segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

[EA] New City (De Dyego Vilela)

Hoje é domingo, e como de costume, tédio matando. Que tal dar uma olhadinha no  EA de hoje e ver se as coisas melhoram? O sortudo da vez é o Dyego Vilela que veio nos apresentar sua nova cidade. Será que rola? Veremos.

João, faça as honras.

Dyego Vilela Costa, tem 18 anos e mora em Natal/RN.

João Lindley: Você escreve há muito tempo?
- Não, para falar a verdade essa é minha primeira história, fui deixando minha imaginação fluir e saiu isso, espero que vocês gostem.

João Lindley: O que você gostaria de fazer caso ganhasse a competição?
- Continuar minha história, acredito que participar do concurso vai me trazer uma grande experiência, como já disse essa é minha primeira história, tenho ainda muita coisa para aprender.

João Lindley: Fale um pouco sobre sua história, "New City"
- A história acompanha 12 pessoas que percebe que todos os outros moradores da cidade de New City tinham desaparecidos, e para piorar eles não conseguem sair dessa cidade, além de tentar entender o que está acontecendo com eles, o grupo ainda tem que superar fantasmas de seus passados, a história alterna entre o presente e alguns Flashbacks que nos esclarecem sobre a vida dessas pessoas que tentam entender o que realmente está acontecendo com eles.
Procurei juntar suspense e drama nessa história, além de criar ótimos personagem que realmente irão ser o ponto principal de New City.

João Lindley: Ok Dyego. Boa sorte pra você ^^

New City
Capitulo um
‘’Onde nós realmente estamos?’’
Manhã cedo na pequena cidade de New City, barulhos do vento batendo sobre as árvores, acordam Mark e sua esposa Juliet, que ficam alegres quando vê seu filho Bart, de 11 anos, pular sobre os dois na cama, mas logo Mark lembra-se que precisa ir ao supermercado da cidade, compra alguns suprimentos que estava faltando, na ida acaba levando seu filho e deixa juliet sozinha em casa preparando a refeição.

Já no Supermercado de New City, que está lotado, Mark encontra Kate e sua filha Andy de 12 anos, enquanto Bart e a garota brincavam, Mark pergunta a Kate.

- Quanto Tempo, nem parecesse que a gente mora perto.

- É verdade, parece que temos que vir para um supermercado para poder se encontrar, responde Kate.

Os dois continuam a bater um bom papo, enquanto perto da li, está Lisa uma mulher bastante religiosa, que julga todos só pela aparência, Lisa acaba se incomodando com um casal que está aos beijos no estabelecimento.

- Vocês não tem vergonha, estamos em um local publico, e os dois com essa imoralidade aqui, diz Lisa.

Ben, um cara riquíssimo, e Chloe, uma patricinha, são o casal em questão.

- Você deve ser louca, o que tem de mais nisso, sai daqui sua maluca, diz um irritado Ben.

Michael, um segurança do local chega e tenta apaziguar a situação.

- Calma pessoal, aqui não é um local de briga, diz Michael, tentando controlar aquilo tudo.

 Um pouco longe do tumulto, em outra seção, estão os irmãos que não consegue se entender, Peter, um cara bonito e popular, e Emily, uma garota reservada excluída por todos os amigos do seu irmão, os dois passam a maioria do tempo brigando quando estão juntos, e não foi diferente no estabelecimento.

- Você é um idiota, é exatamente como os seus amigos, acha que estão sempre acima dos outros pela sua aparência, diz Emily.

- Egoísta, essa é á única coisa que você é, sempre julga meus amigos, mas eles estão certos quando dizem que tu deves ficar longe do nosso grupo, diz um exaltado Peter.

Os dois continuam discutindo, mas param quando percebe que todos que estão no local, não param de olhar.

- Melhor para por aqui, acho que eu não mereço todo essa atenção do garoto mais popular do colégio, diz Emily ironicamente.

Na seção de limpeza do Supermercado estão, o marido e mulher, Shane e Daniele, os dois tem uma relação bem difícil em casa, mas escodem isso de todos, para evitar comentários da população, mas quando Daniele derruba uns produtos da prateleira sem querer, Shane se irrita.

- Deixa de ser burra, será que nem para fazer compras você presta, diz Shane com um ar de irritação.

- Para será que já não basta o que você faz comigo em casa, tu queres que todos saibam, diz uma preocupada Daniele.

Ainda em um bom papo, Mark e Kate percebem que seus filhos estão em outra seção, e resolve busca-los, quando do nada ouvem um grande barulho, de repente a terra começa a se mexer, todos no supermercado se jogam no chão com o início do terremoto.

Mark abraça Bart bem forte para protegê-lo, mas quando ele olha para cima, uma poderosa luz invade o local, deixando a todos ligeiramente cegos, se enxergar nada, Mark só consegue ouvir os gritos de desespero.

Depois de alguns minutos, o terremoto passa, e a luz desaparece, Mark e Bart se levantam é vê Kate e Andy totalmente assustados com aquele fenômeno que tinha acabado de acontecer.

 - Vocês estão bem?  Pergunta Mark.

- Sim, mas o que foi isso que acabou de acontecer? Responde Kate chocada junto com sua filha.

Os quatro se juntam com Lisa, Ben, Chloe, Shane, Daniele, Michael, Peter e Emily, e todos percebem que todas as outras pessoas do supermercado haviam sumido.

Todos correm para fora do estabelecimento, e vão para o lado de fora onde fica o estacionamento, onde logo percebem que além de tudo aquilo está um deserto, nenhum carro está funcionando, Lisa logo se desespera.

- Meu deus, está acontecendo, é o grande dia do juízo final, diz a mulher religiosa.

Chloe logo se desespera.

- Não, eu não estou preparada para isso, eu quero viver, sempre sonhei em sair dessa maldita cidade, diz ela desesperada.

- Calma amor, isso deve ser um mal entendido, não de bola para esse louca, diz Ben.

- É por conta de pessoas como vocês que isto está acontecendo, chegou o dia de todos pagarem os seus pecados, rebate Lisa.

Michael acalma os nervos de todos.

- Calma pessoal, de nada adianta esse desespero, não podemos brigar agora, temos que ficar juntos.

Shane que não gosta do comentário de Michael, diz.

- Como assim, olha o que está acontecendo, e não quer que a gente fique desesperados.

Daniele tenta acalmar o marido, que é agressivo com ela.

Tira a mão de mim, sua imprestável, diz Shane descontrolado.

Mark acalma a todos, e resolve junto com o seu filho ir para casa a procura de sua mulher ‘’Juliet’’, todos concordam em procurar ajuda, mas marcam um ponto de encontro, que é no estacionamento do supermercado.

Flashback: Vemos Mark bebendo em um bar, quando Kate chega é senta ao seu lado, os dois conversam, e ele diz que o relacionamento com Juliet está cada vez mais difícil, e que inclusive não queria voltar para casa aquela noite.

- Vou ficar por aqui até amanhecer, não aguento mais tantas brigas, diz Mark.

- Você pode dormir lá em casa hoje, não vou deixar você aqui de jeito nenhum.

Mark aceita a proposta, e vai para a casa de Kate, chegando lá resolve deitar-se no sofá, mas depois de um tempo resolve ir para cozinha comer alguma coisa, chegando lá Kate também está fazendo um lanche, depois de um tempo que os dois estavam conversando, Mark não resiste e beija Kate, que retribui na mesma hora, os dois vão para cama.

Presente: Mark e seu filho chegam em casa, mas não encontram ninguém lá ,  Bart logo se preocupa com sua mãe.

- Onde é que está à mamãe pai, será que ela está bem? Pergunta o menino.

- É claro filho, ela deve estar em algum lugar da cidade, nós vamos encontra-la, responde Mark.

Os dois resolvem voltar para o supermercado, depois de uma longa procura, e não terem achado nem um ser vivo.

Ben é Chloe finalmente chegam à saída da cidade, mas para suas supressas, uma enorme cratera impedia a saída de New Cite, levando Chloe ao desespero.

- Não pode ser, a gente nunca mas vai pode sair dessa porcaria de cidade, vamos morrem aqui.

Ben mais uma vez tenta acalmar a situação.

- Deve estar acontecendo alguma coisa de errado, é claro que isso é um mal entendido.

Os dois também resolvem voltar ao supermercado, para contar a todos que eles não poderiam sair da cidade.

