domingo, 20 de janeiro de 2013

[Crítica] A Face da Morte


Direção: Michael J. Gallagher
Ano: 2012
País: EUA
Duração: 90 minutos
Título Original: Smiley

» Será distribuído pela Flash Star Filmes, direto em DVD, com o título A Face da Morte. Sabe, é até covardia falar sobre o título clichê que esse filme recebeu. Alguém esperava alguma coisa diferente? Eu não! E, sinceramente, o filme em si não merecia muita inspiração. Não faço ideia como as distribuidoras continuam trazendo essas bombas para o território nacional, deixando de fora alguns dos melhores, como Black Sheep.

Crítica:

O mal veste um sorriso.

Em muitas das minhas críticas eu já expliquei que fico muito triste quando um filme com potencial acaba se transformando em uma grande bomba. Em outras, eu simplesmente mostrei que sou um guerreiro e assistia a produções que eu já sabia que seriam péssimas, apenas para confirmar meus instintos. Então uma produção que mistura esses dois sentimentos não poderia ser nada boa, não é verdade? Sim, infelizmente é verdade. Sei que o confronto dessas duas ideias pode parecer contraditório, mas tudo será devidamente explicado mais abaixo. Porém, vamos saber do que o filme se trata primeiro.

A história gira em torno de uma estudante, Ashley, que passa a morar em um novo lugar para superar a morte de sua mãe. Depois de conhecer alguns outros jovens em uma festa, ela descobre uma lenda urbana sobre um assassino chamado "Smiley", que aparece na web e mata uma pessoa depois que alguém digita uma frase três vezes em um chat online. Querendo testar essa possibilidade, ela e sua colega de quarto, Proxy, fazem o ritual e os resultados acabam sendo mortais. Agora, Ashley se sente perseguida pelo serial killer e teme que ele também mate quem o chama. Com os amigos e policiais achando que ela está perdendo sua sanidade, ela terá que enfrentar um mal que nem ao menos sabe se é real.

O enredo em si não me agradou nem um pouco. O filme é tratado como slasher, mas parece ter mais potencial para suspense psicológico. O trailer me deu menos motivos ainda para assistir a esta produção, mas havia uma coisa que eu gostava bastante. Não parece ser muito difícil adivinhar que a caracterização do assassino é a melhor parte de toda essa proposta. E, infelizmente, os pontos positivos do filme se resumem apenas a máscara criativa do vilão, pois nada mais justifica gastar mais de uma hora assistindo este filme, que concorre fortemente para os piores do ano.

O começo até que me deu uma pequena esperança que eu pudesse me divertir. Apesar de nada extraordinária, a abordagem usada é interessante, mas logo isso não é o suficiente para preencher os longos e maçantes minutos de diálogos filosóficos sem sentido e uma atuação fraca dos personagens quando estão sob tensão. Eu até entendo isso dos outros personagens, mas qual é a explicação da protagonista? Os seus melhores momentos são quando está sorrindo, o que não é um bom sinal em um filme de terror. Além disso, os personagens são completamente estranhos, agindo como doentes mentais.

Aliás, é justamente esse comportamento incomum que chama atenção para a reviravolta final, que é completamente manjada. Ao invés do roteiro tentar encobrir o que vai acontecer para chocar o espectador, ele tira qualquer chance de surpresa. Se vocês preparem atenção na história, irão imaginar todo o terceiro ato sem grandes dificuldades. E, devo dizer, a reviravolta ficou bem melhor executada na minha cabeça. Porém, quem tiver dormido em todo o desenvolvimento (o que eu não culpo) pode se surpreender com o final. Sinceramente, eu confesso que tinha esperanças que o terceiro ato pudesse dar um pingo sequer de dignidade à produção, mas fiquei com a cara na poeira mesmo.

E é melhor não esperarem nada de bom deste filme. Não temos mortes e quase nenhuma perseguição (e quando há alguma, é completamente sem graça), o que já tira mais da metade da graça de qualquer filme de terror. E considerando que a história não é nada brilhante, eu diria que não há motivo algum para alguém assistir. E para vocês terem uma ideia, até mesmo a caracterização do assassino é diferente quando assistimos ao filme em si. Na maior parte do tempo, a máscara é diferente e escuro. Ou seja, corram para as colinas, porque, graças a este filme, eu nunca mais sorrirei outra vez.



Trailer:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
2 Comentários

Comentário(s)

2 comentários:

  1. Meu Deus que conhecidencia porque eu fui assistir este filme masantes eu vim ver se tinha a critica dele aqui e quando eu acabo de assistir e venho ver o blog está a critica uau

    Mas enfim eu descordo um pouco com sua critica porque eu me divertir vendo ele e eu gostei da atuação da protagonista' mas uma coisa que eu tenho que concordar é que o terceiro ato foi o fi dos tempos, que nem vocé eu imaginei ele e eu echo que ficou mais legal

    Mas ainda falando em sua critica eu echo que ele não merecia ficar nos piores do ano e sim nas decepções

    ResponderExcluir
  2. Estou assistindo ao filme agora e, sim, é exatamente isso. É tão massante que ler uma crítica sobre ele me parece mais interessante do que assisti-lo.

    ResponderExcluir