sexta-feira, 23 de novembro de 2012

[Crítica] The Bay


Direção: Barry Levinson
Ano: 2012
País: EUA
Duração: 84 minutos
Título Original: The Bay

Crítica:

O pânico se alimenta de medo.

Logo quando eu penso que as produções em primeira pessoa não podem apresentar mais nada de novo, algum filme interessante do gênero acaba surgindo. Isso é a prova viva de que não existe desgaste. Existem apenas diretores de mente pequena que não querem pensar em algo inovador, pois estão muito a vontade em sua zona de conforto. Assisti The Bay esta semana e realmente adorei o filme. Todo o plot e a forma como a trama foi conduzida é interessante e criativa. Então, vocês, queridos leitores, que desistiram de assistir filmes em primeira pessoa, é melhor reconsiderarem, porque The Bay está chegando.

A história é uma espécie de documentário, com o objetivo de expor a "verdade", com filmagens aleatórias de diversas pessoas em uma cidade pequena no feriado de 4 de Julho. Nos vídeos, acompanhamos o desespero de uma comunidade que é contaminada por um parasita superdesenvolvido e passa a apresentar erupções na pele. Conforme os casos da doença vão aumentando, os corpos vão se espalhando por toda a cidade, na mesma medida em que os médicos tentam descobrir com o que estão lidando. Em paralelo a tudo isso, acompanhamos uma repórter que terá um momento difícil em sua carreira e uma família que está chegando a cidade, justamente em seu pior dia.

Se vocês pensam que as câmeras caseiras só servem para capturar imagens de espíritos e conspirações demoníacas, vocês estão muito enganados. Uma das coisas mais interessantes atualmente, é que parece ser impossível controlar um monstro que se chama "Internet". Hoje em dia, todos têm acesso a internet e vídeos podem ser gravados pelo celular e postados na rede em questão de minutos. Uma vez compartilhado com milhões de pessoas, a repercussão pode chegar a níveis mundiais em questão de horas. E é justamente com essa facilidade de se registrar algo que o roteiro se apoia. Aqui não temos aquela câmera fixa na mão de alguém o filme inteiro. Acompanhamos diversas histórias simultaneamente.

Além de câmeras de mão, temos skype, celulares, câmeras de ruas e até mesmo de carros de polícia. Toda essa tecnologia nos ajuda a acompanhar os acontecimentos do filme, que tem a oportunidade de fazer os seus personagens desligarem suas câmeras, mas não deixamos de acompanhá-los. Essa ideia não é completamente original, porque já vimos algo parecido em The Tunnel, mas ainda sim, é uma forma criativa de jogar fora os clichês dos filmes em primeira pessoa. Gostei muito da edição do filme, onde não acompanhamos a história dos personagens de forma linear. O roteiro segura informações, fazendo as revelações no tempo certo, assim como a expectativa em torno da vida de algumas pessoas na película.

Acima de tudo, este filme serve para nos conscientizar. Além de ficarmos chocados com as fortes imagens, somos obrigados a refletir que os próprios seres humanos selaram o seu destino, poluindo o meio ambiente, e colhendo o que plantaram. Uma curiosidade interessante, é que os parasitas retratados no filme realmente existem na vida real. Adeus água salgada, nunca mais irei à praia. Brincadeiras a parte, gostei muito do problema criado pelo roteiro, assim como os seus motivos. Atualmente, as chances de uma catástrofe ambiental ocorrer são grandes, então cabe a cada um fazer algo para melhor essa situação.

É claro que eu recomendo este filme (que ainda se encontra sem legenda). Temos aqui uma abordagem interessante, com uma edição diferente e um contexto real. Não podemos esquecer também que o filme é recheado de cenas nojentas envolvendo os parasitas e suas vítimas mutiladas. Enfim, o filme é tenso demais, com muito gore e bons efeitos visuais. Creio que possa ser recomendado até aquelas pessoas que não gostam de filmes em primeira pessoa, porque irão se surpreender com este aqui. Bem, cada um com a sua consciência e eu espero que todos assistam, porque foi um dos melhores que eu assisti este ano. Aviso final? A mãe natureza não esquece. Ela não perdoa.


Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
2 Comentários

Comentário(s)

2 comentários:

  1. vanessa vasconcelos reznor23 de novembro de 2012 23:53

    mais um que eu estou doida pra assistir,e depois da sua crítica fiquei mais maluca ainda,vou caçar na net pra ver.

    ResponderExcluir
  2. Nefferson visitei seu facebook, você tem uma amiga que mora perto da minha casa, quase todo dia que vou pra escola de manha vejo ela no onibus. o nome dela é Barbara Rosa. Ela mora em Magé

    ResponderExcluir