sexta-feira, 23 de março de 2012

[Crítica] Skins - 6x09: Mini and Franky

O jeito é, dar uma fugidinha com você.

Crítica:
(Spoilers abaixo)

Quando soube que as duas garotas mais antipáticas da série ganhariam um episódio juntas, comecei a me preparar mentalmente. Já tentei Yoga, massagens, tudo que me fizesse ficar mais relaxado pra assistir o que parecia ser o episódio mais ridículo de toda a série. Se Mini e Franky como coadjuvantes nas histórias dos outros já são um porre, nem queria imaginar como seria quando tivessem a história focada nelas e em toda aquela revolta e sede de culpar as pessoas pelos problemas que as mesmas estão tentando resolver.

Odiosas ou não, as duas foram o centro da trama, que focou bastante na gravidez de Mini e como isso começaria a afetar quando as pessoas soubessem. Porque gravidez, numa série adolescente, é quase um palavrão. O drama é visto por muitos como o pesadelo de todas as pessoas jovens, por isso é bem fácil colocar alguém grávida na turma pra ver o circo pegar fogo de uma forma apocalíptica. Querendo ou não, a barriga dela cresceria, e a desculpa de que comeu muito nas festas dos feriados não duraria pra sempre.

Uma coisa que eu tinha duvidas no começo era sobre a reação de Alo. Por ser tão estranho, excluído e carente, pensei que aceitaria Mini grávida com um sorriso no rosto, sendo este um sonho que ele estranhamente teve ao longo da vida. Mas não, ele gritou aos quatro ventos que isso arruinaria a sua vida, e foi exatamente isso que fez o público simpatizar com Mini. Ela não engravidou sozinha e seu medo da reação do pai estava se tornando realidade, ficou difícil não torcer pra loira metida e antipática que não vale nada. Porque ela não vale mesmo, e todo mundo sabe disso desde a quinta temporada quando ela fez um inferninho Pink na vida de todos os personagens.

Agora, pela parte de Franky, tudo pareceu meio brega. Porque nos episódios anteriores vimos todo esse drama com o Matty, Nick, e toda essa confusão que até agora não fez o menor sentido. Digo isso porque de repente, Nick se apaixonou por ela. De repente, Matty matou Grace. De repente, Franky amava tanto ele que sentia que não tinha controle e por isso preferia ficar longe ao invés de se entregar como uma pessoa normal que é correspondida. Isso tudo ficou muito cansativo, e só em pensar que vem mais no episódio final quero rever todas as outras temporadas.

E o que se faz quando a vida está uma merda e as pessoas ao redor não são o suficiente? É claro, tem a opção da fuga, mas onde já se viu fugir sem m tostão no bolso? Esperança de uma vida melhor não enche barriga, ainda mais a barriga de uma grávida, que come por dois. E tudo isso só porque a mãe de Mini queria que sua neta fosse pra adoção e Franky não achava justo um bebê que ela conhece ter o mesmo destino que ela. Quer dizer, que destino? Morar com um casal gay e compreensivo pareceu ser a pior coisa do mundo perto de morar num orfanato e não ser amada por ninguém? Sério Franks, você decepciona a gente a cada episódio.


Pra fechar a semana, finalmente, um final cheio de suspense. Por sempre ter dedicado um episódio para um personagem ou dois, Skins sempre se preocupou em terminar uma história no mesmo episódio em que ela começou. Mas dessa vez, sentimos aquele gostinho de “Eu preciso ver o próximo episódio desesperadamente ou então eu morro”, que todas as outras séries têm. Talvez Mini sangrar não significa que ela vai perder o bebê, talvez Franky fugir não significa que não vai ser encontrada, talvez o ultimo episódio da série antes dos especiais pra cada geração ano que vem realmente nos surpreenda, e faça valer todos esses anos ao lado de Skins. Mas mesmo que valha, já estou de luto. Existe vida após Skins?
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário