domingo, 14 de outubro de 2012

[Crítica] Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros



Direção: Timur Bekmambetov
Ano: 2012
País: EUA
Duração: 105 minutos
Título original: Abraham Lincoln: Vampire Hunter

Crítica:

Presidente de dia, caçador de noite.

Para aqueles que não sabem, este filme é baseado em um livro, de mesmo nome, escrito por Seth Grahame-Smith, que também tem no currículo outra produção curiosa, chamada Orgulho e Preconceito e Zumbis. Ambas as obras têm em comum o fato de pegarem duas histórias conhecidas - clássicos - e introduzir criaturas sobrenaturais nelas, sem mudar o "esqueleto" principal da história. Ainda não tive oportunidade de ler os livros, apesar de já ter sido alertado que o que baseou este filme não é muito divertido para quem não é familiarizado com a política dos EUA, mas tenho vontade de ler a obra onde foram introduzidos os zumbis, que estão com força total nos últimos anos.

A história deste filme segue a vida de Abraham Lincoln desde o começo, quando ainda era criança. Depois de se revoltar contra as pessoas erradas, sua mãe acaba sendo assassinada por um vampiro. Com o passar dos anos e sem esquecer do assunto, ele finalmente decide vingar a morte de sua progenitora e descobre, da pior forma, que o seu assassino é um vampiro. Contando com a sorte e o aliado certo, Lincoln é treinado para se tornar um caçador de vampiros, para finalmente dar um propósito em sua vida e um rumo em sua vingança. Agora, com um machado, ele irá distribuir justiça contra as criaturas da noite, a medida que vai se envolvendo com uma bela jovem, que pode representar a fraqueza do vingador ou a força que ele precisa para continuar.

Decidi ignorar todos os comentários negativos antes de assistir este filme, mas não pude deixar de me decepcionar, já que a produção entregou um resultado muito aquém do esperado. Não estou dizendo sobre o fato da história apresentar um presidente caçador de vampiros, muito pelo contrário. Esta peculiaridade do roteiro foi o que mais me atraiu a conferi-lo. Realmente adoro essas propostas criativas e apesar de não estar totalmente familiarizado com a história do Lincoln, sinto orgulho em dizer que sabia pelo menos o básico, envolvendo sua vitória surpreendente na Guerra de Secessão.

O ruim deste detalhe que se apresenta tão fascinante, é que também não há como sermos surpreendidos. Abraham Lincoln ganha a guerra, disso todos sabemos, então não há surpresa no filme. Eles podem distorcer os fatos o quanto quiserem, mas no final, tudo deve terminar exatamente o mesmo. Apesar disso, o roteiro conseguiu encaixar os vampiros de uma forma inteligente, relacionando-os com o assunto principal da guerra, a Escravidão. Mas a segunda metade apresenta uma óbvia frustração por ter que ser fiel a história, por este motivo, temos diversas quebras de tensão, que deveriam ser crescentes. A passagem de tempo é realmente broxante, mas foi necessária para o decorrer da história.

Quanto aos detalhes técnicos da produção, reconheço que esperava algo mais sombrio por parte da fotografia. Tivemos diversas cenas de dia e esperava algo mais gótico e escuro. Neste filme, os vampiros podem andar tranquilamente sob a luz do sol, afinal, o roteiro teve que jogar fora este "mal", para se encaixar nas grandes batalhas que aconteciam em pleno dia. Mas não estou dizendo que a fotografia não seja boa. Temos algumas tomadas belíssimas, como a empolgante cena da luta em meio a cavalos selvagens. Foi um dos melhores momentos do filme, cheio de câmeras lentas e sequências de ação tensas, sem contar o maravilhoso pôr do sol, que enchia a tela com o tom alaranjado.

A última batalha antes de Abraham Lincoln ficar velho foi sem graça e faltou muito mais para ela poder empolgar. Pelo menos a luta final do longa compensa o tempo perdido com a política e nos apresenta mais um momento de tirar o fôlego. Dentre outras considerações, esperava mais sangue e mortes violentas. Pouquíssimos personagens humanos morrem (se desconsiderarmos todos aqueles nos campos de batalha, é claro), e os que partem para a melhor, não são mostrados para o público. Enfim, eu esperava bem mais e me decepcionar. Apesar de não ser um filme ruim, poderia ter sido muito melhor. Serve para aqueles que querem se divertir com algumas cenas mirabolantes, mas certamente não será um dos seus preferidos.


Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
2 Comentários

Comentário(s)

2 comentários:

  1. vou assistir, gostei da crítica, bom, vou ver o que acho.

    ResponderExcluir
  2. vanessa vasconcelos reznor14 de outubro de 2012 22:56

    rapaz,assisti esse filme ontem sem esperar nada,e me surpreendi,everybody meteu o pau nele,nem sei porque,tá bom,o filme foi meio trash,mas é divertido,e gostei do casalzinho,o ator principal é uma graça e a mary eu adoro desde premonição 3.

    ResponderExcluir