domingo, 8 de julho de 2012

[Crítica] Homem-Aranha 3


Direção: Sam Raimi
Ano: 2007
País: EUA
Duração: 139 minutos
Título original: Spider-Man 3

Crítica:

A maior batalha, será a interior.

E, em um piscar de olhos, chegamos a terceira e última parte da franquia. Assim como o primeiro filme, este também tem um crédito especial, uma vez que é o desfecho da saga do homem-aranha. Apesar de não ter o mesmo apelo que o original, este terceiro serve como uma conclusão digna, das poucas histórias que ainda não haviam encontrado o seu fim. E existe coisa melhor do que fechar uma franquia com uma ótima trilogia? Acho que não, né! Sam Raimi, é por isso que eu te amo, cara.

A história volta a acompanhar o Peter, que finalmente parece ter equilíbrio entre sua vida pessoal e sua vida de super-herói. Ele está em um relacionamento sério com a mulher de seus sonhos, Mary Jane, as pessoas idolatram o homem-aranha e o crime na cidade parece ter diminuído radicalmente. Tudo parece perfeito, até que fantasmas do passado voltam para assombrar a vida perfeita de Peter. Depois que um criminoso escapa da prisão, Peter é avisado que ele é o verdadeiro criminoso que atirou em seu avô. Revoltado, Peter parte em busca de sua vingança pessoal, ao mesmo tempo em que Harry busca o mesmo. Em paralelo a isso, uma força alienígena negra entra em contato com o Peter, despertando o pior que há nele...

Diferente dos dois filmes anteriores, este terceiro recebeu muitas críticas negativas. Em geral, os críticos afirmaram a falta de foco, ao mostrar um número excessivo de vilões em cena. Eu realmente não concordo isso. De fato, temos um número de vilões maior do que o comum. Ao total, temos três vilões. Mas, se pensarmos bem, só existe mesmo um, o Venom. E o interessante é que nada foi por acaso, tudo foi fundamental para que ocorresse este choque do protagonista no meio do filme. Fazer um paralelo entre a vingança do Peter com a vingança do Harry, foi uma ótima jogada. Como Peter poderia querer compreensão do amigo quando ele mesmo não conseguia?

Harry recebeu uma atenção bem maior do que nos filmes anteriores. Afinal, este foi o momento dele. Este foi o gancho que o segundo filme havia deixado, fazendo-nos entender que ele iria tentar se vingar do seu pai, mesmo sabendo que o homem-aranha era seu melhor amigo. Venom também foi determinante para que as coisas acontecessem na trama. Todos sabemos que o Peter é um cara bom, então ele nunca teria feito certas coisas que ele fez nesta sequência. E foram justamente estas atitudes erradas que o levou a um final explosivo, onde a vingança era um prato que se come... acompanhado.

Ainda como curiosidade, este terceiro filme apresenta a Gwen Stacy, que tem uma história de amor com o Peter em outras mídias. Nesta franquia, ela só apareceu mesmo como uma "homenagem", uma vez que o destino de Peter é mesmo ao lado de Mary Jane. Ou vocês acharam que ele a trocaria depois de dois filmes de muita luta? É, eu também duvidei que isso aconteceria. Aliás, eu não queria que isso acontecesse, de forma alguma. E, para completar esta pequena curiosidade, devo informar que a Gwen é o par oficial do homem-aranha no novo filme, O Espetacular Homem-Aranha.

Este filme tem um clima ligeiramente mais distante dos outros. Temos um clima mais obscuro e mais cenas noturnas. Grande causa disso, é a chegada do Venom, que representa o lado negro do homem-aranha. O diretor aproveitou para usar esta metáfora e nos apresentar cenas mais escuras, que eram raras nos filmes anteriores. O trabalho ficou excelente e o material de divulgação também não ficou para trás, apresentando belíssimas imagens e pôsteres. Bem, na minha opinião, este filme fechou a trilogia com chave de ouro. Não poderia ser melhor. A sequência final é muito boa, a melhor da franquia, sem dúvidas.

Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário