terça-feira, 7 de agosto de 2012

[Livro] My Last Lie - Capítulo 3: Effy Gone Wild

Don't Freak Out.

Quando amanheceu, a notícia já havia se espalhado. Emissoras de TV, estações de rádios, páginas na internet, de repente Charlie Abrams era o nome mais ouvido pelas redondezas. Repórteres de cidades vizinhas apareciam em Ridgfield, querendo um pedaço daquela notícia bombástica, finalmente Charlie Abrams estava morto e não poderia haver nada mais importante.

A notícia também estampava a capa dos jornais espalhados pelas bancas da cidade inteira. Isso lembrava Lola do tempo em que Violet fora assassinada. A cidade inteira tinha pirado, de repente, sua morte tinha tomado uma proporção assustadora. Com o tempo toda essa obsessão foi perdendo a força, porém, os moradores daquela pequena cidade faziam parecer que a tragédia seria lembrada até no próximo século.

Lola passava os canais de TV com o controle remoto, expressando tédio, sabia que nada havia ali além de notícias sobre o suicídio de Charlie Abrams. Parou de mudar de canal assim que notou que a namorada de Matt era quem estava fazendo aquela reportagem.

- Estamos em frente ao sanatório de Georgetown onde há poucas horas o paciente Charlie Berry Abrams enforcou-se em seu próprio quarto. Abrams foi acusado há dois anos de estuprar e matar três jovens na pequena cidade de Ridgefield, mas foi internado nesta instituição psiquiátrica após ser diagnosticado como portador de esquizofrenia e transtorno de personalidade, além da falta de evidências. Ano passado Abrams quase foi condenado pelo assassinato do filho do renomado empresário Phillip Dotts, e causou revolta na população a não ser condenado com a pena de morte. O diretor do hospital se recusou a dar entrevista, mas revelou a polícia que Abrams já demonstrava transtornos suicidas e que era apenas uma questão de tempo até que acontecesse o ocorrido.

Lola deu um ar de risos debochado, é claro que ele era suicida, ninguém em sã consciência aceitaria viver aquela vida. Lembrou das amigas quando sua cunhada saiu da tela para mostrar outra reportagem, dessa vez, sobre o que acontecera no estábulo há dois anos. Ela discou o numero de Skye em seu celular, queria ter certeza de que ela não estava vendo televisão, ou teria um ataque de nervos e não iria ao colégio.

- Lola – Disse Skye, ao atender seu celular.

Precisou apoiá-lo entre a orelha e o ombro para poder terminar de colocar os livros na mochila azul. O relógio encima da escrivaninha marcava as sete e quarenta e cinco, teria sorte se conseguisse chegar a tempo na escola.

- Tem paparazzi ao redor da minha casa inteira. Olha que ela não é das pequenas.

- Seu pai não pode fazer nada?

- Não, ele está esperando eu atirar na cabeça de um deles – Lola olhou pras unhas, tinha acabado de serrá-las, mas ainda não estavam como queria.

- É, eu meio que tive a mesma vontade ontem no memorial. Enfim – Skye colocou a mão na testa e fechou os olhos, estava preocupada – Alguma novidade?

- Sim. Aparentemente, Charlie Abrams está mesmo morto. Se enforcou na clínica onde estava internado. Não posso dizer que estou surpresa, não é como se ele tivesse a vida perfeita.

- Acho que ele só teve a vida que mereceu.

- Sem oposições. Vai pro colégio?

- Sim, estou me arrumando.

 - Posso pegar com você aquele dever de física? – Lola enrolou o cabelo nos dedos e fitou a TV. O olhar preguiçoso e a expressão de cansaço diziam claramente que estava morrendo de tédio.

- Tudo bem. Lola, preciso desligar, estou atrasada – Skye colocou a mochila no ombro, a dor imediata lhe provou que devia deixar a maioria do livros no armário ao invés de levá-los pra casa.

- Ok, te vejo no colégio – Antes que Skye pudesse se despedir, Lola já havia desligado.

Skye olhou pro celular só pra ter certeza que a chamada já havia terminado. Colocou ele no bolso e abriu a porta. Deu dois passos no corredor, até lembrar que tinha esquecido a coisa mais importante. Teve que voltar ao quarto apenas para pegar a máquina fotográfica que estava encima da escrivaninha. Ela não aguentaria mais um dia no ensino médio sem sua câmera, o passatempo perfeito pra esquecer que ela era uma das sete garotas.

Quando lembrou do termo usado pela população da cidade, deu um meio sorriso. Ser uma das sete garotas poderia incomodá-la, rotulá-la de uma forma absurda cujo único propósito é lembrar o que lhes aconteceu, e talvez, seja até uma maneira de fazê-la ser chacota de quem não levava isso a sério. Mas, era melhor ser uma das sete garotas a voltar a ser a garota nenhuma que fora a vida inteira.

Ela já estava descendo as escadas, perdida nos próprios pensamentos. Estava pronta pra passar pela cozinha, colocar uma torrada na boca e correr pro colégio enquanto come, como fazia todos os dias desde que decidira ser uma aluna exemplar. Deu de cara com a mãe fazendo panquecas com um avental rosa florido e o pai lendo jornal na mesa, a mesma visão de todos os dias. Naquela parte da cidade, o hobbie preferido das pessoas parecia ser a rotina.

- Já vai? – Perguntou sua mãe, sorridente.

- É, estou atrasada.

- Mas a primeira aula é só oito e meia.

- Não no meu horário – Skye pegou uma torrada de cima da mesa, foi completamente ignorada pelo pai.

- É claro – Sua mãe fechou os olhos e suspirou, dando um meio sorriso. Se aproximou da filha apenas para lhe dar um abraço, tomando cuidado para que a espátula quente em suas mãos não encostasse na pele da garota – Boa aula. Vá com Deus.

- Obrigada – Skye correu até a porta dos fundos, parou quando ouviu a mãe chamar seu nome.

- Não quer uma carona? Estou indo agora mesmo na floricultura – Ela começou a desamarrar o avental, pensando que a filha aceitaria a proposta.

- Não, obrigada. O ar vai me fazer bem, e eu vou com Courtney.

- Ok, então.

- Tchau mãe – Skye passou pela porta como um vulto, nem se preocupou em fechá-la após a saída.

Passou pelo gramado verde e muito bem aparado de sua casa, além da árvore do canteiro que tinha a sua altura. Olhou pra rua, o pequeno Bart Kelvin estava jogando os jornais nas portas das residências dos vizinhos, que por algum motivo, não estavam presentes regando suas flores como sempre faziam àquela hora. Parece que Charlie Abrams conseguiu parar de novo a cidade.

Skye caminhou pelas calçadas, sentindo o sol bater no rosto, dava um sorriso sem graça quando encontrava um conhecido na rua e acenava com a mão com que não estava segurando a alça da mochila. Não caminhou nem por cinco minutos e já tinha chegado a casa de Courtney. Era como todas as outras. As únicas coisas diferentes eram o portão branco ao lado da cerca e o jardim. Os Hobbs tinham tomado a liberdade de cultivar plantas diferentes que os vizinhos estavam acostumados.

Devagar, Skye abriu o portão e passou pelo jardim, sentindo aquele perfume forte das plantas. Subiu as pequenas escadas da varanda e apertou a campainha. Em menos de dois segundos foi atendida, era a mãe de Courtney, que ainda estava com roupão e vários bobs no cabelo. Skye teve que prender um riso com aquela cena.

- Oi, Courtney está?

- Espere – Disse a mulher, fechando a porta bruscamente.

De repente, a roupa que a mulher estava usando tinha se tornado o de menos. Skye ouvia os gritos de Courtney e sua mãe brigando em espanhol, como aqueles evangélicos da igreja da mãe de Effy faziam, só que ainda mais engraçado. Skye não entendia uma só palavra, mesmo que tivesse tirado a nota máxima em espanhol. E também não fazia questão, já que odiaria ter que traduzir um palavrão.

- Cala a boca! – Gritou Courtney, ao abrir a porta, foi a única coisa que Skye pôde entender.

Ela sorriu pra amiga como se nada estivesse acontecendo, parecia impecável.

- Então vamos? – Disse ela, tomando à frente.

Elas passaram pelo portão lado a lado, começaram a andar juntas. Skye esperou alguns segundos para fala sobre sua mãe, não queria estar perto o suficiente para que os ouvidos biônicos de Gage Hobbs pudessem ouvir.

- Então, sua mãe...

- Ela é louca – Disparou Courtney, como se fosse uma coisa balela – Acha que todo americano quer nos fazer mal. Ontem deu uma palestra sobre estupro por causa das minhas roupas. Até parece – Ela deu um ar de risos irônico – Um doente mental começa a perseguir garotas para machucá-las porque não sente tesão quando alguém quer fazer sexo com ele voluntariamente e é tudo por causa do meu decote. Não tenho culpa se tem gente que adora rejeição.

- Belo ponto de vista – Skye olhou pra baixo quando o sol começou a bater em seu rosto, não sabia como continuar a conversa sem que os pontos de vista dispensáveis de Courtney fossem citados.

Elas não perceberam, mas há apenas alguns metros, havia um homem andando em suas direções. Estava com a roupa preta, com manga comprida, , além de usar botas do exército. O capuz sobre o rosto impedia que qualquer pessoa olhasse diretamente em seus olhos, ou até mesmo, reconhecesse quem estava por debaixo.

- Deus, odeio essa cidade – Disse Courtney, expressando nojo ao ver a vida pacata dos moradores – Quando eu morava em Bethel era completamente diferente. Mas graças ao meu bom Deus, só me resta mais uma semana, então vou poder dar Adeus a Ridgefield e olá para Princeton. Já sabe pra onde você vai?

- Ainda não...

- Não fale como se fosse triste, você foi aceita em todas as faculdades em que se inscreveu. Você é a porra do Jimmy Neutron, faz Harvard parecer pouco demais pra você.

- Obrigada – Skye sorriu, não sabia se tinha sido um elogio.

Seu celular vibrou imediatamente dentro do bolso. Courtney olhou pro lado, nem tinha percebido que Skye estava com o celular nas mãos. Era apenas uma mensagem, porém, anônima, e isso não costumava acontecer naquela cidade.
 "Você está linda com esse vestido da Violet”.
Skye sentiu sua espinha gelar. Sempre que lia o nome Violet não conseguia permanecer normal. Mas, não era apenas isso dessa vez. Ela não havia entendido. A mensagem anônima, o conteúdo, era como se mais alguém soubesse que ela estava usando aquele vestido florido de Violet quando poucas pessoas viram. E também quando um numero bem menor de pessoas sabia a quem tinha sido a primeira dona.

A duvida a fez paralisar na calçada, despertando a curiosidade de Courtney.

- O que aconteceu?

- Nada – Respondeu Skye, estava criando teorias.

A única coisa em que pensou foi que poderiam estar sendo seguidas. O homem que as seguia se escondeu rapidamente atrás das árvores. Se tivesse demorado apenas mais um segundo, Skye o teria visto quando olhou para trás.

Courtney olhou pra mesma direção que a amiga, fez uma careta quando não viu nada. Estava confusa, Skye de repente tinha parado de andar e olhado pra trás e parecia aflita.

- O que estamos olhando?

- Nada – Skye guardou o celular no bolso e mudou a expressão. Precisava tirar tudo aquilo da cabeça, precisava acreditar que não estava sendo seguida e que aquela mensagem era apenas uma brincadeira. Porque qualquer duvida a levaria direto para Charlie Abrams, e este era um péssimo caminho – Mau pressentimento, eu acho. Deve ser essa coisa com o Charlie.

- Ai meu Deus – Courtney revirou os olhos – Esqueça o Charlie, ele não pode fazer nada com a gente – Ela cruzou seu braço com o de Skye, incentivando a amiga a continuar andando – Vem logo Jimmy Neutron, preciso da sua ajuda em química.

- Ok – Skye sorriu, deixando-se levar por Courtney. Em poucos segundos já tinha esquecido todo aquele agouro.
 --

Effy abaixou a cabeça mais uma vez antes de suspirar. Fechou os olhos e contou até dez. Era o reinicio de um ciclo que havia terminado na contagem até cem noite passada, apenas para ser mais suportável estar num lugar onde não queria estar. Porém, um lugar onde achava que merecia estar.

Em sua cela, ela conseguia ver apenas o básico. O vaso sanitário ao lado da cama, a pia para escovar os dentes, a pequena janela no meio da parte que parecia ter muito mais proteção que a grade a sua frente.

Ao primeiro sinal de que alguém estava se aproximando, ela olhou pra frente, os olhos cheios de esperança. Viu seu pai ao lado de um policial que abriu a porta de sua cela. Finalmente iria sair daquele lugar, mas, iria para o próximo inferno, o mesmo lugar que sua mãe a obrigava todos os dias a chamar de lar.

Rapidamente se levantou da cama e caminhou até a saída. Sentiu vontade de abraçar o pai e dizer obrigada, depois sair correndo com ele dali pra lanchonete mais próxima. Mas, como fazer isso com alguém que parecia mais um estranho do que um pai?

- Seu pai pagou a fiança – Disse o policial – Você pode ir.

Effy olhou para o pai, logo abaixou a cabeça quando percebeu seu olhar de desaprovação. Não gostava dele, mas saber que Dawson Wheeler estava decepcionado era estranhamente ruim.

Ela Colocou as mãos no bolso, e sem falar nada, os dois caminharam pela delegacia. Passaram por alguns policias e secretários, estavam todos olhando, mas não pelo motivo que Effy pensava. Ela era a primeira das sete garotas, a mais afetada por Charlie Abrams, e com sua morte era inevitável não encará-la e ver de camarote o que uma tentativa de assassinato pode fazer com uma vítima.

Effy e Dawson saíram da delegacia, caminharam em linha reta para o carro como se já tivessem ensaiado aquilo. Fazia tempo que não o via, era uma bela BMW preta que ela sempre quis dirigir, mas nunca pôde. E se não via o carro, era porque seu dono não aparecia com muita frequência.

Ela entrou e colocou o cinto, ficou olhando pra frente, pensando no que tinha feito. Dawson sentou ao seu lado e ficou do mesmo jeito. Estava esperando que ela lhe pedisse desculpas e prometesse que nunca mais iria fazer coisa parecida, e era exatamente a única coisa que ela não podia prometer.

- Então... – Murmurou ele, apenas para quebrar o silencio constrangedor – Se você não vai me dizer, vou ter que perguntar.

- Faça o que quiser – Effy virou pra janela, com medo de encarar o pai. Se olhasse em seus olhos, veria como ela estava insegura e que toda aquela grosseria era apena suma máscara para esconder a garota assustada que era por dentro.

- Não vou falar pra sua mãe, se é isso que você acha. Pode ser um segredo só nosso.

- Por mim tudo bem...

Dawson assentiu devagar e voltou a olhar pra frente. Já não sabia mais como lidar com ela. Se tentava ser seu pai, era rígido demais. Se tentava ser seu amigo, agia feito um idiota. Era difícil saber o que estava acontecendo. Ele pode ter ficado ausente por anos, mas estava tentando ser um bom pai, e tinha começado guardando seu segredo.

- Effy, se isso é por causa do incêndio no hospital...

- Não tem nada a ver com isso – Effy olhou pra ele, queria impor sua verdade – Eu fiz porque eu quis.

A grosseria lhe incomodava, mesmo este sendo o único jeito de lidar com tudo. Não podia falar o que sentia à ninguém ou então a chamariam de louca. Ninguém entenderia o que estava passando, ou a falta que ele fazia, ou todos aqueles pesadelos envolvendo Charlie Abrams. E se contasse sobre os cortes em seu braço, no mínimo seria internada em alguma clínica como uma suicida lunática que não consegue dar valor na beleza e no dinheiro que tem.

Quando notou os cortes à mostra esticou a manga da blusa, para que seu pai não os visse. O que ela não sabia era que ele já estava ciente sobre aquilo, e só queria ajudar.

- Essa não é você.

- Como você sabe? Não é como se tivesse estado aqui o tempo todo – Effy deitou a cabeça no banco. Tinha começado a fazer uma prece para que a conversa terminasse ali.

- Effy, eu só...

- Você pode me levar ao colégio, por favor? Não quero perder a ultima semana de aula.

- Certo – Dawson assentiu, aquela era a deixa para sua insistência. Deu a partida no carro e pisou no acelerador.

Como um quebra gelo, o celular de Effy começou a apitar. Ela relutou em tirá-lo da bolsa que seu pai pegara com a policia, não estava querendo falar com ninguém, muito menos por SMS. Porém, quando notou que era anônima, sua curiosidade foi despertada.
“Papai não vai salvá-la o tempo todo, e eu conto com isso”.
Effy suspirou. Não quis criar teorias, apenas guardou o celular de volta na bolsa e encostou a cabeça no banco do carro, se importar com uma brincadeira sem graça – provavelmente do melhor amigo mala do namorado – era exatamente o que não queria fazer.

Eles levaram apenas quinze minutos para chegar à porta do Ridgefield High. Por sorte, as portas tinham acabado de ser abertas e os alunos tinham começado a entrar. Effy não perdeu tempo, cortou a próxima frase que o pai iria dizer e abriu a porta do carro.

- Valeu – Disse ela, fechando a porta.

O pai apenas assentiu e pisou no acelerador, fazendo Effy olhar pra trás. Ele nunca saia tão rápido, sempre ficava ali parado esperando-a chegar até as escadas da entrada. Mas também, pouco importava. Quando entrasse no prédio iria logo tomar a ducha que ficou a noite inteira desejando. Depois assistiria o restante das aulas e não ganharia falta. Assim não teriam motivos para ligarem para sua mãe avisando sobre sua ausência, ou falando qualquer coisa que faça Mary Beth Lancer desconfiar que ela tinha estado na cadeia.

Passando rapidamente pelos alunos mais lentos, ela entrou no prédio, segurando a alça da bolsa preta.

- Hey Effs – Disse Tessa, tinha acabado de chegar. Aumentou a velocidade dos passos para andar lado a lado com a amiga.

- Hey Tessa.

- Olha, me desculpa por ontem. Eu pensei que você estava atrás da gente e quando percebi que não estava, não tinha como voltar.

- Ok, eu entendo – Effy assentiu e olhou pro lado, não parecia muito interessada naquela conversa.

- Então, está tudo bem com a gente? – Tessa ficou de lado para deixar passar um aluno que vinha em sua direção. Isso a fez ficar pra trás, Effy nem se preocupou em parar de andar.

- Está sim, não se preocupe.

- Ok. Mas então, você não contou pra ninguém que eu estava com você, não é?

- Não – Effy já tinha entendido o motivo do papo. Então, ela queria apenas saber se sobraria pra ela – Eles sabem que não estava sozinha, mas não disse o nome de vocês. Então, diga ao Corbin que ele vai se ferrar, mas não dessa vez.

- Ok, Obrigada – Tessa sorriu, parecia eufórica. Deu um beijo no rosto da amiga e saiu correndo – Amo-te, Effs.

- Certo – Effy sorriu.

Percebeu que já tinha chegado ao seu armário e largou a bolsa no chão. Quando o abriu, seu olhar a direcionou automaticamente para a foto de Harry. Ela precisava olhar pra ele mesmo que apenas uma vez por dia, isso faria o resto das horas serem mais suportáveis. Mas passar a mão por seu rosto na foto era um caminho perigoso, que ao invés de melhorar, poderia fazer as coisas desandarem de vez.

Era tanto pensamento que o único jeito que Effy viu de se livrar deles foi fazer as coisas rápido. Assim, começou a arrumar os livros para poder pegar as roupas atrás deles, junto de suas luvas que usava na academia para treinar.

- Taylor Momsen – Disse Ian Hardley, encostado no armário. Estava se referindo ao visual que Effy adotara há um ano e meio, como se fosse a vocalista de uma banda de rock, e estava longe de ser um insulto.

Effy olhou pra ele, logo preparou o olhar de desprezo que ele tanto gostava.

- Channing Tatum – Disse ela enquanto colocava os livros em seus devidos lugares.

Ian sorriu, adorava sua criatividade e seu novo apelido, porque sempre recebia nomes de celebridades que têm o abdome definido.

- Então, eu tenho dois ingressos pra um jogo de basquete nessa quinta. Ta afim?

- Odeio esportes.

- Bom, já estava começando a achar que você era lésbica – Ian sorriu, e por alguns segundos, soava como um alívio – Então, podemos ir ao cinema?

- E depois na sua casa? – Effy deu um meio sorriso – É claro.

Do outro lado, sem que percebesse, havia alguém que escutava tudo. Paige tinha desistido de responder a SMS de Lola para prestar atenção na conversa da ex melhor amiga. Não acreditava que ela iria sair com Ian Hardley de novo. Não por trair o namorado pela centésima vez, mas por ficar com alguém cujo único talento além de ser bom em esportes violentos é arrotar o alfabeto. Era deprimente assistir a tudo aquilo.

- Então beleza. Mas se você começar a fazer aquelas coisas com a mão dentro do cinema, a gente vai ter que vir pra casa correndo e vai perder o filme.

- Não fale como se isso fosse uma coisa ruim – Effy ajeitou os livros e deixou as luvas no lugar. Olhou para Ian por uma ultima vez, o papo precisava terminar ali se quisesse colocar aquela conversa na lista das mais cretinas – Te vejo na quinta.

- Sim senhora – Ian sorriu antes de se retirar.

Paige esperou dois segundos após a saída de Ian, estava em duvidas sobre ir até Effy e falar sobre aquilo. Poderia ouvir o que não queria, como estar se metendo na vida das outras pessoas, como se não tivessem sido melhores amigas. Como se não tivessem feito inúmeras festas do pijama, conversado milhares de vezes sobre garotos e chorado juntas quando algum idiota partia seus corações. E era exatamente por isso que ela tinha que falar.

- Então você ainda está saindo com o Ian? Você disse que isso tinha acabado – Sussurrou ela ao se aproximar.

- Então você continua ouvindo a conversa dos outros? Eu não sei porque estou surpresa.

- Effy, você sabe que isso não está certo.

- Claro que sei, mas estava pensando que sua mãe tinha lhe ensinado bons modos – Effy fechou o armário e começou a andar. Foi seguida por Paige, ela insistiria até que Effy cedesse.

- Effy, não é hora pra isso.

- Toda hora é hora pra ignorar alguém que já me ignorou.

- Pensei que a gente já tinha superado tudo isso – Paige correu e segurou em seu braço. Effy virou contra a vontade, e isso só aumentou sua raiva – Effy, fala comigo.

- Sobre o que? Violet Hills? Charlie Abrams? Harry Dotts? Minha vida sexual?

- Qualquer coisa.

- Se eu bem estou lembrada, quando eu quis falar sobre qualquer coisa, você ignorou minhas ligações. Quando escrevi uma carta perguntando porque você não queria falar sobre qualquer coisa, você a rasgou e jogou no lixo. Quando eu fui na sua casa pra falar sobre qualquer coisa e fazer qualquer coisa, você fingiu que não estava. Me corrija se eu estiver errada, mas acho que tenho direito de não falar qualquer coisa com você.

- Quais os seus direitos? – A voz de Paige saiu rígida, o suficiente para começarem a chamar atenção – Sair de casa e ficar bêbada? Falar palavrão e se achar foda?  Faltar aula por causa de garotos?

- Não sabia que você tinha se tornado a garota responsável. Até onde me lembro, a rainha do baile estava vomitando os litros de álcool que bebeu quando Charlie Abrams tentou me matar. Não é como se você pudesse falar sobre o que eu faço... Na minha opinião, é claro – Effy sorriu com falsidade, tinha deixado Paige irritadíssima.

Lola, Courtney e Skye tinham acabado de chegar. Olharam pras duas, apenas Skye parecia inconfortável com aquilo. Lola e Courtney estavam sorrindo, já tinham sentido falta daquelas brigas de garotas que costumavam ter.

- Ok, me desculpe por me importar – Disse Paige, tentou parecer indiferente – Você acabou de me provar que foi um erro. Você obviamente está traumatizada demais com o que sua vida se tornou que prefere afastar todo mundo.

- Eu estou bem! – Gritou Effy, se aproximando, queria intimidá-la – Não preciso que se preocupem comigo. Eu sou bonita, inteligente e tenho dinheiro, é claro que estou bem.

- Mas você não precisa transar com metade do colégio pra provar isso.

Effy não pensou duas vezes, após sentir uma pontada no peito com as palavras da amiga, lhe deu uma bofetada. A plateia inteira parou, não estavam esperando por aquilo. Até Paige que estava a par da personalidade de Effy conseguiu ficar chocada, logo quando tinha começado a achar que seu desentendimento não chegaria a este ponto.

Devagar, Paige voltou a olhar nos olhos da amiga, tirando a franja loira que havia caído no rosto após a bofetada. Ao invés dos olhos encherem de lágrimas, pareciam revoltados. Era isso que iria ganhar de alguém importante que tentava ajudar?

Ela esperou Effy se aproximar dela, parecia ter algo a dizer. E pelo olhar revoltado, não era qualquer coisa.  Effy apontou o dedo para seu rosto antes de começar a falar, e Lola, lá atrás, continuava a vibrar.

- Você não sabe nada sobre a minha vida! – Gritou Effy, mas, Paige não perdeu a postura.

- E eu peço desculpas por isso... – Paige deu meia volta e correu. Abaixou a cabeça quando percebeu que o choro estava vindo, e ao dobrar o corredor, finalmente poderia desabar.

Por um segundo, apenas por causa do brilho verdadeiro no olhar da melhor amiga, Effy se arrependeu de tudo o que tinha dito. Só conseguia sentir raiva de si mesma e mais uma vez, poder voltar no tempo.

--

Effy abriu a porta de sua casa, acabou levando os sapatos de seu pequeno irmão Edward que estavam espalhados pela casa. Após trancar a porta, teve que desviar dos brinquedos altamente cortantes espalhados pelo chão até chegar na escada. Ouviu sua mãe chamando seu nome duas vezes, e apenas ignorou, não havia nada de tão importante que ela pudesse falar para impedir Effy de subir pro seu quarto e permanecer sozinha em seu mundo.

Não lidaria com ela quando podia deitar na cama, ligar o notebook e virar a madrugada navegando na internet. Talvez assistir um video pra maiores de idade, brigar com alguém com o intelectual abaixo do seu, ou até mesmo, apenas ouvir musica e ficar olhando a arte do álbum do artista que gosta. Porém, no momento em que tirou os sapatos e se jogou na cama ao lado do notebook, sua mãe passou pela porta. Caminhou em sua direção só pra tirar os fones que tinha acabado de colocar.

- Você não ouviu quando eu chamei?

- Desculpa – Pediu Effy, estava fazendo questão de demonstrar seu tédio na voz.

- O jantar está pronto. Se não descer agora a comida vai esfriar.

- Tudo bem – Effy sorriu por dois segundos, não se preocupava em agir de acordo com a vontade da mãe, ou ser educada.

Mary Beth suspirou, iria insistir apenas mais uma vez e depois lhe tiraria o que tinha de mais precioso. Sem aquele notebook ela ficaria completamente louca.

- Quero que você desça Effy, agora.

- Ok – Effy se levantou com o notebook e passou pela mãe, ainda concentrada no navegador de internet que tinha acabado de abrir.

Só parou de olhar pro notebook quando desceu as escadas. Mary Beth, que descia logo atrás, conseguiu passá-la por estar descendo muito devagar. Ambas chegaram a cozinha, onde o pequeno Edward comia e fazia seus desenhos. Os lápis de cera estavam sujos de comida, e Mary Beth parecia não ligar. Effy se sentou de frente pra ele, colocando o notebook do lado encima da mesa.

- Hey, gorducho – Disse Effy, o irmão olhou pra ela no mesmo instante – O que você ta fazendo?

- Desenhando a mamãe.

- Porque você não desenha o papai? Ele tem super poderes, sabe? Ele é o homem invisível. Se procurarmos ele, puff, não está.

- Para, Effy – Alertou sua mãe, o olhar de reprovação parecia fuzilar a filha.

- Você quer que eu desenhe você? – Perguntou Edward, os olhos verdes claros pairavam nos da irmã e eram a coisa mais linda do mundo. É claro, juntos daquele cabelo em forma de cuia, que lhe fazia parecer um índio, porém, com a pele tão pálida como da irmã mais velha.

- Eu quero.

- Posso te desenhar com asas?

- É, acho que não – Effy fez uma careta, não imaginava porque ele tinha dito aquilo.

Eles ainda não tinham percebido, mas estavam sendo observados pela janela por alguém que se camuflava por trás das árvores.

- Effy, vamos jantar, tire o notebook de cima da mesa – Pediu Mary Beth ao colocar os pratos.

- Qual o problema em me deixar comer com o notebook do lado?

- Ele vai tirar sua atenção e você precisa se alimentar. Aliás, é falta de educação – Mary Beth se sentou. Passou a mão devagar pela cabeça do filho ao seu lado e depois olhou para Effy - Vamos orar – Ela juntou as mãos encima da mesa e fechou os olhos.

- Você só pode ta de brincadeira – Sussurrou Effy, Mary Beth preferiu ignorar para se concentrar no que estava fazendo.

Era a mesma de sempre. Estava agradecendo pela comida, pelos filhos maravilhosos, pedindo para que Deus mudasse o coração de Effy e lhe transformasse numa garota como as garotas da igreja, ou que simplesmente tirasse aqueles zilhões de pulseiras que tinha no braço direito, pois já era um bom começo. Effy achava tudo ridículo demais, pois sendo assim, Mary Beth nunca iria poder reclamar do que os vizinhos falavam sobre ela. A pior coisa, de longe, era ser chamada de Carrie White por causa de sua mãe.

Ao terminar, Mary Beth pegou seus talheres e olhou pra filha. Percebeu que o notebook ainda estava encima da mesa, achava que Effy tinha tirado o dia para lhe atormentar.

- Você pode, por favor, tirar o notebook de cima da mesa?

- É, não dá... – Debochou Effy, focando-se novamente na internet.

- Effy, agora! – Gritou Mary Beth, com autoridade.

- Por que não posso usar essa droga e comer ao mesmo tempo? Vou pro inferno se fizer isso?

- Porque estou mandando.

Effy apenas assentiu, se fazendo de desentendida. Nunca deixaria a mãe ganhar, era uma questão de honra. Se levantou da mesa com o notebook nas mãos, ficaria sem jantar, mas não iria obedecer. Mary Beth, então, levantou da cadeira e foi até a filha, tirar o notebook de suas mãos a força.

- Para com isso, sua louca!

- Effy, Larga!

- Para! – Effy fez mais força, estava achando que a mãe tinha enlouquecido de vez.

Mas, ela era sem duvidas mais forte. Os gritos das duas acabaram assustando Edward na cadeira, ele parou de desenhar para olhar as duas mulheres de sua vida em mais uma disputa.

Com raiva, Effy empurrou o notebook para o lado da mãe e o soltou. Mary Beth acabou caindo na mesa, ferindo o rosto quando ela se transformou em milhares de cacos de vidro. Effy imediatamente entrou em pânico. Arregalou os olhos ao olhar pra mãe machucada no que antes era uma mesa de vidro. Seu irmãozinho estava assustado, com medo, e mal conseguia se mover na cadeira.

Mary Beth, tonta, pegou na testa e percebeu que estava sangrando. Effy não sabia o que fazer, e como sempre que isso acontecia, ela correu. Sabia que se ficasse ali iria lhe acontecer algo muito pior.

Passou pela porta da frente, já com a respiração ofegante. E quando chegou na calçada, olhou pros dois lados da rua. Queria saber pra onde ir e pra quem correr. Poderia ir até Paige se não tivesse estragado tudo, poderia ir até Skye e ouvir que a culpa era toda sua. Ou, poderia ir a um lugar silencioso onde sempre ia quando se sentia sozinha.

Então, ela correu, com apenas um destino em mente, sem saber o que se passava na própria cabeça.

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
6 Comentários

Comentário(s)

6 comentários:

  1. CARALHO EFFIE, AHSAUHSAUHSUAH, ESSE CAPÍTULO FOOI ÓTIMO, EU QUERIA MAIS DE LOLA, MAS A HISTÓRIA ESTÁ ÓTIMA, COMEÇANDO A SE MOSTRAR, É MUITA INJUSTIÇA TER QUE ESPERAR 7 DIAS PARA O PRÓXIMO CAPÍTULO... SÉRIO. AAArrrg!

    ResponderExcluir
  2. - Se eu bem estou lembrada, quando eu quis falar sobre qualquer coisa, você ignorou minhas ligações. Quando escrevi uma carta perguntando porque você não queria falar sobre qualquer coisa, você a rasgou e jogou no lixo. Quando eu fui na sua casa pra falar sobre qualquer coisa e fazer qualquer coisa, você fingiu que não estava. Me corrija se eu estiver errada, mas acho que tenho direito de não falar qualquer coisa com você.


    FOOOOODDAAAAAAAA,amei,Effy é a melhor personagem ever,adoro ela,sua história é demais e as mensagens ja começaram que demais,adorei mesmo,aguardando o proximo capitulo

    ResponderExcluir
  3. Nossa amei esse capitulo !! Mas se o Charlie "morreu" quem esta persiguindo elas? o.O rsr
    Muito bom esse capitulo Joao .. Verdade 7 dias è muito!! rsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Cada vez gosto mais da Effy,definitamente é minha personagem preferida,essa Paige é uma cara de pau depois de ter ignorado a amiga ainda se acha no direito de critica-la hipócrita,até que enfim as mensagens começaram e ao contrario da(o)-A essa pessoa não tem um pseudonimo,essa cena do jantar foi tensa e a Mary Beth é uma mala.Faltam 6 dias pro cap. 04 =/(esperar é uma droga).

    ResponderExcluir
  5. Vou explicar uma coisa, eu não ligo para a descrição do personagem, eu imagino logo um artista para o personagem e acabou! esses são os que eu tenho até agora.

    Lola -Troian Bellisario
    Skye- Blake Lively
    Violet- Sasha Pieterse
    Courtney - Shay Mitchel
    Effie- Nina Dobrev
    Tessa- Ashley Benson
    Corbin- Liam Hemsworth
    Ian- Chord Overstreet
    Paige- Lucy Hale

    =D

    ResponderExcluir
  6. esse capitulo foi ótimo
    para min a Paige era uma barraqueira e iria quebrar a cafa da Effie mais não ela é muito sentimental amo Paige tomara que ela não morra

    ResponderExcluir