segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

[Crítica] A Aparição

Direção: Todd Lincoln
Ano: 2012
País: EUA
Duração: 82 minutos
Título Original: The Apparition

Crítica:

Se você acreditar, você morre.

Para aqueles que perderam o drama, este filme deveria ter sido lançado nos cinemas nacionais perto do Halloween. Mas depois de arrecadar uma miséria no primeiro final de semana de estreia nos EUA, o lançamento nas telonas por aqui foi cancelado pela Warner Bros. Na época eu fiquei chateado, porque queria muito assisti-lo. E apesar de ter me decepcionado com o resultado final, o fracasso comercial não se deve a qualidade duvidosa, mas sim, ao fraco marketing da distribuidora, que não deu a menor atenção a este filme, liberando apenas um pôster e um trailer. Então, apesar da história e dos personagens atenderem ao gosto dos jovens, A Aparição não conseguiu arrecadar nem 5 milhões.

A história gira em torno de um casal, Kelly e Ben, que se muda para uma nova casa, em um novo condomínio, como uma espécie de experiência, já que o dono do local é pai de Kelly. A felicidade do casal é interrompida quando coisas estranhas passam a acontecer nos cômodos, principalmente a noite. Não demora muito para Ben perceber que está lidando com uma entidade que ele mesmo criou em uma busca paranormal no passado, que se espalha de uma pessoa a outra, sendo transmitida pelo medo. Agora, ele e Kelly terão que entrar em contato com os sobreviventes da experiência para dar o fim nas assombrações, antes que elas os matem.

Filmes sobre assombrações são lançados aos montes todos os anos, assim como a temática "se acreditar, morre", que também não é novidade para ninguém. Mas o trailer revelava alguns detalhes interessantes, que, se bem aproveitados, poderiam render uma história digna, que abordasse uma situação conhecida por outro ângulo. Misturar ciência e espiritualidade é uma ideia curiosa, que poderia ser a chave para tirar o roteiro do lugar comum. Infelizmente, ficou apenas na promessa. Não há nada científico neste filme, apenas a tentativa inicial de criar uma entidade, que poderia ser muito mais explorada, ao invés das cenas clichês de assombrações.

Não há uma tentativa de se fazer algo novo e muito menos assustador. A direção não conseguiu me deixar tenso em momento algum e a maioria das cenas vinha acompanhada de um certo déjà vu. Mas o cúmulo do absurdo mesmo foi quando uma espécie de Kayako (do filme O Grito) apareceu para assustar a mocinha, com a mesma caracterização e movimentos. Além disso, este é o único momento onde temos a oportunidade de ver a entidade, pois ela não aparece mais, sob qualquer forma. O roteiro não explica nada sobre a origem desse mal e muito menos porque passou a ir atrás do Ben, que não fazia mais parte dos experimentos. A falta de explicações é realmente irritante.

Se há algum ponto positivo, são as cenas onde vemos a assombração "contaminando" a casa, como se fosse uma praga viva crescendo e apodrecendo tudo ao seu redor, como o chão e as paredes. Porém, eu esperava que isso também fosse melhor desenvolvido, mas é completamente descartado. E se a trama estava apenas aceitável na primeira metade, confesso que ela se perde completamente com a chegada do personagem nerd, Patrick, que deveria ajudar a acabar com as assombrações. Além dele não responder a pergunta alguma, também não consegue controlar a entidade. Em resumo, a sua participação é medíocre e o filme sem ele seria a mesma coisa.

Mas se vocês estão pensando que os dois primeiros atos não foram ruins o suficiente, vocês não perdem por esperar. O terceiro ato, o final, que deveria ser o mais frenético de todos, trazendo algumas explicações também, é mais inútil que todo o resto do filme. Os personagens tentam ir para um lugar seguro, mas de nada adianta. E nós nem podemos saber por quê. Apenas ficamos calados e testemunhamos o desfecho ridículo do filme, que não poderia ser pior. A última cena é de dar raiva em qualquer um, ainda mais porque eu estava esperando algum tipo de reviravolta. Enfim, cara na poeira. Passem longe deste filme.

PS. Curiosamente, a ideia central do filme, sobre o experimento de criar uma entidade com o poder da mente, é real. Foi feito em 1970 e chamado de The Philip Experiment (clique AQUI para assistir).


Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
5 Comentários

Comentário(s)

5 comentários:

  1. vanessa vasconcelos reznor3 de dezembro de 2012 22:35

    se até vc que aguenta ver todos os filmes fracos da temporada está falando mal desse filme então deve ser uma desgraça mesmo em mano? porra......

    ResponderExcluir
  2. Mesmo esse indo mal a Ashley Greene gostou tanto de fazer um filme de terror que já vai ser a protagonista de outro, Satanic.

    ResponderExcluir
  3. Não sei como esses estudios ainda fazem filme de fantasmas, espero que o novo Massacre da Serra Elétrica traga de volta os slashers.

    ResponderExcluir
  4. Que pena,pelo trailer parecia ser um ótimo filme =/

    ResponderExcluir
  5. Afffzz... Realmente fikei com kra na poeira, pena essa crítica ter saido somente depois que eu assisti o filme!
    Me deu foi sono.. pior filme de terror do ano!

    ResponderExcluir