sábado, 14 de abril de 2012

[Crítica] Touch - 1x03/04: Safety In Numbers/Kite Strings




Brincar com bonecos dos Power Rangers pra quê quando se tem um Q.I. maior que o de Albert Einsten?


Review:
(Spoilers Abaixo)


Podem falar o que quiserem de Touch, mas pra mim a série continua boa, está certo que só tem 4 episódios, mas quem se importa? Antes de falar dos episódios, quero me desculpar pelo atrasos nas críticas (mais uma vez). Quem mora em SP viu a recente tempestade (a.k.a. "céu caindo") que teve por aqui, aparentemente um raio atingiu o sistema transmissor da empresa(minha cara de quem entende de ondas eletromagnéticas),o que me deixou apenas com um Android para me conectar com um mundo por 3 dias. Fiquei com raiva? Imaginem. Eu só liguei na empresa umas 10621 (quem souber que número é esse ganha uma bala) vezes pra ver quando ia voltar. Então, tive que recorrer a uma review dupla, pra evitar um atraso maior. Dito isso vamos a crítica.


Os dois episódios continuaram com a boa qualidade que a série vêm nos apresentando agora. Foi bom ver que mesmo sendo um procedural, os personagens e os plots secundários serão mantidos, eu já falei que os personagens das tramas paralelas me agradam imensamente, e me pego torcendo por eles, por isso me deixou muito satisfeito saber que as histórias deles podem sempre voltar: as japonesas e o celular(do piloto) no terceiro episódio, o Abdul(?) e o bombeiro envolvido na morte de Sarah no quarto episódio.


A série consegue nos fazer se apegar a esses personagens, e quão bom é poder ver o que acontece com eles depois do que nos é mostrado? Quem diria que Abdul, mesmo no Iraque, conseguiria seguir sonhos de ser humorista? E como é engraçado ver o modo como as coisas se conectam ao longo do episódio, pra no final tudo dar certo. Ou pelo menos, acontecer do jeito que estariam pré-determinadas de acordo os padrões vistos por Jake.


No terceiro temos uma participação maior de Clea, descobrimos sobre sua mãe esquizofrênica e seu relacionamento (ou melhor a falta dele) com sua mãe. Outro detalhe do episódio 3, é o mistério do que tem por trás da porta de n°6, Jake fica extremamente obcecado por aquela porta, e apesar de todos dizerem que não tem nada ou ninguém ali, nós sabemos que o carrinho vermelho não voltou sozinho, né? Eu já estou extremamente curioso, espero que não fiquem demorando séculos e séculos pra nos dizerem. Além disso, vemos Martin ajudando outra pessoa com o mesmo "dom" de Jake, seria legal se a série trouxesse mais personagens assim, para podermos ver como cada uma dessas pessoas lida com esse dom(ou seria "maldição"? Afinal eles sentem a dor de terceiros por causa disso).


No 4°, o enfoque maior foi a esposa de Martin e mãe de Jake, estou cada vez mais certo que Sarah não está morta. Durante todo o episódio as palavras "amante" e "caso" ficaram piscando na minha cabeça, mas aparentemente não era isso, ela apenar era solidária por isso ajudava Bobby. Outro que nos ajuda a saber mais do que aconteceu com Sarah é o bombeiro que ~acha~ que a deixou morrer ao conversar com o padre.


Nesse Kite Strings, Jake se arriscou mais para parar com seu sofrimento, saiu da zona de conforto dela. Deve ser muito tenso, viver com angústias e sofrimentos de terceiros. Por isso o garoto é daquele jeito. Ainda me questiono muito, se ele é realmente autista. Ele se pendurando pra pegar a pipa vermelha e sendo salvo no último segundo foi tenso. Quando ele começou a se debater pensei "Vai dar merda".


Aliás, só eu senti que o garoto tem uma fissuração na cor vermelha?A canetinha VERMELHA, o carrinho VERMELHO e a pipa VERMELHA. A cor tem algo de importante, sim, claro ou obviamente?


Estou começando a ficar tocado por Touch, esses episódios me deixaram extremamente curioso, já quero saber mais da personagem da Sarah, mais sobre a mãe da Clea, mais sobre a pessoa por trás da porta n°6. Amo quando fico ansioso pelos próximos episódios de uma série. Só espero que não queiram manter esses mistérios por 6 temporadas (Lost é você?).


P.S.
Foi interessante a inscrição da aliança ser "1+1=3", expressão que deu título ao 2° episódio. Será que significa alguma coisa?
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
5 Comentários

Comentário(s)

5 comentários:

  1. Eu acho mt melhor que awake! u.u
    ~assovia~
    A série está ótimo, mas vc sabe qntos episódios tera a 1ª temp.?
    Que não seja 22! Porque não faz a cara de Touch e iriam ficar arrastando demais a história.

    ResponderExcluir
  2. Yiow,não tenho certeza,mas acredito eu que serão nessa faixa de episódios mesmo(entre 20 e 25).
    E eu continuo achando Awake melhor,kk

    ResponderExcluir
  3. Desculpe minha ignorancia, mais pode me explicar oque significa "procedural"? ,-,

    ResponderExcluir
  4. Procedural são séries que seguem um certo esquema,uma certa dinâmica.É quando temos uma tipo de situação que se repete todo o episódio(como por exemplo o "caso por semana")...

    Séries como CSI,AWAKE,TOUCH,CRIMINAL MINDS,GRIMM,BONES,CASTLE,SHERLOCK são exemplos de séries procedurais.

    Deu pra entender?Pq nem eu entendi.

    ResponderExcluir
  5. Sherlock, Grimm, Awake e Touch, eu não considero procedural, pelo menos TOTALMENTE. Grimm até que é, mas nos últimos episódios mostrou que não veio apenas pra isso...
    Touch e Awake o procedural não é o PRINCIPAL, ou tem como apenas pano de fundo, ou o procedural ajuda com a trama
    E Sherlock eu DEFINITIVAMENTE não acho procedural, analisando o fato de todo episódio estar ligado com o gran finale da temporada ;)

    ResponderExcluir