segunda-feira, 12 de novembro de 2012

[Crítica] Revolution 1x06: Sex And Drugs

Alguém avisa que um zumbi de The Walking Dead fugiu e foi pra outra série.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Antes de começar queria pedir desculpa pelos atrasos essa semana, mas realmente estou trabalhado na correria nesse final de ano. Quem está no ensino médio, sabe o que é ter que correr atrás de tudo que foi empurrando com a barriga ao longo do ano. Mas a verdade é que não era pra mim ter atrasado com essas reviews, acontece que o sexto episódio de Revolution que eu baixei veio duas vezes corrompido, quando eu vi já tinha atolado com o sétimo. Então já viram, aliás, isso sempre acontece comigo, Hunted e New Girl vieram corrompidos também essas últimas semanas. Só pode ser Deus me bullyingnando por não acreditar nele, e não, o pior que não é desculpa esfarrapada. Afinal, se fosse pra dar desculpa clichê, eu falava que o cachorro comeu minha crítica. 

Inicialmente eu pretendia fazer uma crítica dupla, mas eu mesmo não gosto, eu já falo demais com um episódio só, imaginem com dois. Entretanto depois que vi os dois episódios (que não estavam corrompidos, aleluia!) ontem de noite/hoje de madrugada percebi que não ia dar pra fazer, porque o sexto episódio foi pior que o clipe de 10 horas de Lana Del Sono Rey, mas o sétimo superou todas as expectativas e mereceu uma review única e individual.


- Apenas observando seus atrasos...

Tudo começa quando o quinto episódio tinha sido excelente, logo estava esperando alguma coisa, no minimo, decente. Mas aí os roteiristas vão e cagam, mas cagam muito, focando o episódio em Aaron. O personagem tinha me agradado inicialmente, mas depois que ele decidiu manter segredo sobre o Pingente-Elétrico, comecei a nutrir certo ódio e recalque pelo personagem.

Mas o problema não foi nem tanto Aaron, gostei das atitudes dele e da elaboração do personagem e sua covardia ao longo do personagem. O problema é que os roteiristas fizeram uma coisa totalmente sem graça. Um traficante que tinha problemas com uma família de policiais? Sem falar as atitudes estranhas e desnecessárias do personagem. Ao invés de pedir pra Miles, ele queria que fosse Charlie quem deveria matar o tal patriarca da família. Tudo porque queria se vingar de Miles que tinha feito alguma coisa contra ele, sinceramente não entendi direito essa trama. 

Em paralelo a isso vemos o reencontro super emocionante, só que não, entre Danny  e Rachel. Palmas lentar pra falta de emoção nos diálogos, o atores até tentavam fazer alguma coisa, mas se os roteiristas não ajudam, complica. Agora, como faz pra entender Rachel? A personagem ora parece boa, ora parece uma quenga. As atitudes dela acabam sendo todas duvidosas.

No mais esse episódio só acrescentou na evolução do Aaron, que acaba nítida no próxima episódio. Outra que mostrou está crescendo foi Charlie que está cada vez mais madura e rebelde. Estou adorando, parece até outra personagem. O resto dos personagens, bom, serviram pra nada. Por causa dessa falta de conexão com a trama principal, dei nota 3 pro episódio no Banco de Séries - quem quiser é só me adicionar lá, assim vocês ficam antenados no que eu já vi ou deixei de ver. 

Nos vemos daqui a pouco na crítica do sétimo, e um recadinho pra vocês que aguentam meus atrasos:


#Homossexualizei
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário