sábado, 7 de julho de 2012

[Crítica] Antes que Termine o Dia

Direção: Gil Junger
Ano: 2004
País: EUA/UK
Duração: 92 Minutos
Título original: If Only
Crítica: 

Um mesmo dia, duas vezes. E uma úncia chance.

O que faríamos se pudéssemos voltar no tempo e reparar os erros cometidos no passado? O que aconteceria se pudéssemos ter seguido caminhos diferentes? Em Antes que Termine o Dia, segundas chances existem e todas essas perguntas são facilmente respondidas quando é o amor que está em jogo. Por ter uma abordagem completamente diferente dos demais, ele se destaca entre os romances e no mínimo, satisfaz os fãs do gênero.

Protagonizado por Jennifer Love Hewitt, Antes que Termine o Dia gira em torno de Samantha e Ian, um casal feliz e cheio de planos para o futuro. Porém, enquanto Samantha tenta se focar no relacionamento e dar tudo de si, Ian parece mais interessado no trabalho e nos amigos. Após uma briga, eles decidem terminar o romance, logo quando Samantha sofre um acidente e acaba morrendo. Mas no dia seguinte, Ian percebe que acordou no dia anterior e que terá a chance de reparar seus erros e fazer de Samantha a mulher mais feliz do mundo antes que termine o dia.

Um roteiro que não precisa de efeitos especiais ou um elenco de grandes nomes pra fazer a diferença. Antes que Termine o Dia é recheado de cenas empolgantes e situações que nos levam a pensar o que aconteceria se estivéssemos no lugar dos personagens, por fazer o telespectador se identificar facilmente com os acontecimentos. Assim, não cansa em momento algum, muito menos quando chega em seu ápice e precisamos encarar as cenas decisivas.

O filme tem tão poucos pontos negativos que eles acabam se tornando quase nulos. Os atores se saíram muito bem, e conseguiram sim nos passar emoção, mesmo que algumas cenas parecessem melosas ao extremo. Mas, insisto em dizer que o filme se sairia bem melhor se fosse levado mais a sério. A direção não é muito boa, o que leva o filme a ter um aspecto amador e precário, como se tivesse sido feito pra TV, ou fosse mais antigo que a época em que fora lançado. Algo que foi completamente engolido pelo bom roteiro, diga-se de passagem, já que se tivesse sido feito com uma câmera amadora ainda assim não perderia seu brilho.

Ele ainda Sobressalta não apenas o carpe diem, como também, a predestinação. Deixa claro que de uma forma ou de outra tudo que nos foi predestinado vai acontecer, mesmo que tentemos mudar ou seguir caminhos diferentes. Um pouco contraditório de acordo com o final, mas este realmente não era o foco. O foco não é tentar impedir uma tragédia e mudar completamente o rumo da vida, e sim, aproveitar o tempo que ainda resta fazendo-o valer.

A explicação para todos os acontecimentos vai de cada um, pois o filme não para em momento algum para nos dizer o motivo do dia ter voltado ou porque isso aconteceu. Para mim, a explicação para os fatos também é o de menos. O filme serve mais como uma lição de vida isolada de qualquer fator realista onde o que realmente importa é o significado da mensagem. . E nesse aspecto, não existe nota melhor para dar-lhe se não Nota 10,0. 

Trailer Legendado:
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
2 Comentários

Comentário(s)

2 comentários:

  1. Ótima critica, concordo com exatamente tudo.
    Comecei a ver esse filme só por causa da minha Love, mas acabei me surpreendendo! é muito emocionante, até hoje a frase '' não quero ser adorada, quero ser amada!'' fica na minha cabeça...

    ResponderExcluir
  2. Eu não acredito em destisno mas cara,juro,sexta-feira 07/07 eu vi esse filme na minha escola,todo mundo chorou no final e eu confesso q fui uma dessas pessoas.Eu não acho q destino seja decisivo,vc faz oq acha certo no momento,e por efeito dominó as coisas acontecem.O filme foi lindo e a sua crítica genial,parabéns

    ResponderExcluir