

[Crítica] Switched at Birth - 2x07: Drive in the Knife


Eu bebo sim, e estou me f*dendo, e quem não bebe está sofrendo.

Review:
(Spoilers Abaixo)
E uma das coisas que eu mais temia começa a criar problemas SaB, depois de anos, o álcool volta a ser problema na vida da Regina, tudo por que ela não resistiu ao Zane e provou do drink do demônio. Ok, isso soou um pouco dramático demais, mas é exatamente isso que aquele drink outra noite no bar significou para ela.

Quando tudo começava a ir bem e ela finalmente arruma um emprego, ela acha de ir comemorar no bar, brindando. O resultado não poderia ser outro, ela chegou ao trabalho atrasada e com a aparência de que tinha encontrado um tornado no caminho. O resultado não foi outro se não a demissão e para afogar as mágoas, mais drinks. Agora sim podemos dizer que como Luisa Marilac, Regina está na pior. É o jeito sentarmos para assistir a queda dela ao fundo do poço de camarote.

Uma das partes mais tristes do episódio veio com o término da Daphne com o Travis. Talvez só eu ache o casal perfeito junto, e por enquanto Daphne resolveu manter tudo na amizade. Justo nesse momento, quando o Travis estava bravo com ela a polícia achou o agressor do parque, mas o Travis não confirmou que era ele para que pudesse fazer justiça com as próprias mãos. Foi preciso que a Daphne, e depois o John, colocasse bom senso na cabeça dele. Acredito que a Daphne será a pessoa que vai ajudar o Travis a mudar esse jeito birrento dele e por fim descobrir que tem mais coisas em comum com ele do que imagina.


Já as coisas entre a Bay e o Noah estão no mais ou menos. Por um momento achei que eles iriam ser o casal perfeito, mas o fantasma Bay & Emmett parece não dar trégua aos dois e por uns momentos, Emmett foi tocado nas conversas dois dois. Talvez a Bay esteja muito deslumbrada por ele, mas acredito que ela acabe voltando para o Emmett, que está bem confiante de que ela não o superou. Acredito que o Noah vai acabar tendo um envolvimento com a Daphne, que parece estar um pouco interessada nele. Também pudera, ele é o tipo de cara perfeitinho, que presta atenção, é bem humorado, bonito e ainda vem passando por uns problemas que nos fazem sentir mais dó e vontade de estar junto.

Em meio a esses acontecimentos, a campanha do John finalmente saía do papel e tinha o apoio dos filhos. Achei muito bonita a história dele com a Bay, deixando-a criar os desenhos dos outdoors com a arte dela, dando total apoio e visibilidade à filha. Por um momento achei que isso iria acabar quando a Bay ouviu críticas ao trabalho dela vindas do diretor de campanha do pai e quase desistiu para não prejudicar o John, mas bastou uma conversa entre pai e filha para ele dizer que iria apoiá-la não importasse o que falassem. Muito amor! Adorei esse momento entre os dois e mostrou que a Bay mudou de verdade e se tornou uma pessoa mais cabeça.

Toby por sua vez se engraçou com uma voluntária na campanha do pai, a Elisa, e em questão de minutos já estava na piscina de hidromassagem dela como veio ao mundo. Adorei a personagem, super rápida nas respostas e sarcástica. Gostei mais ainda do fato dela ser filha da oponente do John. Dúvidas de que mesmo depois do flagra na hidro esses dois ainda vão se encontrar? Eu espero que sim, por que a Elisa é bem mais cativante do que a Kitty.


Enfim, é isso pessoal, nos vemos na próxima review de SaB. Até lá.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário