sexta-feira, 28 de setembro de 2012

[Crítica] Revolution - 1x02: Chained Heat



Aprecie com moderação...Porque se ficar ruim, dá pra abandonar.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Ainda estou balançado com Revolution, minha opinião sobre a série ainda não está completamente formada pela série. Acho que a principal razão disso é o receio, quer dizer, essa não seria a primeira vez que somos enganados por uma Like-LostTerra Nova, The River, Alcatraz todas prometiam demais e cumpriram de menos – e acho que minha apreensão não está só nessa questão de roteiro. Meu tempo ultimamente está abalado, escrever já não é mais parte do meu tempo livre, se tornou o meu tempo livre inteiro. E honestamente, se eu não quero nem perder esse raro tempo assistindo séries que enrolam e não empolgam, imagina perder tempo escrevendo sobre elas. Mas isso aqui não é o blog de Jenna Hamilton e vocês não querem saber quão complicada é minha vida pessoal. Então vamos ao episódio.

É incrível como esse conseguiu ser melhor que o piloto, claro, alguns (aliás, os mesmos) erros parecem saltar da tela. E o maior deles está por conta dos atores. Tirando os intérpretes de Miles, da novata Nora, da mãe da Charlie e claro, do Cap.Neville, os outros estão no mínimo desconfortáveis nos seus papéis. Na verdade ainda estou meio confuso, não sei se os problemas estão nos atores ou nos personagens.

A protagonista teve seu ritual de passagem: de mocinha inocente, para mocinha destemida e recalcada. Ela decidiu mostrar que pode andar mais de 2 metros, sozinha e no escuro. No final, ela já tinha tirado duas vidas, para salvar tantas outras. Adorei a cena em que ela é perseguida pelo Who – já que o nome dele não é Nate...é impressão minha ou “Nate” nunca é nome de gente decente? – ela samba na cara dele lindamente. Só por isso que ela ganhou pontos comigo.

Cap.Neville continua roubando todas as cenas em que aparece, eu gosto dessa coisa de personagem ambíguo, acho que porque não existe aquela coisa de “preciso ser bom o tempo todo” nem de “preciso ser mal o tempo todo”, até porque todos temos um lado bom e ruim...Ou vocês querem que eu compre a ideia – lê o corretor corrigindo e colocando acento - de que existe pessoas puras, éticas, boas e iluminadas pela lanterna? Façam-me o favor.

Em paralelo a isso, a série quer fazer cosplay de Touch e mostrar que a trama também pode trazer ligações complexas entre os núcleos. Eis que o gordinho conta pra “boadrasta” que deveria levar o medalhão (que Ben deixou com ele) a uma tal de Grace (a negrinha que salvou Danny e possui um Meda-Drive também), só que no final vemos que ela recebe a visita (lê arrombam a casa dela) de um homem misterioso, Randall. E bom, o que aconteceu é um cliffhanger.

E pra terminar a revelação nem tão reveladora de que Rachel está viva, mantida prisioneira por Monroe – desculpa, mas ficar pagando de vilãozinho de filme de ação dos anos 90 é muito clichê – assim como a mãe da protagonista está viva, sem a mesma saber. Achei até bom revelarem agora do que deixar pra depois e a gente quebrar a cara. Falsa morte de parentes está no mesmo nível de namorado ser o assassino misterioso, e sim, logo depois vem o mordomo ser o culpado. Mas deixando o clichê de lado, adorei os flashbacks com ela, super contribuíram pra trama e foram ótimos.

Um episódio cru, tal como a atuação de alguns, a série ainda precisa de uma coisa a mais que me prenda, senão vai acabar como Touch. Premissa excelente, mas que graças as atuações e a má condução (ou melhor, condução nenhuma) do roteiro se torna chata e tediosa de assistir. #PrevisõesDeMãeJahel

Até daqui a pouco!
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
3 Comentários

Comentário(s)

3 comentários:

  1. Tbm achei melhor que o piloto, mas mesmo assim está mt ruim, se o próximo não for bom, eu paro, não quero mais uma Alcatraz na vida, ou talvez eu veja Revoluiton apenas quando não consigo dormir, pq né...

    Tenho que admitir, eu gostei dos flashbacks (e daquela edição no final da Charlie andando enquanto mostra o flashback), fora isso, mais nada.

    Aliás, aquele personagem-futuro-namorado-proibido-da-Charlie-que-eu-não-sei-o-nome Já entrou pros personagens mais insuportáveis das séries que eu vi/vejo. Quero que ele (e mais 90% do elenco) se exploda.

    ResponderExcluir
  2. So to assistindo essa série porque tem a Juliet de lost, melhor atriz e personagem da serie, que bom que ela esta viva. Outro motivo pra continuar vendo.

    ResponderExcluir
  3. eu tou achando muito boa esta serie!!! :)
    gostei muito deste episodio !
    não vou deixar de assistir :D

    ResponderExcluir