domingo, 3 de fevereiro de 2013

[Crítica] 666 Park Avenue - 1x10: The Comfort of Death


Nem todos merecem o conforto da morte.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Não podemos negar que os fãs de  666 Park Avenue passam por muitas emoções. Primeiro estávamos felizes, mas então a série foi cancelada, então choramos. Logo em seguida, foi anunciado que os produtores trariam um final amarrado na Series Finale, o que nos fez sorrir novamente. Porém, a última sambada foi mesmo da ABC, que acabou tirando a série de sua grade sem exibir os episódios finais e inéditos. Mas a série acabou sendo comprada por uma emissora em outro país, que está exibindo os últimos episódios. Já podemos comemorar, pois finalmente testemunharemos o que será do Drake.

Provavelmente, o maior gancho da Mid-Season Finale foi o Gavin encontrando com sua filha, que na verdade é uma espécie de consultora na vida do Henry. E ingênuo foi quem pensou que tudo isso era apenas coincidência. Eu só acredito que os motivos para o desaparecimento dela são extremamente fracos. Então podemos prever que não é difícil produzir uma reviravolta a partir daí. Não sabemos quase nada sobre a Sasha. No começo parecia que ela era uma boa pessoa, pois até se matou depois de descobrir que o seu pai, em pessoa, tomava a alma das pessoas. Mas agora as coisas estão um pouco embaçadas.

Como já disse, a desculpa que ela deu para sua mãe foi ridícula. Se ela não gostava do "trabalho" do pai, porque voltou? E tudo isso se torna ainda mais fraco no final do episódio, quando vemos que ela maçã não caiu longe da árvore. Ficou claro que a sua intenção não é cair de amores pela sua mãe, Olivia. Sasha é quenga ambiciosa e parece querer levar o trabalho quente do pai a outros níveis. Bem inaceitável para a garota que não aceitava a maldade nele, não é verdade? Enfim, a questão é que a Sasha conseguiu convencer o Henry a aceitar o cargo. Ele estava ponto de desistir, mas, graças as suas palavras certas, ele continuou dançando a dança do bonequinho do capeta na mão do Gavin. O inferno comemora!

Outra pessoa que está doida para cortar as cordinhas com o chifrudo é a Alexis. Não é a primeira vez que ela vai conversar com o Gavin para ter pena de sua alma e é repreendida, porém, dessa vez ela teve um aviso bem mais... convincente. Soubemos sobre o seu pacto. Ela era aleijada depois de ter sido atropelada por um motorista desconhecido. Eu só não poderia imaginar que este motorista era justamente a Louise. Achei essa ligação perfeita! Alexis já estava pegando o marido dela sem saber, agora imaginem o que ela fará depois dessa revelação. Espero que venha toda montada na arte da vingança para cima da lesada da Louise.

E por trás de todos esses acontecimentos, temos a Jane e o Detetive Cooper investigando os mistérios do Drake. Depois de receber um sinal já conhecido em um espelho, Cooper dá a sugestão de ir até a casa de um dos membros da Ordem da Fênix do Dragão. O importante é que ela achou um velho todo decrépito. Ele deu algumas informações completamente duvidosas, mas ela as seguiu com obediência. Isso me leva a questionar a posição do Detetive nisso tudo. Recuso-me a acreditar que ele esteja fazendo tudo por amor à Jane. Assim como o caso da Sasha, também espero alguma reviravolta em torno dele.

E o final não poderia ter nos deixado com a boca mais aberta. Depois que a Jane tirou uma alma dentro do espelho - liberando com ela uma gosma preta -, o velho decrépito acordou e começou a retirar suas peles flácidas. Resultados? Desceu as escadas jovem e renovado, como se tivesse acabado de passar Renew Reborn Evil, a nova sensação dos cosméticos. Ficaram chocados? Eu também. Enfim, a série continua com muitos mistérios e eu espero algumas respostas em breve. Está acabando e só o Gavin sabe quando teremos o próximo episódio legendado, então até lá.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário