quarta-feira, 29 de agosto de 2012

[Crítica] A Casa Silenciosa


Direção: Chris Kentis & Laura Lau
Ano: 2011
País: EUA
Duração: 85 minutos
Título original: Silent House

Crítica:

O silêncio matará você.


No ano passado, eu quase entrei em coma ao assistir A Casa. Com a premissa de ser um filme assustador em one single shot - ou seja, em apenas um take, sem cortes -, eu acabei de me deparando com um filme muito chato sobre uma garota medrosa correndo no escuro sem fim. Então vocês podem imaginar o grande esforço que eu fiz ao decidir assistir ao remake, A Casa Silenciosa (ironicamente, apenas o remake teve uma tradução literal). O maior motivo por eu ter optado passar por este "terror" novamente, é porque eu imaginei que nada poderia ser mais chato que o original... Ou poderia?

A história gira em torno de uma família que está reformando uma casa de campo afastada. Depois de ouvir um barulho no andar de cima, o pai de Sarah resolve dar uma olhada, mas não retorna. Assustada, Sarah vai ao encontro do pai, mas não o vê. Logo, ela percebe que não está sozinha na casa e um homem parece estar à espreita, no escuro. Agora, ela terá que arranjar um jeito de sair da casa escura, sem dar de cara com uma ameaça silenciosa, que não vai deixá-la escapar sem que ela encare os seus piores pesadelos.

Respondendo a pergunta do primeiro parágrafo: não, não poderia. Este remake é muito melhor do que o original. E, dizendo isso, tenho certeza que muitos leitores irão me crucificar. Mesmo assim, gosto é gosto e eu não vou dizer o contrário para agradar os outros. A história básica entre os dois filmes é igual, até o estilo one single shot permanece. Mas temos diversas coisas diferentes, momentos onde o remake acerta de cheio e samba na cara do original. Confesso que não lembro muito das cenas do original, como se eu tivesse sofrido um "apagão" (perdoem o trocadilho), mas a reviravolta final era clara em minha mente.

Esperava que o remake mudasse alguma coisa, porque perderia um pouco da graça saber a resolução do mistério antes do terceiro ato. Para minha infelicidade, a explicação do mistério continua a mesma, mas isso não foi decepcionante. Esses dois filmes trabalham com a revelação final de uma forma completamente diferente, tendo seus respectivos desfechos bem distantes um do outro. Eu gostei muito bastante do ritmo mais frenético apresentado no final deste filme. Estava realmente frustrado, achando que seria algo mais apagado, como o original, então realmente me surpreendi.

É claro que muitos irão odiar por causa do excesso de explicações. Não há nada mastigado, como nos outros filmes de suspense, mas todas as informações são jogadas na nossa cara, sendo confrontadas em tela. No original, era tudo muito vago. Eu lembro que muitas pessoas não conseguiram entender, porque a explicação para tudo estava um tanto oculta e o espectador tinha que pensar um pouco para solucionar o mistério. Neste remake, as coisas são mais fáceis de se entender. E, aqueles que até hoje não entenderam o desfecho de A Casa, devem assistir esta refilmagem, porque as coisas ficarão mais claras.

Para mim, não estragou em nada. Muito pelo contrário, melhorou o resultado final, ao apresentar um desfecho com diversos elementos diferentes do original, seguindo um caminho próprio. Elizabeth Olsen, que interpreta a protagonista, esteve fantástica na atuação. Segurou o seu papel muito bem. Destaco os momentos em que ela está embaixo de uma mesa, gritando por dentro, mas sem fazer qualquer tipo de som. É agonizante. Sua interpretação no terceiro ato também foi ótima. Enfim, este filme eu recomendo. Apesar de ser um pouco arrastado (mas ainda com mais ritmo que o original), o terceiro ato compensa a espera.


Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
5 Comentários

Comentário(s)

5 comentários:

  1. VANESSA VASCONCELOS REZNOR29 de agosto de 2012 21:54

    cara,eu achava que só eu tinha achado o original chato,sem falar que eu não entendi porra nenhuma até agora,acredita? e quando eu vi o trailer desse remake fiquei morrendo de vontade de assisti-lo,para compara-lo com o original,e para finalmente poder entende-lo,e agora que vc está dizendo que além de melhor ele ainda é todo explicado ao pé da letra fiquei mais curiosa ainda,amanhã sem falta assistirei,e não e só vc que na maioria das vezes prefere os remakes,eu tbm,portanto quanto a mim nem se preocupe,não irei te cruxificar hehehe.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito desse filme, serio o suspense dele é muito bom,a explicação foi ótima e não achei arrastado não pelo contrario, é expectativa e suspense que não acaba mais, quanto ao original pra mim foi uma bosta, uma merda total, filme chato sem sentido, pelo menos pra mim que entro nessa lista de pessoas que não entenderam porra nenhuma. e não sei pq alguma coisa me dizia que eu tinha que baixar e assistir esse filme e não me arrependo de modo alguma, esse é bem melhor que a versão Uruguai.

    ResponderExcluir
  3. Acabei de assisti
    não tinha assistido o original
    alias fiquei sabendo agora
    que tinha um antecessor deste
    gostei do filme
    apesar de ser um pouco confuso

    ResponderExcluir
  4. Esse remake é muito melhor que o original

    ResponderExcluir
  5. Eu não imaginei que teria uma reviravolta, achei que seria uma história mais simples, mas o filme me surpreendeu muito mesmo. Eu não achei arrastado, gostei bastante de tudo, só tiraria alguns momentos do final que ficaram meio estranhos, mas o filme em geral é ótimo.

    ResponderExcluir