segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

[Crítica] Bunheads - 1x07/08: What's Your Damage Heather?/Blank Up, It's Time

Ressurgindo de uma longa pausa, I present you: Bunheads.


Review:
(Spoilers Abaixo)
É, levou um longo tempo para eu finalmente voltar com as reviews de Bunheads, foi preciso uma ameaça de saída do blog para eu finalmente acordar e colocar tudo em dia. Peço desculpas aos leitores que sempre ficaram cobrando pelas críticas, eu imaginei que ninguém as lesse. Então, por vocês, eu voltei. Sem mais, vamos a Paradise, em dose dupla.

Nesses dois episódios tivemos a continuação de Michelle como professora e por fim a volta da Fanny. Durante as aulas, Michelle teve de reconhecer que é uma influência maior do que ela pensa para as meninas e que ser amiga delas não é simplesmente sair contanto das aventuras, ou devo dizer desventuras, dela para elas. Talvez eu esteja errado, mas a relação dela com as meninas vai, aos poucos, se assemelhar à de mãe e filha.

A Ginny, por exemplo. Ela namorava um garoto desde a segunda série, mas bastou a Michelle dizer que namorava por turnos pra ela revoltar e pôr um fim à relação. A mãe dela não curtiu, o ex-namorado também não, muito menos a Boo. Tudo por que foi só ouvir que a Ginny estava solteira que o irmão da Melanie achou de querer investir. Fico triste pela Boo, mas é hora dela desencanar e perceber que com ele nunca irá rolar nada, a não ser na cabeça dela. É hora de abrir os olhos para o Carl, o colega/parceiro baixinho que é visivelmente apaixonado por ela e faz de tudo para agradá-la e chamar a atenção.


Sasha por sua vez está cada vez mais rebelde. Toda adolescente mimada demais pelos pais sempre acaba virando uma Britney Spears nos tempos de colapso. No caso dela, depois de estragar o carro dos pais o castigo foi um cartão de crédito para emergências. Uma tortura sabe. E continuou com ela quebrando as regras da escola, como atrasar às aulas, pegar sol, e, no retorno da Fany, tingir o cabelo. O resultado foi que ela saiu do balé e decidiu virar líder de torcida. Tudo pra chamar a atenção, sem dúvidas.

Já nos relacionamentos, as coisas parecem ir indo bem para Truly, Michelle e Fany.

No caso da Truly, ela acabou se engalfinhando com o Davis, encanador caolho. E quando ela cair na real que nunca foi nada além de amiga do Hubbell para ficar nesse luto eterno por ele, algo pode rolar entre os dois.


Para a Fanny, a coisa é tão velha quanto ela. Conhecemos Michael, um ficante desde que o Hubbell tinha dez anos, tem tempo a coisa. Na época não deu certo deles se casarem, mas hoje, com o Hubbell crescido e morto e a Fanny sozinha o caminho finalmente está livre para os dois morarem juntos e sem despedidas.

E Michelle foi encontrar consolo um pouco longe, nos braços de um diretor de Los Angeles. Não sei se isso vai virar algo definitivo entre os dois, ainda estou esperando o bonitão de Paradise reaparecer. Mas enquanto isso não acontece, que seja ele. O hilário dessa história foi ver ela finalmente saindo do choque e chorando a morte do Hubbell.

Enfim, não acaba por aqui. Tem muito mais coisa vindo por aí, review dos próximos dois episódios depois do pulo. Confesso que desanimei com a série mas depois de rever tudo me deu aquela vontade de voltar a acompanhar, vejo vocês logo. Bye.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário