Especial

Foto:

[Crítica] Grimm - 2x03: Bad Moon Rising


- Nikita? Tenho um servicinho pra você em outra série. O nome dele é Hank.

Review:

É como diz o ditado, depois da tempestade vem a calmaria. E essa calma toda só pode significar uma coisa: deram destaque pro Hank. Uma palavra: “DESNECESSÁRIO”. Focar no Alzheimer do parceiro do protagonista foi um erro pra um terceiro episódio. Não é de hoje que mostro meu desagrado com Hank, pra mim ele sempre foi um completo avulso, não servia nem pra satisfazer as altas necessidades sexuais de Adalind. Sendo completamente, sincero, me deu sono. É isso que acontece quando a série deixa o lado procedural falar mais alto.

Eu sei que não adianta ficar reclamando porque pelo visto, a série vai ficar nisso mesmo, apesar de todo o potencial. Gente, eu queria entender o que faz o gênero procedural (sim, pra mim virou um gênero já) ser tão usado e abusado, alguém me explica, por favor. Mas vamos que vamos! Porque entediado ou não, eu sei que vocês adoram as minhas reviews. Sendo humildizinho, por favor.

O episódio, como já disse uma vez ou duas (ou cinquenta), foi focado em Hank. Afinal desde a finale passada o personagem estava com medinho do lobo mal ir soprar o barraquinho de papelão, onde ele mora. Plot melhor que esse só descobrir que seu namorado, de 30 anos, tem um filho com a irmã gêmea má da Xuxa (cof Aria cof). Eis que temos a maior revelação do mundo das séries desde a sexualidade de Kurt – “mim dexa” fazer várias referências, ok? – Hank já mantinha certas relações (sexuais? maybe) com um Wesen. Mas como ele tem um Q.I. mais negativo que a minha conta, ele não sabia que o amigo dele é uma criatura.

Essa criatura que já era BFF dele, tem sua filha seguestrada pela família da mãe dela, que é de uma linhagem antiga de Wesen’s. E por algum motivo banal e conservador, o lado escroto da familia quer fazer um ritual maluquinho e devasso com a garota. Tudo pra ela se tornar uma “mulher de verdade” (if you know what i mean), por favor, em que século aquelas pessoas estão? Todos sabemos que hoje se tornam “mulheres de verdade” no mais tardar com 12 anos, e atrasadas ainda. Pronto, falei.

Juntos Papai-Coiote, Hank ~Sei de Nada~ e Nicuzinho salvam a Filha-Coiote dos bad guys. A grande reviravolta do episódio foi porque com mais de 5(00) criaturas envolvidas num só caso, nem mesmo Hank foi capaz de deixar passar, ele finalmente viu mais do que deveria. Assim sendo, Nicuzinho contou tudo para o parceiro (só eu penso em um relacionamento homossexual?). Agora temos um Hank que sabe de tudo, e só. Ele simplesmente agiu como qualquer pessoa normal faria, só que ao contrário. Por isso, quero as respostas mais devassas nos comentários para essa lacuna: Se você fosse Hank, e descobrisse que o segredo de Nicuzinho, você ___________ ele todinho.

Em meio a essas descobertas todas, o plot da Juliette continua, para nossa alegria. Ela lembra de tudo menos do protagonista, até de Monroe ela lembra, e detalhe ela só conheceu Monroe por causa do Nick, quer dizer, os roteiristas estão quase abrindo um paradoxo dimensional pra explicar a amnésia dela. O Nick, tenta esconder sua frustação, mas a cara dele é de dar pena. Muito inteligentemente, Monroe cogita a possibilidade de que o plano de Adalind era justamente esse, fazer Juliette esquecer apenas do Grimm. Bom, acho que eles tem que encontrar a Adalind para descobrirem, né?! #FalangesCruzadas

Agora é esperar para os próximos episódios, e ver se o procedural vai continuar gastando minha paciência, ou se a série vai conseguir manter uma linha contínua e linear de história. Próxima piada, pfvr. 

E estou igual Carminha com essa gente que fica copiando meus comentários. #FikDik






Comentário(s)
7 Comentário(s)

7 comentários:

  1. Eu gostei desse episódio ;/
    Afinal, eles foram inteligentes de não levar esse plot do Hank para frente, super gostei. Rapaz, não tem resposta certa pra sua pergunta, ok? kkk O Hank é insuportavél mesmo. Principalmente com aquele beço de nego que ele faz de vez enquanto, nada contra os afros-descendentes por que eu sou um, mas aquilo parece um... #piadinhanãoveioamente

    ResponderExcluir
  2. Achei esse episódio o melhor da temporada até agr #MeJulguem.

    ResponderExcluir
  3. Pois é, eu também gostei desse episódio e no meu ver, só perde para o segundo Ep. (The Kiss)

    ResponderExcluir
  4. Eu curti o episódio, deram uma solução digna para o hank. E tudo que eu não quero dessa série é que ela ganhe ares megalomaníacos que destruiu o supernatural. Que se mantenha o procedural, que se mantenha a estrutura e que não caiam na tentação de fazer o pobre nick salvar o mundo do apocalipse.

    ResponderExcluir
  5. Tb gostei mto do episódio. E Hank me surpreendeu pq qualquer pessoa normal no lugar dele teria era ficado com raiva do Nick ter escondido a verdade e iria querer ficar longe dessa confusão. E acho bom no meio da mitologia ter alguns episódios procedurais, dá até um suspense. . .
    E rs, percebe-se que seu julgamento foi afetado pelo fato de não suportares o Hank. É a impressão que passa!

    ResponderExcluir
  6. Só um detalhe interessante, é a segunda referencia a situações de tortura análogas ao bdsm... Primeiro foi aquela cadeira de forced feeding e agora a meina presa pelas mãos e pés para um estupro coletivo...
    Acho que tem um fetichista entre os roteiristas dessa série.

    ResponderExcluir
  7. Eu tbm gostei do episódio,além do mais eles tem que balanciar entre a mitologia e os ep.procedurais se fosse só um ou o outro ficaria repetitivo e cansativo,agora que o Hank sabe da verdade é uma ajuda a mais para o Nick na hora de resolver os casos sobrenaturais.

    ResponderExcluir