quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

[Crítica] Arrow - 1x11: Trust But Verify

Confiar desconfiando. 

REVIEW:
(Spoilers Abaixo)

E decidi começar 2013 todo trabalhado na eficiência mesmo, como os chefes estão cada vez mais exigentes, reclamões e preguiçosos - não tem como não amar, né? - sobra pra mim ficar salvando as séries de irem parar na sessão de canceladas (que anda crescendo absurdamente de uns tempos pra cá). Por isso como bom funcionário que sou, aceitei Arrow do Chefferson, afinal, sendo fã de quadrinhos, não poderia deixar Oliver Queen cair no limbo alternativo antes de terminar sua vingança, que está fazendo até Emily Thorne queria pedir umas aulas de arco e flecha. Apenas esperando esse crossover, aliás.

Confesso que de uns tempos pra cá, a série anda meio perdida, está faltando algumas coisas e é impossível não notar e lógico que a culpa maior é do procedural. Está faltando uma trama contínua que nos prenda, está faltando destaque nos personagens certos, os roteiristas precisam deixar a série mais semelhante com as HQ's e menos parecida com um episódio de Criminal MindsEssa semana, o episódio girou entorno da confiança e desconfiança entre os personagens, e claro que em uma cidade onde cada um está envolvido com seus próprios segredos, o episódio não deixou escapar ninguém.

Comecemos então por Thea, agora, me falem, existe alguém que suporta essa personagem? Nem quando ela tem a chance de fazer algo certo, ela consegue.  Numa tentativa de se tornar a nova Veronica Mars, a personagem segue a mãe e descobre que ela anda se encontrando com o Malcom/Arqueiro Negro, ao invés de tentar ouvir a conversa, ela pressupõe que os dois estão tendo um caso, sem sequer ver um beijo. Essa coisa de adolescente revoltada que usa drogas não me desce, e só faz ela se tornar mais dispensável pra trama.

E o mais irritante na Thea, é que ela toma uma vaga de personagem regular que podia muito bem ser preenchida pela Felicity, que é uma personagem que eu adoro. Divertida, bonita e inteligente, já estou vendo a hora que ela vai descobrir a verdade, sambar na cara da sociedade e entrar pra equipe do Arqueiro Verde, e segundo o que eu ando lendo, só faltam três episódios pra isso acontecer. 

A relação do Diggles e do Oliver fica cada vez mais forte, e esse episódio só serviu pra aumentar a confiança entre os dois. O Diggles é o que impede o Oliver se descontrolar, é ele que fala "Vai com calma" quando tem que falar, ele quem encoraja quando o Oliver precisa ser encorajado e acho que isso torna o personagem essencial pro herói atualmente. Mas confesso que com um tempo, o Oliver não vai mais precisar desses conselhos e estou apostando na morte do Diggles até o final da temporada, ouvi dizer que o Ricardito (o ajudante do Arqueiro nos quadrinhos) vai entrar na série, e acho que não cabe dois ajudantes diferentes. Sem falar, que ele atualmente é o único personagem que pode morrer e causar algum impacto.

Em paralelo a isso, Malcom continua se mostrando um mal caráter de marca maior e tornando o personagem dele cada vez desprezível, adorei a Laurel enfrentando ele, ao contrário do Tommy, a personagem tem atitude. Sinceramente, tenho achado o Tommy a cada dia mais chato, ele poderia começar a namorar a Thea e viajar com ela pra Austrália. Seria um excelente final por dois personagens.

E agora estou torcendo pra que algo aconteça pra dar uma sacudida nos alicerces da trama, porque ficar nessa mesmice já não dá. Os próximos episódios estão prometendo, vamos ver se eles vão cumprir.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário