quinta-feira, 17 de maio de 2012

[Crítica] Dexter - 6ª Temporada

Duração: 50 Minutos
Nº de Episódios: 12 Episódios
Exibição: 2011
Emissora: Showtime

O anjo da vingança retorna.

Crítica:
(Spoilers Abaixo)

Nunca uma tagline tinha combinado tanto com a temporada em si né? Vir com esse papo de anjo logo quando a série vai entrar no mundo religioso psicótico. Eu sei, todos temos um parente crente que acha que vai pro céu mais fácil se vestir saião e estiver com o dízimo em dia, não é nenhuma novidade. A não ser quando eles piram e começam a matar as pessoas pra trazer o apocalipse. ~Polêmica~

Bom, nada melhor que mostrar o lado doentio da fé, né? Ainda mais quando Dexter, nesses cinco anos, já havia explorado uma série de coisas e deixado todo esse lance de fé na reserva. A temporada não superou a anterior né, nada supera aquela batalha contra os estupradores, mas também não decepcionou em nada. Foram 12 episódios frenéticos, não dava pra parar de ver. Era morte pra cá, morte pra lá, reviravolta até onde deveria ser um fato concreto. Confesso que me perdi e precisei de algumas horas de reflexão pra criar uma opinião sobre tudo isso.

Tudo começa quando um professor convence um aluno de que eles podem forçar o apocalipse porque são as duas testemunhas bíblicas. Existe uma teoria que diz que duas pessoas podem ser escolhidas por Deus pra realizar vários sacrifícios que no fim resultarão na chegada do juízo final. E é claro, o povo de Miami começa a morrer das formas mais bizarras pra esses rituais serem realizados. Sentiu só o poder do Dooms Day Killer? Um assassino com fé... Chamar atenção de Dexter ele já conseguiu.

Acho incrível como em todo episódio eles conseguem misturar a história com o eu do Dexter. Nesse caso, os assassinatos lhe fizeram questionar sobre um psicopata poder ter fé, algo que ele achava até então impossível. A chegada de um fiel amigo chamado Sam foi o que mais fez Dexter ter dúvidas. O irmão Sam, agora liberto, em seus dias mundanos era um bandido como qualquer outro que merece apodrecer num presídio. Sua fé o salvou verdadeiramente, mesmo que em algumas situações, Dexter tenha achado que ele não conseguiu se livrar dos maus hábitos.

O irmão Sam entrou na série como qualquer outro coadjuvante flopado, mas com o decorrer da série, foi ganhando meu respeito. Achei sua morte super trágica, ainda mais porque ele era um dos poucos evangélicos que realmente acreditavam na mudança e queriam seguir a Deus verdadeiramente. Ele foi assassinado pelo próprio amigo que tentava ajudar, e o mistério em volta de sua morte foi no mínimo interessante. Mas, nada que o vingador não desse conta, né? O assassinato de Sam foi a prova morta de que o Dooms Day Killer apenas usava a religião para matar pessoas, e não podia ser liberto.

Acho que a reviravolta mais cretina de TODA A SÉRIE, e vocês vão concordar, é quando descobrimos que não existem dois Dooms Day Killer, e sim, apenas um. O mais fraco deles, o estudante, que passou metade da temporada relutando em matar pessoas. Ele assassinou seu professor após ele ter se negado a ajudá-lo na matança e criou uma série de ilusões que lhe faziam acreditar que seu professor ainda estava vivo e era ele quem comandava tudo. Gente, what the fuck? Essa noite em nem consegui dormir por causa disso, foi a melhor reviravolta ever! Tipo, quem imaginaria uma coisa dessas? E se encaixou perfeitamente, porque Travis era o único que mantinha contato com o professor, o único que o via, estava se perdendo na própria loucura.

Com o Travis tendo conhecimento de sua “missão”, parece que as coisas se complicaram ainda mais. Ele ficou mais diabólico, mais disposto e matar pessoas pra poder trazer o apocalipse a Terra e ser salvo. Gente, vamos rir, onde ele enfiou o “Não matarás” me respondam por favor? Enfim, pode até ser engraçado, mas as coisas ficaram mesmo sérias. Ele lutou pau a pau com o Dexter, e se não fosse a experiência do justiceiro, teríamos que dar Adeus a Dexter. O melhor sacrifício foi o penúltimo, quando ele mandou uma fanática se matar com um gás venenoso que mataria toda Miami Metro Homicides. A Deb por pouco não morreu, Dexter trancou a crente louca na sala pra morrer sozinha HAHAHAHA! E todos ateu grita!

Agora, vamos a participação de cada personagem nessa temporada, porque nem tudo era só Dexter e crentes fanáticos né. O relacionamento de Quinn e Deb teve alguns contratempos quando, por fogo no rabo, ele a pediu em casamento. Achei um absurdo, ainda mais vindo dele. Depois desse pedido tudo desandou, terminaram, Deb nem sabia o que tinha sentido por ele e ficaram brigando. Apesar de ter gostado dos esculachos, torço para que eles conseguiam ficar juntos no final. Porque todas as pessoas que se odeiam precisam viver uma história de amor.

Maria LaGuerta fez mais da suas, e adicionou chantagem e antiética no enorme currículo de ruindade. Fez de novo a vida da nossa Deb um inferno só porque ela foi escolhida pra ser a nova tenente quando LaGuerta subiu de cargo. A cena delas na Season Finale foi até bonitinha, ela ajudando a Deb, dando forças, mas nunca vai ficar por cima de tudo o que ela já fez. Até Angel sentiu nojo dela, olha que ele aceitou todos esses zilhões de defeitos quando ficou com ela.

Mais alguns personagens entraram pro elenco, e não acho que vão sair tão fácil. Vince teve uma estagiária pilantra que roubou evidencias sobre o Ice Truck Killer pra vender online, e depois chamou outro mais pilantra ainda, que comprou o que a outra roubou e fingiu que não sabia de nada (!!!). Ele parece ter algum, sei lá, tesão pelo Dexter, ou psicopatas, acho que ele vai se tornar um problema na Season 7. Espero que ele dê trabalho mesmo, ficar com a irmãzinha do Angel é muito pouco pra fazer sua participação valer.

Bem, vamos ao gancho mór da série? Porque depois dessa precisa ter muita paciência pra aguentar tanto tempo sem saber o que vai acontecer. Deb, lá pelos últimos episódios, foi obrigada por sua psicóloga a abrir uma perigosa porta. Ela descobriu que estava apaixonada por Dexter porque ele era o homem da sua vida, seu exemplo, a pessoa mais importante, e todos os seus outros relacionamentos tinham dado errado. Achei tudo isso muito tenso, porque é uma porta realmente doentia, mesmo que ela e Dexter não sejam irmãos de sangue.

Mas acho que tudo isso vai ser rompido na próxima temporada, já que Deb acaba de assistir o irmão matando o Dooms Day Killer, e ninguém permaneceria apaixonado depois de ver uma coisa dessas. Nem consigo imaginar qual vai ser sua reação, só sabemos que o choque não foi dos pequenos e que, de acordo com os sites, a sétima temporada vai mudar muita coisa. Eu to que não me aguento de tanta ansiedade aqui, não é possível que falte tanto pra essa bendita Season 7 estrear. Que Deus nos ajude com essa espera viu... E não é uma ironia.

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
4 Comentários

Comentário(s)

4 comentários:

  1. Cara...reler essa crítica me fez lembrar de cada pedacinho perfeito dessa temporada.
    Entrei no nirvana de novo! kkkkkk
    Os comentários dessa temporada foram os melhores. Amei mesmo. (destaque especial para essa tirinha aqui no fim rsrsrs)

    Não consigo me conter de curiosidade p/ saber o que aquele nerd é afinal! Um stalker do Dexter? Um fã de carteirinha? Um novo assassino?

    E essa parada da Debra ser apaixonada pelo Dexter me deixou enojada. Sério.
    Tipo, não é difícil perceber que os autores sempre levaram o relacionamento deles dois de forma muito estranha...o irmão sempre foi o porto seguro dela. Quando precisava de alguma ajuda não pedia ao namorado ou sei lá...sempre correu para o Dexter. Sempre teve uma relação de dependência muito grande, mas cara... eles podem não ser irmãos de sangue, mas foram criados assim! Cresceram juntos dessa forma. Só porque não são de sangue isso não deixa de ser incestuoso. Seria a mesma coisa que um filho se apaixonar pelo pai adotivo... o amor transferido, o psicológico...tudo é igual de um pai de sangue. O que muda são os genes.

    Enfim... o melhor de tudo: aquele final!
    Para quem lê os livros, a Deb já sabe do "segredinho" do irmão desde o início, mas como levaram a série por outro caminho, fiquei realmente chocada com isso. No livro a Deb leva numa boa rsrsrs incrivelmente numa boa, mas a Deb da série é muito mais sensível e com um emocional bem mais abalado (também, né? Só teve relacionamento fail). Vamos ver como será.

    Último comentário. Tenho que fazer: "onde ele enfiou o “Não matarás” me respondam por favor?" kkkkkkkk os crentes fanáticos fazem sempre questão de esquecer essa parte, não?

    PS: sou crente rsrsrs (não o melhor exemplo, mas...)

    PS2: Depois dessa crítica ótima dessa temporada, ainda não entendo como você prefere a quinta XD

    ResponderExcluir
  2. Pra mim foi a melhor temporada de Dexter até agora!!! Eu amei ver cada morte doentia do Assassino do Apocalipse. A mais chocante pra mim foi o Anjo e mais bizarra com certeza foi a dos 4 Cavaleiros do Apocalipse!! Simplesmente perfeito. Enfim, que venha a sétima temporada porque eu to que não me aguento!! *-------------*

    ResponderExcluir
  3. A PIORRR TEMPORADA DA SÉRIE
    reduzindo dexter, uma série espetacular a uma "csi" da vida aff ¬¬
    acordem !!
    pessíma direção, pessímo roteiro

    ResponderExcluir
  4. a 5ª a 6ª temporada são as piores da série. A personagem Dexter está irreconhecivel, virou gente normal investigando assassinatos, não tem mais mente de serial-killer como nas primeiras temporadas. Meu ranking de temporadas: 4ª-1ª-2ª-3ª-6ª-5ª. o que me deixa feliz é que já vi os 3 primeiros episodios da 7ª temporada e a série está excelente como era antes da 5ª temporada. The real Dexter is back.

    ResponderExcluir