Flashback; Vemos uma Chloe totalmente diferente da patricinha que é hoje, na escola a garota é uma Nerd excluída por todos, em uma das aulas, Ben a convida para ir para quadra de esporte do colégio, chegando lá o rapaz liga um rádio e a convida par dançar, que aceita, no meio da música, os dois acabam se beijando, mas para a supressa de Chloe, havia vários outros estudantes escondidos ali, todos começam a zombar da garota, que percebe que tudo aquilo era uma armação.

- Você acha mesmo, que um garoto como eu, bonito e rico, pode se interessar por uma idiota feito você?  Diz Ben.

Chloe arrasada com aquela situação de ser humilhada frequentemente sai correndo e acaba encontrando sua única amiga, Izzy, totalmente abalada Chloe diz.

- Não aguento mais isso, eu juro por tudo que ainda me importa nessa droga de vida, que ele vai me pagar, eu vou acabar com a vida dele.

Izzy sem entender o que estava acontecendo, consola á amiga.

Presente; Já em suas casas, Shane, Daniele, Peter e Emily, que são vizinhos acabam não encontrando ninguém.

- Não e possível que todos tenham desaparecidos assim, de uma hora para outra, diz Peter.

- Será que isso é alguma brincadeira? Não estou conseguindo entender nada, questiona Emily.

- Temos que voltar para o supermercado onde está os outros, não podemos ficar aqui sozinhos, diz Shane.

Os quatro decidem retorna para o estabelecimento, mais confuso do que nunca.

FlashBack; Depois de uma caminhada, Shane retorna para casa, onde encontra Daniele preparando o jantar.

- Onde é que você estava por toda à tarde? Pergunta Shane.

- Tive que da uma passadinha na casa da minha mãe, responde Daniele.

Os dois começam um intenso bate boca, e Shane por impulso acaba dando um tapa em sua esposa.

Emily que passa pelo local, ouve os barulhos mas não decide se intrometer e acaba indo direto para sua casa.

Presente;  Já a noite Lisa, Michael, Kate e Andy já estão de volta ao estacionamento do supermercado, onde ouve um barulho forte vindo de dentro do estabelecimento, eles entram para verificar qual é a origem do barulho.

- Tem alguém ai? Pergunta Michael.

Ninguém responde, mas de repente, alguns produtos que estão nas prateleiras começam a cair um atrás do outro.

Vendo a situação, Lisa começa a rezar , quando de uma hora para outra, todas as luzes se apagam, Kate ouve gritos de sua filha Andy é fica desesperada, depois de alguns segundos as luzes, se acedem, mas o pior já havia acontecido quando Kate da conta que sua filha havia desaparecido.

Apavorada Kate grita por sua filha:

- Andy querida, onde você está? Fala com a mamãe.

Lisa não para e volta a falar que todos estão sendo castigados.

- Isso é nossa penitencia, todos estão sendo pagos pelos seus castigos.

FlashBack: Lisa está em sua casa preparando o jantar, quando alguém bate em sua porta, a pessoa em questão era um “amigo” chamado Carter, ele pergunta a Lisa.

- Oi querida, falei com o seu chef, ele não conseguiu falar com você, e pediu para avisar que te quer hoje mais cedo no trabalho.

Lisa obedece e vai para o seu emprego, que é em uma das boates velhas da cidade, chegando lá ela encontra seu patrão, comemorando o lucro do local, lá ele diz.

- Tenho um novo cliente para você, diz ele, escrevendo o endereço.

Lisa antes de sair, para encontrar seu novo “pretendente” diz.

- Vamos lá, encher seu bolso de grana, eu só ainda estou aqui por que preciso.

Seu Chefe rebate.

- Cala a boca, uma vadia como você nunca vai deixar de ser uma mulher da vida, por que é isso que tu és, uma vagabunda, agora suma daqui, vá satisfazer mais uma pessoa que está nos pagando para isso.

Lisa abalada com as palavras, saí do local, ao encontro de seu novo cliente.

Presente: Todos já estão no local de encontro combinado, Mark tenta confortar Kate, que está desesperada pelo desaparecimento da filha, mas todos ficam assustados quando percebem que alguma “coisa” está chegando perto do local, eles ouvem grandes barulhos, todos correm para dentro do supermercado, quando lá de dentro, se assustam quando vem uma grande multidão no local, mas todos percebem que eles estão fora do controle, e que essa multidão estava muito longe de ser seres humanos.

Todos se perguntavam o que era aquilo, e o que aquelas “coisas” queriam, todos ficam impressionados, quando toda a multidão estava saindo do local, e indo para outro lugar.

