quinta-feira, 25 de outubro de 2012

[Crítica] 247ºF

Direção: Levan Bakhia e Beqa Jguburia
Ano: 2011
País: Georgia
Duração: 90 Minutos

Crítica:

Every degree matters.

Jovens descolados indo passar um fim de semana numa cabana afastada da cidade para beber, fazer sexo e depois serem mortos um a um. Provavelmente você já ouviu algo parecido, e assim como o resto da humanidade, está cansado da reciclagem que é feita com os filmes de terror. São centenas de produções com o mesmo tema, mas com uma única finalidade: Mostrar sexo e sangue de maneira demasiada visando no lucro. Se falta originalidade, poderemos sempre optar pelos remakes. Mas, para aqueles que ainda acham que um gênero tão desgastado ainda pode dar frutos, só lhes resta confiar na própria ousadia para contar a mesma história sem deixar a desejar.

Foi exatamente o que tentaram fazer com 247ºF. Só que dessa vez, ao invés de um lunático com uma serra elétrica ou um ser deformado com uma máscara de hóquei, o assassino é nada mais, nada menos, que uma sauna. Aposto que vocês não esperavam por essa. Bom, nem eu. Mas se todas as buscas insensatas por originalidade nos prendessem numa sauna com Scout Taylor-Comptom, Travis Van Winkle e Christina Ulloa, realmente não teríamos do que reclamar.

O filme gira em torno de Jenna, uma garota que perdeu o noivo num acidente de carro há três anos e decide viajar com os amigos para uma cabana isolada em busca de diversão. O horror começa quando três deles ficam presos dentro de uma sauna, onde o calor aumenta a cada minuto e o perigo de morte faz com que todos mostrem suas verdadeiras faces.

Tendo como base o nível de produções similares, já era de se esperar que 247ºF não conseguiria se destacar. Em compensação, o filme conseguiu fazer um bom uso do clichê e manteve distância de tudo aquilo que iria de encontro com sua visão realista.  Se o propósito era fazer com que a história de três adolescentes presos numa sauna fosse levada a sério, nada melhor que trabalhar todos os outros aspectos para que a ideia se tornasse aceitável. E isso inclui aposentar o trash para evitar cenas desnecessárias e irrealistas, que são a marca registrada deste tipo de filme.

Suas irregularidades podem até passar despercebidas perto do ótimo desenvolvimento, e dos personagens carismáticos que já conhecíamos de longas datas. Antes de ser trancada seminua dentro de uma sauna, Scout Taylor-Comptom lutou contra Michael Myers no remake de Halloween, enquanto Travis Van Winkle enfrentava a versão moderna de Jason Voorhees no remake de Sexta-Feira 13. Então, o gênero terror está sendo muito bem representado por aqui. Não posso dizer que todos são mestres na arte da atuação ou que fizeram um excelente trabalho, mas, eles formam um grande time, e merecem ganhar uma chance de fazer algo maior que um remake detonado pela crítica ou um filme B.

Infelizmente – ou não – 247ºF cairá no esquecimento antes mesmo de fazer sucesso, e na melhor das hipóteses, pode ser lançado no Brasil em DVD com um título Nacional deprimente. Pânico na Sauna, Terror a 119º Graus, Queimados Vivos, ou qualquer outra coisa piegas bem a cara da Playarte. Só recomendo para os fãs do gênero ou para aqueles que não estão a procura de nada além de diversão. Se você quer algo mais complexo e bem mais trabalhado, vai ter que se contentar com o que a indústria do cinema já nos deu, e esperar que um dia alguém consiga revitalizar a imagem do terror. Até lá, que tal uma maratona Sexta-Feira 13 pra lembrar os velhos tempos? Não tem sauna em Crystal Lake, mas jovens seminus estão morrendo por lá desde 1979. Pelo visto, quase nada mudou.

Trailer:
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
7 Comentários

Comentário(s)

7 comentários:

  1. Parece ser interessante.

    ResponderExcluir
  2. Onde que você viu ? não acho em site algum :S

    ResponderExcluir
  3. http://www.telona.org/119-graus-brrip-xvid-rmvb-legendado/

    ResponderExcluir
  4. VANESSA VASCONCELOS REZNOR26 de outubro de 2012 13:54

    OUTRO QUE ACABAREI ASSISTINDO TBM,EU SOU MEIO MASOQUISTA MESMO,FAZER O QUÊ HAHAHA.MAIS TENHO QUE CONCORDAR COM VC,A PLAYARTE É FODA,NO MAL SENTIDO CLARO,É CADA TÍTULO QUE TEMOS QUE ENGOLIR,PQP......

    ResponderExcluir
  5. Um filme mediano. E desde quando soube a respeito dele que já fico aflito com a possível tradução que terá por aqui... [tenso]!

    ResponderExcluir
  6. até quando chega perto do final,o filme interessante

    ResponderExcluir