quarta-feira, 11 de julho de 2012

[Crítica] Continuum - 1x06: Time's Up


“Os Protetores policiam os cidadãos...E quem policia as Corporações?!” (Kiera)
“Corações e mentes, muito mais eficientes que bombas e armas.” (Kagame)

Review:
(Spoilers Abaixo)

Gente, como eu estava com saudades da série – e isso que eu só fiquei uma semana sem a série. Eu só percebi isso quando eu terminei de assistir ontem. Continuum me deixa com a mesma sensação que Awake (ainda de luto pela série estar no banner de cancelados) me deixava no final de cada episódio: uma  curiosidade, uma vontade de assistir mais e mais da série pra entender o que está acontecendo ali. E o bom de Continuum é que mesmo com a complexidade da série, ela vem conseguindo atingir bons indices de audiência ao contrário da série já citada. 

Essa semana, a série conseguiu manter a alta qualidade que vêm apresentando até agora, mas como sabemos qualidade não é o que mantém uma série no ar, não é verdade? O bom mesmo é que pra uma trama da ShowCase – que não é exatamente um show de canal -  a audiência está indo bem, como eu já disse aliás. Mas é bom dar um ênfase nas coisas, certo?! E como só faltam mais 4 episódios pra finale, eu realmente acharia ótimo que tivessemos uma renovação logo. Porém sabemos que a vida não é um pote de ouro, inspiração e...piadas que fica depois de um arco-íris – até porque arco-íris é apenas raios eletromagnéticos, o que costumamos chamar de luz e não existe nada depois da luz...A não ser que você seja muito religioso e acredite naquela coisa de que quando se morre se ver uma luz e uma voz diz  “Não vá pra luz” e toda essa baboseira de novela global. Nossa, parece que eu estou levemente mal humorado hoje, ou eu levei um fora ou a Brennan está fazendo um estágio aqui escrevendo essa review. É, eu também acho que a primeira opção é a menos provavél já que eu sou tipo, irresistivél – auto-estima é tudo, certo?! Enfim, vamos ao episódio.

Essa semana - que saudade de poder dizer isso, porque geralmente eu estou sempre atrasado – o Liber8 começou a por seu plano em ação. Como eu disse na crítica passada, Edouard Todo-Kagado (e eu continuo falando com sotaque japonês) trouxe uma grande diferença pra maneira de agir do grupo: antes era tudo na base da agressividade e violência, desde que o líder chegou as coisas passaram a ser mais pacificas e ideológicas. E como nossa própria história mostra, às vezes tudo que o povo precisa é de raiva, união e um mesmo ideal por qual lutar. Tendo isso, o Sr.Kagado pode causar a Segunda Guerra-Fria, como um bom entendedor de história sabe a Guerra Fria quase adiantou o tão previsto Fim Do Mundo, imagina o que uma segunda poderia fazer...ainda mais no mundo dramático das séries. Onde viagens no tempo e realidades paralelas já são quase um clichê.

Então eis que Edouard, se mostrou mais inteligente do que Kagado. Ele manipulou tudo e todos, nem o instinto de Kiera ou a tecnologia de Alec foram capazes de impedir todo o plano do Sr.Kagame – ele mereceu meu respeito, ao menos, por enquanto . Era como assistir os mocinhos dando voltas em voltas, e ao invés de impedirem os bad guys eles estavam os ajudando mesmo que sem querer.

O plano não deixou de ser infalivél – aprenda Cebolinha. Primeiro teve a manipulação de um grupo de revoltosos para invadir empresa Exotrol, depois a manipulação dos próprios funcionários dentro da empresa, sem falar nos protagonistas que acabaram manipulados também. Credo! Isso está parecendo um Big Brother Brasil. A Liber8 conseguiu atingir seus objetivos, ganhando o apoio popular. Desde da atitude de distribuir o dinheiro do resgate pro povo revoltoso até a ideia do julgamento popular, onde as pessoas votavam pela morte da Diretora seguestrada pela Internet. Eu imaginei essa situação aqui no Brasil com todos esses crimes que chocam a população, o caso dos Nardoni, da Suzane Rictchofen, do Goleiro Bruno...e, infelizmente mais vários outros. Eu não sei se votaria em um “Não” pra morte dessas pessoas. #MeJulguem. No final o grupo fez com que a diretora confessasse seus crimes pra toda a população, através da Internet – se passarão anos, mas a Internet nunca será algo obsoleto, pfvr – e ainda teve seu símbolo pichado num muro. Parece que as coisas estão assim então:

Liber8 1x1 Kiera

Eu vejo uma ambiguidade muito grande nas atitudes da Liber8, num momento Kagame está dizendo que quer instigar a população a pensar, mas no outro ele está induzindo seus pensamentos e suas ideias na cabeça da população. A gente tem que ser realista, metade da população não pensa, tem gente que mal sabe em quem está votando. E quando sabe, não faz as melhores escolhas, vide Tiririca eleito com o maior número de votos – está certo que ele é um dos poucos que não tem faltado no Congresso e tudo o mais. Mas enfim, isso aqui não é uma crítica de CQC.

Em meio a tudo isso acontecendo, ainda temos o plot do meio-irmão emo do Alec (resistindo a vontade louca de escrever “Alex") o Julian, que querendo mostrar ter mais atitude que seu pai, acabou se envolvendo nas manifestações violentas contra a Exotrol. Ele e Alec acabaram tendo uma briga, já que foi nosso nerd preferido que contou a participação de Julian pro pai dele. Isso me fez perguntar por onde andaria Julian no futuro, uma vez que no  Piloto, vemos só Alec em 2077. Esse garoto ainda vai se envolver em algo muito maior do que destruir as vidraças de um prédio, podem anotar.

Como se já não fosse o suficiente, ainda vemos Kellog invadindo o apartamento da Kiera e roubando a parte da Bola do Tempo que tinha quebrado há alguns episódios atrás. É o que dizem “Quem procura, infelizmente, acha”.

E ainda teve aquele momento que os roteiristas plantam a "sementinha da dúvida" tanto nas nossas cabeças quanto na de Kiera. Ver ela se questionando, mesmo que no seu futuro, ou no seu futuro-passado (oi?) foi muito bom. Afinal, será que existe mesmo um lado do mal na série? Até que ponto as ideias do grupo estariam certas ou erradas?

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
2 Comentários

Comentário(s)

2 comentários:

  1. Toda vez que vejo o nome Julian me lembro do Rei Julian de Madagascar. É impossível não ver a imagem dele na minha cabeça! E o pior é que logo vem a musica junto, aí "I Like to move it" não sai da minha cabeça!
    Então, toda vez que aparecia Julian na legenda eu ria... D:

    ResponderExcluir