Especial

Foto:

[Crítica] Batman

Direção: Tim Burton
Ano: 1989
País: EUA / UK
Duração: 126 Minutos
Título original: Batman

Crítica:

Filmes de super heróis hoje em dia estão se tornando cada vez mais populares. A arrecadação monstruosa e a notoriedade que eles ganham apenas instigam os estúdios a trabalharem cada vez mais com personagens de histórias em quadrinhos, e poucas vezes há hesitação. Hoje, já temos oito filmes dedicados ao Super-Herói Batman, e duas franquias de grande sucesso bastante competentes. O único problema é que, nem sempre se acerta nas primeiras adaptações. 

A história do primeiro filme é a que todos conhecem. Quando criança, Bruce Wayne presenciou o assassinato dos pais e prometeu que não deixaria mais haver injustiças em sua cidade. Anos mais tarde, ele se transforma no Batman, um homem que se veste a noite de morcego e ajuda os policiais de Gotham City a desvendar diversos crimes. Quando estava prestes a conseguir fazer justiça, eis que surge o Coringa, um homem fantasiado de palhaço e disposto a aterrorizar Gotham apenas por diversão.

Uma grande pena que a primeira adaptação formal do Homem Morcego já iniciou a franquia sendo uma grande decepção. A limitação de ideias e a visão irrealista da época acabaram por deixar a produção cheia de falhas, com espaço apenas para que o vilão brilhasse e nada mais. O roteiro parece que foi escrito por uma pessoa inexperiente, e mal consegue organizar as ideias. É confuso, perdido e mal-elaborado, até mesmo pra uma época em que a exigência do publico não era tão grande.

Na época, o filme rendeu mais de 410 Milhões mundialmente, e tudo graças a atuação impecável de Jack Nicholson. Nunca vi ator tão competente a ponto de conseguir brilhar no meio de uma história mal contada e imortalizar um personagem. No entanto – como já esperado -, sua história acabou caindo na previsibilidade e ficou cheia de furos. O filme não parou em nenhum momento para dar explicações, ou fazer uma pausa nos acontecimentos para que a ideia se tornasse mais aceitável. Acabou que um homem de negócios se transformou num bobo da corte cheio de recursos para aterrorizar uma cidade de uma forma alegre, como se brotasse vilões do nada. Mas isso precisamos deixar passar, pois as adaptações de antigamente costumavam ser mais fieis, e não existe realismo em um desenho animado ou história em quadrinhos.

 A escolha pro papel de Batman também foi uma das piores ideias do cinema. Michael Keaton nem de longe conseguiu convencer como o homem morcego, e com certeza, deve ter broxado uma geração inteira. Sua aparência física e a maneira como seu Batman é trabalhado são o oposto do que foi visto nos quadrinhos e na série de TV. Por isso, sua escalação se deve apenas pelo fato dele ser um dos grandes nomes da época.

Ainda temos a participação de Kim Basinger como protagonista feminina e par romântico de Bruce. Eles não têm química alguma, e por isso, acabou ficando um pouco apagada. Ela serviu apenas como o estereótipo ambulante da época onde todo super herói precisava de uma mulher linda e indefesa ao lado para ter um propósito, e eu ainda acho que não existe clichê maior que este. Não que isso desmereça sua atuação, que achei ótima, por sinal, mas percebi que o filme poderia funcionar muito bem sem ela. Talvez pudesse ter feito a diferença se fizesse outra coisa além estar em perigo o tempo inteiro.

No fim, Batman consegue ser apenas mais um motivo para que uma nova geração decida recontar a mesma história. E isso, apenas pelos pontos positivos e por ter iniciado uma grande franquia que mais tarde revolucionaria o cinema. Recomendo apenas para quem curte algo trash e quer ver um Coringa espetacular. Mas, se quiserem algo mais sério e um roteiro que faça mais sentido, o jeito é se contentar com os reboots e esperar que daqui pra frente, a franquia só melhore.

PS: Foi lançado um filme em 1966 narrando a história de Batman e Robin contra 4 Super Vilões: Mulher-Gato, Coringa, Charada (Chamado na época de Enigmista) e Pinguim. Porém, foi apenas para promover a série, e nos dias de hoje nem é considerado como uma obra formal. Para ler mais sobre o filme, clique aqui.


Trailer:

Comentário(s)
1 Comentário(s)

Um comentário:

  1. vanessa vasconcelos reznor30 de agosto de 2012 21:59

    i dont remember this movie,but all right,maybe for be longtime.but is a amazing movie.

    ResponderExcluir