sábado, 29 de dezembro de 2012

[Crítica] Don't Trust the B---- in Apartment 23 - 2x05/06: Whatever It Takes.../Bar Lies...

 
My name is Sam nem é tão ruim assim, né gente?

Review:
(Spoilers Abaixo)

Atrasos, atrasos e mais atrasos. Eu sei. Neff está fazendo das tripas coração pra reverter essa situação, e aqui estou eu, retribuindo o favor que ele me fez lá no começo da Fall Season. Irei assumir as ultimas críticas da Bitch 23 enquanto ele tenta se desenrolar e colocar as outras críticas em dia, mas não se preocupe, Team Neff, em Janeiro ele vai voltar pra assumir seu lugar. A não ser que ele me diga o bom trabalho que fiz resenhando a série e queira dar ela pra mim, porque irmãos realmente nasceram pra ser folgados.

Mas enfim, o importante é que vocês vão continuar vendo a vadia do apartamento 23 por mais algum tempo aqui no Blog, pelo menos até que ela seja ceifada pela sua emissora. O que, como todos sabem, pode acontecer a qualquer momento devido aos índices baixos de audiência. Talvez na CW a série tivesse uma longa vida, mas na ABC, é difícil uma série sobreviver quando não consegue alcançar nem 1.0 na demo toda semana. Então vamos aproveitar enquanto podemos, e torcer para que eu não seja nenhum profeta do senhor.

Mas agora vamos aos episódios. Em Whatever It Takes, Chloe decidiu incentivar June a correr atrás de seus sonhos indo à uma boate, mas as coisas não saíram como esperado, e June mais uma vez voltou a estaca zero. Pra compensar o fracasso da amiga, Chloe pediu ao novo affair que arrumasse um emprego para ela na empresa de seu pai, sem saber que ele era um doente mental e que só lhe atraia devido a quantidade enorme de bebida que ingeriu naquela noite. Assim, June começou a travar uma batalha contra a sobriedade de Chloe, que duraria apenas até seu contrato ser assinado e um provável coração partido pro filhinho do seu chefe não lhe deixasse imediatamente no olho da rua.
Foi uma trama bem divertida de se acompanhar, mas não pude deixar de perceber o quanto essa temporada é inferior a primeira. Há momentos em que preciso pausar o video pra poder gargalhar a vontade, mas às vezes nada do que estou vendo consegue me divertir, além do roteiro improvável deixar a trama um pouco cansativa. Foi mais ou menos como vi este episódio. Ele Teve seus momentos de pura diversão, mas qualquer outro episódio da primeira temporada – com exceção da fraca season finale – consegue superá-lo bem fácil.

Uma das coisas que contribuiu bastante pra isso foi o final do plot das protagonistas. Além de ser escasso nas piadas, ele ainda termina com June abrindo mão do emprego dos seus sonhos só porque o novo affair doente mental da Chloe tinha uma esposa e um filho. Ta certo que integridade é uma coisa que devemos prezar, mas calma aí, todos eles estavam felizes. June, seu chefe, o affair, a família dele, e até mesmo Chloe, que descobriu quem estava namorando e vestiu seu óculos de dinheiro pra se prestar a esse “sacrifício”. Não achei necessário a June ter desistido do emprego, mas por outro lado, ganhar um desfecho tão simples pra um plot importante também não me parecia ser uma boa ideia.

Dentre os acontecimentos memoráveis, destaco a grande entrada do grupo na boate, em câmera lenta e com a trilha sonora perfeita pra causar impacto. Foi uma das cenas épicas da temporada, tão boa quanto aquela da premiere em que o barquinho de Dawson’s Creek explode e os protagonistas caminham em câmera lenta. Também devo dar destaque ao James, que decidiu participar do Dancing With the Stars, mas ganhou a pior acompanhante de todos os tempos. Ele ficou meio apagado nesse comecinho de temporada, então, um novo plot será sempre muito bem-vindo.
E se eu já achei as coisas meio paradas neste episódio, o que falar sobre o 2x06, onde quase nada acontece? Ele focou nas mentiras que Chloe e todas as outras bitches que frequentam bares costumam dizer, mas não explorou muito bem esse tema. Logo o humor ácido e as cenas engraçadas se transformaram numa luta de June para tentar fazer o certo, quando descobriu que Chloe alugava o apartamento do James à estranhos toda vez que ele saia da cidade por alguns dias.

Depois disso, a trama ficou um pouco cansativa, e quase não sobrou piadas pro episódio se manter até o final. O único destaque com certeza foi o James, que pagou um king Kong em rede nacional depois de tomar o chazinho de drogas de sua nova BFF AKA Mãe da June. Foi uma pena vê-lo fracassar logo depois de ter dado um SHOW naquela pista de dança, mas ninguém pode dizer que não foi engraçado. Até pensei que o Luther também apareceria na pista e compartilhasse ao lado de seu empregador aquele vexame monstruoso, mas o personagem parece mesmo estar perdendo seu brilho, assim como aquela vizinha da Chloe também perdeu.

No final, ainda tivemos um depoimento do James fazendo uma auto paródia ao que acabamos de assistir no episódio. O que prova o grande senso de humor que o ator apresenta, já que interpretar a si mesmo sendo uma celebridade fútil e superficial não seria agradável pra muitos atores. Bem, espero que as coisas melhorem daqui pra frente e que a audiência também consiga se elevar, porque eu ainda não estou pronto para dizer adeus à vadia que mora no apartamento 23. Eu sou Team Chloe Forever, e vocês?


Apenas Trêbada. Se a sua vida ñ eh boua ñ tente apagar a minha~
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário