sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

[Crítica] Underemployed - 1° Temporada


Duração: 45 minutos
Nº de episódios: 12 
Exibição: 2012/2013
Emissora: MTV 
Status: #SaveUnderemployed  

A série sobre pessoas.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Sempre tem aquela série novata que a gente deixa pra começar depois que já passou do seu terceiro episódio, né? Seja por causa do tempo, ou seja porque sua watchlist já está lotada feat transbordando de coisas, ou até mesmo porque você não pôs muita fé na série. Nessa Fall, a série que eu fui empurrando com a barriga, foi Underemployed. Mas assim que assisti o Piloto, me arrependi imensamente de não ter começado a assistir quando estreou, desse jeito, eu poderia ter feito as críticas semanais que vocês tanto adoram (sim, me amem). Eu devorei os cinco primeiros episódios em uma tarde e me apaixonei. Sabe aquela série que te prende logo de cara? Amor à primeira vista? Pois é. A MTV tem essa mania linda de fazer essas séries deliciosas e viciantes.

Underemployed conta a história de cinco amigos, Louis, Raviva, Daphne, Miles e Sophia, que acabaram de se formar e agora terão que começar a viver a vida de adulto, que todos sabemos, não está fácil pra ninguém. Agora, eles terão que lutar por seus sonhos, isso enquanto, eles têm que lidar com seus chefes problemáticos, com as surpresas que a vida está sempre pronta pra trazer e principalmente, com eles mesmo. Eu sei, comigo escrevendo essa sinopse fuleira, parece que estou falando da coisa mais repeteca e clichê do universo, mas se tem uma coisa que Underemployed tenta é fugir do clichê e principalmente, da mesmice atual.

E acho que é isso que torna a série excelente, ao longo dos episódios você não sabe o que pode acontecer. Sem falar que os roteiristas mantém uma linha narrativa coerente, calma, mas que não se torna tediosa, eles criam uma história. Ultimamente, principalmente essas séries teens, estão tratando tudo com muita superficialidade, e é bom ver uma série que traz um pouco de veracidade pra sua história. Quem assistiu, sabe que nem uma história surge do nada e é contada em um episódio. Isso me faz se conectar com a história, é mais do que se identificar com as tramas, você sente como se os personagens fossem reais e se preocupam. Mas que fique claro, com isso não quero dizer que demoram séculos numa mesma história, muito pelo contrário, a série está constantemente mudando as tramas e colocando algum elemento novo.

Falando neles, os personagens e o elenco são o outro ponto forte da trama, a entrosação deles é tão boa que torna muito fácil comprar a ideia de que eles se conhecem há anos. Dos cinco protagonistas eu sequer consigo escolher um favorito, agora dos recorrentes, destaque pra Bekah, pro Paul e pra Deb. Os três são personagens excelentes e apesar de serem as "bitches" da série, não tem como não amar. Não quero entregar muito das tramas, por isso não vou me aprofundar, quero deixar vocês se surpreenderem conforme forem assistindo (porque com certeza vocês vão assistir).

Eu só vou adiantar, que os rumos que as tramas tomaram foram excelentes e me agradaram bastante (e vocês sabem como é difícil alguma coisa me agradar totalmente), quando assisti os últimos episódios praticamente entrei em êxtase. E o mais engraçado é que a temporada acabou, do jeito que a maioria das séries teriam começado. Underemployed é uma série que começa já do final das outras, e conforme passa, toda a história dá um giro de 180° graus, o que nos faz pensar que a série retrocede. Mas é justamente ao contrário, ela cresce, amadurece, junto com os personagens.

Sophia, Daphne, Lou, Raviva, Miles, nem um deles termina a temporada do mesmo jeito que começou, aliás, como diz a Sophia na promo "Life is about be living". É essa mesmo a ideia que os personagens passam, a gente não é obrigado a se acomodar com o que temos. Nós somos movidos a sonhos, e não podemos nunca deixar de segui-los, por mais loucos, revolucionários, improváveis que eles sejam. Essa mensagem é o que torna a série ainda mais deliciosa, Underemployed não é sobre patricinhas, valentões, nerds, cantoras e populares. Porque nenhuma pessoa pode se limitar a ser definida com uma única palavra estereotipada. Por isso que eu disse lá em cima, essa série não é sobre esteriótipos, é sobre pessoas. Com todos os seus sonhos, as suas qualidades e os seus defeitos. Não existem mocinhos ou vilões.

Então mesmo com as grande chances de ser cancelada (que alguma emissora compre essa série, caso seja), eu super recomendo, são só 12 episódios, da pra assistir em um fim de semana chuvoso. Acho que é a primeira "Dramédia" que realmente funcionou no mundo das séries. 



Promo da Primeira Temporada:


Reação do Jeremy ao saber que The Mesmice Diaries foi renovada, e Underemployed está com grande chances de cancelamento:
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
5 Comentários

Comentário(s)

5 comentários:

  1. How it met your mother "young"?

    ResponderExcluir
  2. Não pretendo ver, esse estilo de comédia (?) não me agrada. Além disso, vi um monte de gente falar mal (mas esse não é o principal motivo).

    Ricardo, assista How I Met Your Mother. Virou minha comédia favorita u___u

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yiow, vou te chamar assim pra sempre, todas as pessoas que eu vi reclamando de Underemployed era gente que estava esperando uma nova Friends. Só que em hora nenhuma, a série se vendeu como "uma nova Friends" então quem diz q não gostou é puro recalque.

      E ando sem tempo pra ver mais nada, além do que já vejo.

      Excluir
  3. Amo essa série e realmente não quero que seja cancelada. Entre os principais, os meus preferidos são o Miles e a Sophia, mas adoro todos. Se a série realmente for cancelada eu vou ficar muito triste :(

    ResponderExcluir
  4. Aonde você assisti essa serie ??

    ResponderExcluir