segunda-feira, 12 de novembro de 2012

[Crítica] Revolution - 1x07: The Children's Crusade

Ser quenga ou não ser quenga? Eis o dilema.

Review:
(Spoilers Abaixo)


Agora sim, aproveitando que estou trabalhado na eficiência, vamos ao o sétimo episódio que foi excelente feat perfeito. Parece que trocam os roteiristas de um episódio pra outro porque só isso explica os altos e baixos. Um episódio ruim e outro bom desse jeito. E ainda tivemos muita explicação, tipo ~hand movement~ muita mesmo.

Pra começar, uma das minha sagas de livros favoritas, AMANHÃ, conta a história de um  grupo de adolescentes que passa a viver, praticamente sozinhos, num país em meio a uma guerra e devastado por ela. Quando vi a trama das crianças na série, logo associei com o livro. Já sabia que ia adorar, principalmente porque acho que o enredo crianças e adolescentes vivendo sozinhos em um mundo pós-apocalíptico uma trama tão verossimilhante. 

Agora, não sou desses que está gostando da mudança gradual do Miles, achava o personagem melhor antes com toda a atitude badass, agora ele está ficando chatinho. Mas mesmo assim os diálogos dele são os melhores. Não sei se gosto dessa postura "tenho que fazer a Redimida" que ele está assumindo. Quem nunca errou que atire a primeira pedra. Ok. Nenhum de nós causou a morte de várias pessoas, mas mesmo assim erramos, certo?

Charlie está começando a virar f-o-d-a (sim, ainda falo lentamente, estou ousado), todas as cenas dela foram ótimas. Quando o episódio começou com ela sendo "marcada" pela milícia, que quer fazer cosplay de Lorde Voldemort, eu já fiquei tenso, me perguntando como aquilo aconteceria. E me surpreendi quando no final, eu gostei de tudo que tinha acontecido. E olha que eu nem gosto do clichê: começar o episódio do clímax e voltar no tempo.


Em paralelo a isso, Rachel vem nos trazendo informações importantíssimas sobre essa loucura toda. Parece que tudo começou com Ben e sua trupe equipe estava trabalhando em um dispositivo de energia limpa, só que ao invés de gear energia, o negócio "desligava" toda a energia do ambiente. Afinal esse é um erro muito comum, quem nunca confundiu na hora de ligar/desligar o interruptor? Foi o que eu pensei.

E como sempre tem que ter alguém pra fazer o pior com a descoberta alheia, o Ministro do Departamento de Defesa/Randall já se mostrou um recalcado de marca maior...A-D-O-R-E-I. A série estava precisando de um vilão de verdade, porque me desculpem mas até Dr.Abobrinha é melhor que Monroe (zzZZZZZzzzzZZzz). Agora, parece que o enredo finalmente começou a conspirar (saudades trocadilhos bons) a nosso favor.

Rachel divou demais nesse episódio, fiquei até com pena dela, mas a personagem fica me lembrando a Kara de Revenge, e bom, não consigo confiar nela e todo esse seu drama de "estou entregando meus amigos pros coiotes", tudo culpa claro da busca pelas 12 esferas do dragão/horcruxes fontes de energia, vulgo Pingendrives. Pra fechar, aquele gordo filha da puta, com o perdão da palavra, finalmente contou do Medalhão Eletrônico - amo dar apelidos pra esse negócio - pra Charlie e Miles, isso porque ele quase reascendeu o mundo sem avisar ninguém.

A série continua nessa de brincar com meus sentimentos, vamos ver se agora empolga de vez....Mas conhecendo J.J.Abrams? Estabilidade* é um luxo que não vamos ter.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
3 Comentários

Comentário(s)

3 comentários:

  1. Já quase desisti de vêr essa série uma vez, porém até hoje vejo.. Vamos esperar pra vêr, visto que a única série que vi do J.J foi LOST. Essa é o tipo de série que eu vejo e quando acaba não fico ansioso pra vêr o próximo episódio.. eu meio que apenas vejo, ao contrário de The walking dead.

    ResponderExcluir