O que eram aquelas coisas? O que elas queriam? Onde nos realmente estamos? Perguntam-se todos.

Temos um flash, em uma outra realidade Juliet está preparando o almoço, quando ouve um grande barulho, ela percebe que todos estão desesperados, uma amiga a diz que tinha havido um grande incêndio no supermercado da cidade, Juliet fica desesperada já que sabia que seu marido e filho estavam lá. Ela corre para ao estabelecimento, chegando ao local a moça fica chocada por tudo está em chama, todos dizem que algumas pessoas tinham ficado lá, que não tinham conseguido sair. Alguns bombeiros saem com corpos do local, Juliet corre para ver quem tinha sido as vítimas fatais de tal acidente, a moça se desespera quando vê os corpos de seu marido e filho, todos tentam conter o desespero de Juliet, mais ela chora e grita quando percebe que filho e marido, estão mortos. 

OBS: Não houve edição na postagem deste texto.

Ricardo: Temos aqui, o clássico “a trama tem potencial, mas a execução é ruim”, erros gritantes que dançam pelados na nossa frente, inclusive com erros que uma boa revisada poderia ter resolvido. Como por exemplo, nomes com letra minúsculas e verbos mal conjulgados. Assim como o Renan – cito mesmo – esse autor parece querer contar sua história sem se preocupar com a ambientação da trama. Os personagens apesar de terem personalidades interessantes pro tipo de trama, acabam sendo trabalhados de maneira rasa e têm diálogos superficiais. A ideia dos flashbacks é excelente, mas nem eles foram capazes de trazer alguma veracidade e emoção pros personagens. Sem falar que usar “Flashback:” e “Presente:” pra indicar as mudanças de tempo, é algo desnecessário, afinal, hoje em dia, não se usa mais esse tipo de coisa. Enfim, não vou ficar listando todos os pontos negativos do texto, pra mim é NÃO.

Luiz: Definitivamente não. Não pareceu um conto pra mim e sim um roteiro que os diretores entregam aos atores com a descrição básica das cenas e as falas deles. Fora os erros, muitos R's e S's engolidos, acento no lugar errado, e nem vou adentrar nos tempos verbais. Enfim, é NÃO.

Mateus: Juro que tentei, mas não consegui chegar até o final. Esse texto foi SOFRÍVEL, gente, não é possível. Com certeza é NÃO. Espero que o autr entenda e não leve meu comentário como uma afronta.

João: Na verdade, Dyego, o Ricardo só estava sendo bonzinho quando disse que sua trama tem potencial. Porque o seu texto foi um completo desastre em todas as áreas. Parece até que estava lendo algo escrito pelo Renan Pacheco, o concorrente mais zuado dessa competição. E digo mais, ainda bem que estamos na repescagem e não é permitido enviar mais de um texto. Não quero correr o risco de ler outra coisa que você escreveu. Meu voto é NÃO. E será Não pra todas aquelas pessoas que não levarem seu texto a sério como esse concorrente.

PS: Nefferson continua pulando o carnaval desunjido no Rio de Janeiro, mas ele mandou informar que estará de volta amanhã, já que o segundo texto de hoje foi adiado devido a fata de comunicação com o autor.

Mateus: É Dyego, parece que hoje não é seu dia. Você recebeu 4 Não's, então, está fora da competição.

E essa é a nossa deixa, caros leitores. Só lembrando que o próximo texto de hoje ficou pra amanhã porque o autor ainda não entrou em contato com a gente.

Boa noite, e uma boa semana pra todos nós.

Bêj

Demi também foi passar uma temporada
em New City e saiu de lá assim:
Apenas Frustrada forever.










               



Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
2 Comentários

Comentário(s)

2 comentários:

  1. Demorei pra ler, mas li. Achei legal a ideia, inclusive João você poderia fazê-la do seu jeito que ficaria demais. Gostei da ideia de Flashbacks mostrando os podres de cada um, mas ele deveriam ter sido feitos ao longo da historia. Por isso ficaram muito curtos e sem graça. Mas a ideia é muito boa, ainda mais porque os personagens estão mortos e nem sabem x.x ' .

    ResponderExcluir
  2. Concordo com o Ricardo e o Anônimo,a idéia e a trama são boas mas o que ferrou tudo foi a escrita do autor,com certeza nas mãos do João a história ficaria massa.

    ResponderExcluir